We propose an article written some years ago by Sister Maria Barbagallo, MSC Former General Superior, about the Beatification of Mother Cabrini, November 13th 1938.
Below you can find some initiatives organised in our Cabrinian World for this important Feast day.


On 13th November 1938 Francesca Saverio Cabrini was proclaimed Blessed
by Sister Maria Barbagallo

In recent decades there have been so many beatifications and canonisations that we find it hard to remember them all. In fact, we only remember the most important figures and what strikes us most is the fact that we have known many of these blesseds and saints personally. We feel great joy in seeing that the Church can truly speak well of itself. And they especially enjoy those nations, parishes, congregations that are directly interested in that blessed or beatified, that saint or saint. And it is true, these blesseds and saints do honour to the Church, especially in difficult times like these.
Perhaps it is surprising that we remember a beatification of eighty years ago, that of Frances Xavier Cabrini, but at that time – we are in 1938 – blesseds were not so easily proclaimed and the processes very long and tiring. In the case of Mother Cabrini, the event was also extraordinarily felt by politicians, writers, journalists, artists and theologians who wrote hundreds of texts about her.

Reading the documents of the beatification, one is truly surprised by the affective participation not only of the people – thousands of letters attesting to some grace received arrived at the mother house of the Missionaries of the Sacred Heart founded by Mother Cabrini – but above all of cardinals, bishops, prelates and nuncios who came from all parts of the world to venerate a new blessed who had not had an easy life during her life. When she was alive, they almost ran away from her. John XXIII once recounted that in the Curia of Bergamo some priests saw Mother Cabrini waiting to speak to the bishop and murmured that “she always had one”. A South American prelate who had given her a hard time, invited to the inauguration of a missionary work, was surprised, perhaps out of a sense of guilt. But with great feminine tact, Mother Cabrini took the opportunity to make him reflect on the evil he had done to her and in no uncertain terms invited him to “convert and change his life”.

There are countless long waits in the bishop’s curias that Mother Cabrini made without any result, indeed with negative results. Yet in Cabrini’s many letters, while not hiding the reality, when speaking of those moments – with regard to bishops she often declares herself confident “that the Sacred Heart would have changed his heart” – she always repeats: “That holy bishop was very good, he seems like a real father”.
After her death, however, when the nun was proclaimed blessed, cardinals and bishops, nuncios and priests wanted to be present from major cities in the United States, Europe and South America. Perhaps they understood that Mother Cabrini had never doubted that the path God had shown her could only be followed in faithful, sincere obedience to the Church. A Church that she loved and respected even though she saw its less good sides. In fact, she had not moved a step until the many prelates with whom she had to deal gave their consent, even if she was often forced to present her plans with different strategies. For her this meant the confirmation that she was in God’s will. And these clerics in their speeches extolled Cabrini’s humility despite having experienced her determination.

Giuseppe De Luca, the intellectual priest who was among the first to write about Mother Cabrini, observed on the occasion of her beatification: “She had the Church as her teacher, with those eternal teachings and those temporal peculiarities that were of her time. She accepted and borrowed expressions and directives, just as the Church offered them between 1880 and 1910, recognising the divine and not rejecting the human (…) She made her earthly voyage on the ship of the Church, accommodating herself without sublime disdain or critical intelligence to the colour of her time. He said: “We are in the bosom of the Catholic Church, and we always rest our heads on the mysterious and dear stone that is Jesus”.
Even without the means of communication we have today, Mother Cabrini’s beatification aroused the interest and love of many who did not know who she was. In Honolulu, prisoners built a church in honour of Blessed Cabrini. In China, nuns found a church named after her. In Germany, a noblewoman donated her castle to a congregation of religious who cared for disabled children and named the building after Mother Cabrini. After her beatification, young priests from the United States went to celebrate their first Mass at one of the Cabrini sites, now shrines.

Comics and magazines were published telling the story of the Blessed. Lorenzo Perosi composed a Mass in honour of the Blessed as well as setting to music a cantata written by Fr De Luca. Silvio D’Amico, the famous theatre critic and historian, gave a memorable lecture in Rome in the Aula Magna of the Gregorian University in the presence of Princess Maria of Savoy, members of the diplomatic corps and other personalities, and concluded his long speech as follows: “Even a learned priest from Lombardy, who had known Mother Cabrini from close up since the end of the last century because he had been a catechist in her house in Milan, once saw her from a window crossing the courtyard, called his housekeeper to point out to her the worn nun with the big sweet eyes, and said to her: “Look well, she is a saint”. The priest’s name at the time was Don Achille Ratti; it was the Pontiff who beatified her”.

The Archbishop of Chicago, Cardinal George Mundelein, in a radio message broadcast on the same day of the beatification by the Vatican, said among other things: “She is the first of our people to receive the highest honour that the Church assigns to one of her children, counting him among the Blessed of Heaven. Many of us are immigrants or the children of immigrants, and it is fitting and encouraging for us that a foreigner, who has become a naturalised American citizen, should be the first to be raised to the honour of the altars, to become our national heroine and our universal patron saint”. And Saint Pius X, Blessed Cardinals Andrea Carlo Ferrari and Ildefonso Schuster, both archbishops of Milan, Pius Xii and many others were great admirers and devotees of Mother Cabrini.
A few months after the beatification – it was 1939 – a picture of Francesca Cabrini was exhibited and blessed on the steamer Rex. On that occasion Giuseppe Capra held a conference to underline the good that the new Blessed had done while alive and that she continued to do after her death. Among other things, he recounted a singular fact: “A poor Italian man was returning from visiting his sick wife in Cabrini’s Columbus hospital and, desolate because he was out of work, had decided to throw himself into the river. He was walking sadly with a gloomy purpose when he saw a Sister coming towards him, who, knowing the cause of his sadness, accompanied him to a given office, where he was offered a good job. While he was out of his mind because of the meeting and the job he had found, he wanted to thank the good Sister, but she had disappeared. He returns to the hospital happy, finds his wife improved and tells the story of the meeting. His wife shows him the picture of the Blessed Virgin, and our good man exclaims: That is the Sister I met.

In New York, where the body of the new Blessed was displayed, twenty-seven thousand people paraded in a single day while a pontifical in her honour was celebrated in St Patrick’s Cathedral. The pilgrimages that came to Rome on 13 November 1938 were almost all led by bishops: from Chicago, Buenos Aires, Rio de Janeiro, Milan and Lodi. And it was a providential coincidence that two weeks before Mother Cabrini’s beatification, on 28 October, the new parish church was inaugurated in Sant’Angelo Lodigiano, where she was born. Bishop Pietro Calchi Novati then announced Francesca’s beatification saying ‘this will be her temple’. Eight years later, after her canonisation (7 July 1946), the basilica was dedicated not only to St Anthony Abbot but also to the new saint, who was declared patron saint of emigrants in 1950.
Re-reading the events of her beatification, Mother Cabrini’s testimony shows that suffering for the kingdom of God is never useless, it produces fruits of good in the world, but above all it changes hearts and makes the Church grow in truth and holiness.

Curiosity: In the birthplace in Sant’Angelo Lodigiano are exposed: a precious document, dated October 3, 1933, the act of recognition and translation of the body of St. Francesca Cabrini for the acts of the process of beatification and a panel with some beautiful black and white photographs of the celebrations prepared in S. Angelo in 1946 on the occasion of the canonization of the illustrious fellow citizen.




Proponemos un artículo escrito por Hermana María Barbagallo, MSC ex Superiora General, sobre la Beatificación de la Madre Cabrini, 13 de noviembre 1938.
A continuación se presentan algunas iniciativas organizadas en el mundo cabriniano para este importante Día de la fiesta.


El 13 de noviembre de 1938 Francesca Saverio Cabrini fue proclamada beata
por Hermana María Barbagallo

En las últimas décadas ha habido tantas beatificaciones y canonizaciones que nos resulta difícil recordarlas todas. De hecho, sólo recordamos las figuras más importantes y lo que más nos llama la atención es el hecho de haber conocido personalmente a muchos de estos beatos y santos. Sentimos una gran alegría al ver que la Iglesia puede realmente hablar bien de sí misma. Y disfrutan especialmente aquellas naciones, parroquias, congregaciones que se interesan directamente por ese beato o beata, ese santo o santa. Y es cierto, estos beatos y santos honran a la Iglesia, especialmente en tiempos difíciles como los actuales.
Quizá sorprenda que recordemos una beatificación de hace ochenta años, la de Francisca Javier Cabrini, pero en aquella época -estamos en 1938- las bendiciones no se proclamaban con tanta facilidad y los procesos eran muy largos y agotadores. En el caso de la Madre Cabrini, el acontecimiento fue también extraordinariamente sentido por políticos, escritores, periodistas, artistas y teólogos que escribieron cientos de textos sobre ella.

Leyendo los documentos de la beatificación, uno se queda realmente sorprendido por la participación afectiva no sólo de la gente -a la casa madre de las Misioneras del Sagrado Corazón, fundada por la Madre Cabrini, llegaron miles de cartas atestiguando alguna gracia recibida-, sino sobre todo de cardenales, obispos, prelados y nuncios que vinieron de todas partes del mundo a venerar a una nueva beata que no tuvo una vida fácil durante su vida. Cuando estaba viva, casi huyen de ella. Juan XXIII contó una vez que en la Curia de Bérgamo algunos sacerdotes vieron a la Madre Cabrini esperando para hablar con el obispo y murmuraron que “siempre tenía uno”. Un prelado sudamericano que le había hecho pasar un mal rato, invitado a la inauguración de una obra misionera, se sorprendió, tal vez por un sentimiento de culpa. Pero, con gran tacto femenino, la Madre Cabrini aprovechó la ocasión para hacerle reflexionar sobre el mal que le había hecho y, sin ambages, le invitó a “convertirse y cambiar de vida”.

Son innumerables las largas esperas en las curias episcopales que la Madre Cabrini realizó sin ningún resultado, es más, con resultados negativos. Sin embargo, en las numerosas cartas de Cabrini, sin ocultar la realidad, al hablar de esos momentos -con respecto a los obispos se declara a menudo confiada “en que el Sagrado Corazón habría cambiado su corazón”- siempre repite: “Ese santo obispo era muy bueno, parece un verdadero padre”.
Sin embargo, tras su muerte, cuando la monja fue proclamada beata, cardenales y obispos, nuncios y sacerdotes quisieron estar presentes desde las principales ciudades de Estados Unidos, Europa y Sudamérica. Tal vez comprendieron que la Madre Cabrini nunca había dudado de que el camino que Dios le había mostrado sólo podía seguirse en una obediencia fiel y sincera a la Iglesia. Una Iglesia a la que amaba y respetaba aunque viera sus lados menos buenos. De hecho, no había dado un paso hasta que los numerosos prelados con los que tenía que tratar dieran su consentimiento, aunque a menudo se viera obligada a presentar sus planes con diferentes estrategias. Para ella esto significó la confirmación de que estaba en la voluntad de Dios. Y estos clérigos en sus discursos ensalzaron la humildad de Cabrini a pesar de haber experimentado su determinación.

Giuseppe De Luca, el sacerdote intelectual que estuvo entre los primeros en escribir sobre la Madre Cabrini, observó con motivo de su beatificación: “Ella tenía como maestra a la Iglesia, con esas enseñanzas eternas y esas peculiaridades temporales que eran de su tiempo. Aceptó y tomó prestadas expresiones y directrices, tal como la Iglesia las ofreció entre 1880 y 1910, reconociendo lo divino y no rechazando lo humano (…) Hizo su viaje terrenal en la nave de la Iglesia, acomodándose sin desdén sublime ni inteligencia crítica al color de su tiempo. Y dijo: “Estamos en el seno de la Iglesia católica, y siempre apoyamos nuestra cabeza en la misteriosa y querida piedra que es Jesús”.
Incluso sin los medios de comunicación que tenemos hoy, la beatificación de la Madre Cabrini despertó el interés y el amor de muchos que no sabían quién era. En Honolulu, los presos construyeron una iglesia en honor a la Beata Cabrini. En China, las monjas fundaron una iglesia con su nombre. En Alemania, una noble donó su castillo a una congregación de religiosas que atendían a niños discapacitados y dio al edificio el nombre de la Madre Cabrini. Tras su beatificación, jóvenes sacerdotes de Estados Unidos fueron a celebrar su primera misa en uno de los lugares de Cabrini, ahora santuarios.

Se publicaron cómics y revistas que contaban la historia de los beatos. Lorenzo Perosi compuso una misa en honor del beato y puso música a una cantata escrita por el padre De Luca. Silvio D’Amico, célebre crítico e historiador teatral, pronunció una memorable conferencia en Roma, en el Aula Magna de la Universidad Gregoriana, en presencia de la princesa María de Saboya, de miembros del cuerpo diplomático y de otras personalidades, y concluyó su largo discurso de la siguiente manera: “Incluso un erudito sacerdote de Lombardía, que conocía de cerca a la Madre Cabrini desde finales del siglo pasado porque había sido catequista en su casa de Milán, la vio una vez desde una ventana que cruzaba el patio, llamó a su ama de llaves para que le señalara a la desgastada monja de grandes y dulces ojos, y le dijo: “Mira bien, es una santa”. El sacerdote se llamaba entonces Don Achille Ratti; fue el Pontífice quien la beatificó”.

El arzobispo de Chicago, el cardenal George Mundelein, en un mensaje radiofónico emitido el mismo día de la beatificación por el Vaticano, dijo entre otras cosas: “Es la primera de nuestro pueblo que recibe el más alto honor que la Iglesia asigna a uno de sus hijos, contándolo entre los Beatos del Cielo. Muchos de nosotros somos inmigrantes o hijos de inmigrantes, y nos resulta adecuado y alentador que una extranjera, nacionalizada estadounidense, sea la primera en ser elevada al honor de los altares, en convertirse en nuestra heroína nacional y en nuestra patrona universal”. Y San Pío X, los beatos cardenales Andrea Carlo Ferrari e Ildefonso Schuster, ambos arzobispos de Milán, Pío Xii y muchos otros fueron grandes admiradores y devotos de la Madre Cabrini.
Pocos meses después de la beatificación -era 1939- se expuso y bendijo un cuadro de Francesca Cabrini en el vapor Rex. En esa ocasión, Giuseppe Capra dio una conferencia para subrayar el bien que la nueva beata había hecho en vida y que siguió haciendo después de su muerte. Entre otras cosas, relató un hecho singular: “Un pobre italiano volvía de visitar a su mujer enferma en el hospital de Colón de Cabrini y, desolado por no tener trabajo, había decidido tirarse al río. Caminaba tristemente con un propósito sombrío cuando vio acercarse a una Hermana que, conociendo la causa de su tristeza, le acompañó a una oficina determinada, donde le ofrecieron un buen trabajo. Mientras estaba fuera de sí por la reunión y el trabajo que había encontrado, quiso dar las gracias a la buena hermana, pero había desaparecido. Vuelve al hospital feliz, encuentra a su mujer mejorada y le cuenta la historia del encuentro. Su esposa le muestra la imagen de la Virgen, y nuestro buen hombre exclama: Esa es la hermana que conocí.

En Nueva York, donde se expuso el cuerpo de la nueva beata, veintisiete mil personas desfilaron en un solo día mientras se celebraba un pontifical en su honor en la catedral de San Patricio. Las peregrinaciones que llegaron a Roma el 13 de noviembre de 1938 estaban casi todas dirigidas por obispos: de Chicago, Buenos Aires, Río de Janeiro, Milán y Lodi. Y fue una coincidencia providencial que dos semanas antes de la beatificación de la Madre Cabrini, el 28 de octubre, se inaugurara la nueva iglesia parroquial en Sant’Angelo Lodigiano, donde ella nació. El obispo Pietro Calchi Novati anunció entonces la beatificación de Francesca diciendo que “este será su templo”. Ocho años después, tras su canonización (7 de julio de 1946), la basílica se dedicó no sólo a San Antonio Abad, sino también al nuevo santo, que fue declarado patrón de los emigrantes en 1950.
Releyendo los acontecimientos de su beatificación, el testimonio de la Madre Cabrini muestra que el sufrimiento por el reino de Dios nunca es inútil, produce frutos de bien en el mundo, pero sobre todo cambia los corazones y hace crecer a la Iglesia en la verdad y la santidad.

Curiosidad: La casa natal de Sant’Angelo Lodigiano expone: un precioso documento, fechado el 3 de octubre de 1933, el acta de reconocimiento y traslado del cuerpo de Santa Francesca Cabrini para los actos del proceso de beatificación y un panel con unas preciosas fotografías en blanco y negro de las celebraciones preparadas en Sant’Angelo en 1946 para la canonización de la ilustre conciudadana.



Vi proponiamo un articolo scritto da Suor Maria Barbagallo, ex Superiora Generale, che narra della Beatificazione di Madre Cabrini, il 13 novembre 1938.
Di seguito alcune iniziative organizzate nel mondo cabriniano per questa importante ricorrenza.

Il 13 novembre 1938 veniva proclamata beata Francesca Saverio Cabrini
di Suor Maria Barbagallo

In questi ultimi decenni si sono susseguite moltissime beatificazioni e canonizzazioni al punto che facciamo fatica a ricordarle. Ricordiamo infatti solo le figure più rilevanti e quello che ci colpisce di più è il fatto che molti di questi beati e santi noi li abbiamo conosciuti personalmente. Proviamo una grande gioia nel vedere che la Chiesa può veramente parlare bene di se stessa. E godono soprattutto quelle nazioni, parrocchie, congregazioni che sono direttamente interessate a quel beato o beata, a quel santo o santa. Ed è vero, questi beati e questi santi fanno onore alla Chiesa, specialmente in momenti difficili come questi.
Forse può meravigliare che ricordiamo una beatificazione di ottant’anni fa, quella di Francesca Saverio Cabrini, ma a quel tempo — siamo nel 1938 — i beati non erano così facilmente proclamati e i processi molto lunghi e faticosi. Nel caso di madre Cabrini, l’avvenimento fu avvertito straordinariamente anche da politici, scrittori, giornalisti, artisti, teologi che su di lei scrissero centinaia di testi.

Leggendo i documenti della beatificazione, si rimane veramente sorpresi per la partecipazione affettiva non solo del popolo — migliaia di lettere attestanti qualche grazia ricevuta arrivarono alla casa madre delle Missionarie del Sacro Cuore fondate da madre Cabrini — ma soprattutto di cardinali, vescovi, prelati e nunzi venuti da tutte le parti del mondo per venerare una nuova beata che durante la vita non aveva avuto, a causa loro, vita facile. Da viva, quasi la fuggivano. Raccontò una volta Giovanni XXIII che nella curia di Bergamo alcuni sacerdoti videro madre Cabrini in attesa di parlare con il vescovo e mormorarono che «ne aveva sempre una». Un prelato sudamericano che le aveva dato filo da torcere, invitato all’inaugurazione di un’opera delle missionarie, si meravigliò, forse per un senso di colpa. Ma con molto tatto femminile madre Cabrini aveva colto l’occasione per farlo riflettere sul male che le aveva fatto e senza mezzi termini l’aveva invitato a «convertirsi e a cambiare vita».

Sono innumerevoli le lunghe attese nelle curie vescovili che madre Cabrini faceva senza alcun esito, anzi con esito negativo. Eppure nelle tantissime lettere della Cabrini, pur non nascondendo la realtà, quando si parla di quei frangenti — a proposito di vescovi si dichiara spesso fiduciosa «che il Sacro Cuore gli avrebbe cambiato il cuore» — ripete sempre: «Quel santo Vescovo è stato molto buono, sembra un vero padre».
Dopo la morte, invece, quando la religiosa venne proclamata beata, dalle principali città degli Stati Uniti, dell’Europa, dell’America meridionale, cardinali e vescovi, nunzi e sacerdoti vollero essere presenti. Forse avevano compreso che madre Cabrini non aveva avuto mai dubbi che la strada indicatale da Dio aveva potuto percorrerla solo nella fedele, sincera obbedienza alla Chiesa. Chiesa che lei amava e rispettava pur vedendone i lati meno buoni. Non aveva infatti mosso un passo finché i tanti prelati con cui ebbe a che fare non diedero il loro consenso, anche se spesso venne costretta a presentare i suoi progetti con strategie diverse. Per lei questo significava la conferma di essere nella volontà di Dio. E questi ecclesiastici nei loro discorsi esaltavano l’umiltà della Cabrini nonostante ne avessero sperimentata la determinatezza.

Giuseppe De Luca, il prete intellettuale che fu tra i primi a scrivere su madre Cabrini, in occasione della beatificazione lo osservò: «Ebbe a Maestra la Chiesa, con quegli insegnamenti eterni e quelle particolarità temporali che furono del suo tempo. Accettò e mutuò espressioni e direttive, così come tra il 1880 e il 1910 la Chiesa le offriva, riconoscendovi il divino e non rifiutandone l’umano (…) Fece il suo viaggio terrestre sulla nave della Chiesa, accomodandosi senza disdegni sublimi né intelligenza critica al colore del suo tempo. Diceva: “Noi siamo nel seno della Chiesa cattolica, e sempre adagiamo il capo sulla pietra misteriosa e cara che è Gesù”».
Pur senza i mezzi di comunicazione di cui oggi disponiamo, la beatificazione di madre Cabrini suscitò interesse e amore da parte di molti che non sapevano chi fosse. A Honolulu i carcerati costruirono una chiesa in onore della beata Cabrini. In Cina le suore trovarono una chiesa a lei intitolata. In Germania una nobildonna, donando il suo castello a una congregazione di religiose che assistevano bambini con disabilità, volle intitolare l’opera a madre Cabrini. Dopo la beatificazione i giovani sacerdoti degli Stati Uniti andavano a celebrare la loro prima Messa in uno dei luoghi cabriniani, oggi santuari.

Curiosità: Nella casa Natale a Sant’Angelo Lodigiano sono esposti: un prezioso documento, datato 3 ottobre 1933 l’atto della ricognizione e traslazione della salma di Santa Francesca Cabrini per gli atti del processo di beatificazione e un pannello con alcune belle fotografie in bianco e nero dei festeggiamenti preparati a S. Angelo nel 1946 in occasione della canonizzazione dell’illustre concittadina.


Oferecemos-lhe um artigo escrito por Irmã Maria Barbagallo, MSC ex-Superior Geral, sobre a Beatificação de Madre Cabrini, 13 de novembro 1938.
Abaixo estão algumas iniciativas organizadas para o Cabrini World para este importante Dia de festa.

Em 13 de novembro de 1938 Francesca Saverio Cabrini foi proclamada Beata
por Irmã Maria Barbagallo

Nas últimas décadas, houve tantas beatificações e canonizações que temos dificuldade de lembrar de todas elas. Na verdade, lembramos apenas das figuras mais importantes e o que mais nos impressiona é o fato de termos conhecido pessoalmente muitos desses beatos e santos. Sentimos grande alegria em ver que a Igreja pode realmente falar bem de si mesma. E eles gostam especialmente daquelas nações, paróquias, congregações que estão diretamente interessadas naquele abençoado ou beatificado, naquele santo ou santo. E é verdade, estes beatos e santos honram a Igreja, especialmente em tempos difíceis como estes.
Talvez seja surpreendente que lembremos de uma beatificação de oitenta anos atrás, a de Frances Xavier Cabrini, mas naquela época – estamos em 1938 – as bênçãos não eram tão facilmente proclamadas e os processos muito longos e cansativos. No caso de Madre Cabrini, o evento também foi extraordinariamente sentido por políticos, escritores, jornalistas, artistas e teólogos que escreveram centenas de textos sobre ela.

Lendo os documentos da beatificação, surpreende-se verdadeiramente a participação afetiva não só do povo – milhares de cartas atestando alguma graça recebida chegaram à casa mãe dos Missionários do Sagrado Coração fundados por Madre Cabrini – mas sobretudo de cardeais, bispos, prelados e núncios que vieram de todas as partes do mundo para venerar um novo bem-aventurado que não tinha tido uma vida fácil durante sua vida. Quando ela estava viva, eles quase fugiram dela. João XXIII contou uma vez que na Cúria de Bérgamo alguns sacerdotes viram Madre Cabrini esperando para falar com o bispo e murmuraram que “ela sempre teve um”. Uma prelada sul-americana, convidada para a inauguração de uma obra missionária, foi surpreendida, talvez por um sentimento de culpa. Mas com grande tato feminino, Madre Cabrini aproveitou a oportunidade para fazê-lo refletir sobre o mal que lhe havia feito e em termos não incertos o convidou a “converter e mudar sua vida”.

São inúmeras as longas esperas nas cúrias episcopais que Madre Cabrini fez sem nenhum resultado, de fato com resultados negativos. No entanto, nas muitas cartas de Cabrini, embora não escondendo a realidade, ao falar desses momentos – no que diz respeito aos bispos ela muitas vezes se declara confiante “de que o Sagrado Coração teria mudado seu coração” – ela sempre repete: “Aquele santo bispo era muito bom, ele parece um verdadeiro pai”.
Após sua morte, porém, quando a freira foi proclamada abençoada, cardeais e bispos, núncios e padres quiseram estar presentes das principais cidades dos Estados Unidos, Europa e América do Sul. Talvez eles entendessem que Madre Cabrini nunca duvidou que o caminho que Deus lhe havia mostrado só poderia ser seguido em fiel e sincera obediência à Igreja. Uma Igreja que ela amava e respeitava, mesmo vendo seus lados menos bons. Na verdade, ela não havia dado um passo até que os muitos prelados com os quais ela tinha que lidar deram seu consentimento, mesmo que muitas vezes ela fosse forçada a apresentar seus planos com estratégias diferentes. Para ela, isto significava a confirmação de que ela estava na vontade de Deus. E estes clérigos em seus discursos exaltaram a humildade de Cabrini, apesar de terem experimentado sua determinação.

Giuseppe De Luca, o padre intelectual que esteve entre os primeiros a escrever sobre Madre Cabrini, observou por ocasião de sua beatificação: “Ela tinha a Igreja como sua mestra, com aqueles ensinamentos eternos e aquelas peculiaridades temporais que eram de seu tempo. Ela aceitou e emprestou expressões e diretrizes, assim como a Igreja as ofereceu entre 1880 e 1910, reconhecendo o divino e não rejeitando o humano (…) Ela fez sua viagem terrestre no navio da Igreja, acomodando-se sem desdém sublime ou inteligência crítica à cor de seu tempo. Ele disse: “Estamos no seio da Igreja Católica, e sempre descansamos a cabeça sobre a misteriosa e querida pedra que é Jesus”.
Mesmo sem os meios de comunicação que temos hoje, a beatificação de Madre Cabrini despertou o interesse e o amor de muitos que não sabiam quem ela era. Em Honolulu, os prisioneiros construíram uma igreja em homenagem ao Beato Cabrini. Na China, as freiras encontraram uma igreja com o nome dela. Na Alemanha, uma nobre mulher doou seu castelo a uma congregação de religiosas que cuidavam de crianças deficientes e deu ao prédio o nome da Madre Cabrini. Após sua beatificação, jovens padres dos Estados Unidos foram celebrar sua primeira missa em um dos locais de Cabrini, agora santuários.

Tiras de quadrinhos e revistas saíram contando a história dos beatos. Lorenzo Perosi compôs uma missa em homenagem aos beatos, bem como uma cantata escrita pelo Pe. De Luca. Silvio D’Amico, famoso crítico de teatro e historiador, deu uma palestra memorável em Roma na Aula Magna da Universidade Gregoriana, na presença da Princesa Maria de Sabóia, membros do corpo diplomático e outras personalidades, e concluiu seu longo discurso da seguinte forma “Até um sábio padre da Lombardia, que conhecia Madre Cabrini de perto desde o final do século passado, por ter sido catequista em sua casa em Milão, uma vez a viu de uma janela cruzando o pátio, chamou sua governanta para lhe apontar a freira desgastada com os grandes olhos doces, e lhe disse: “Olhe bem, ela é uma santa”. O nome do padre na época era Don Achille Ratti; foi o Pontífice quem a beatificou”.

O Arcebispo de Chicago, Cardeal George Mundelein, em uma mensagem de rádio transmitida no mesmo dia da beatificação pelo Vaticano, disse entre outras coisas: “Ela é a primeira de nosso povo a receber a mais alta honra que a Igreja atribui a um de seus filhos, contando-o entre os Beatos dos Céus. Muitos de nós somos imigrantes ou filhos de imigrantes, e é apropriado e encorajador para nós que um estrangeiro, que se tornou um cidadão americano naturalizado, seja o primeiro a ser elevado à honra dos altares, para se tornar nossa heroína nacional e nosso santo padroeiro universal”. E São Pio X, os Beatos Cardeais Andrea Carlo Ferrari e Ildefonso Schuster, ambos arcebispos de Milão, Pio Xii e muitos outros foram grandes admiradores e devotos da Madre Cabrini.
Alguns meses após a beatificação – era 1939 – uma foto de Francesca Cabrini foi exibida e abençoada no navio a vapor Rex. Na ocasião, Giuseppe Capra realizou uma conferência para sublinhar o bem que o novo Beato havia feito enquanto vivo e que continuou a fazer após sua morte. Entre outras coisas, ele relatou um fato singular: “Um pobre italiano estava voltando de visitar sua esposa doente no hospital Columbus de Cabrini e, desolado porque estava desempregado, tinha decidido se jogar no rio. Ele caminhava tristemente com um propósito sombrio quando viu uma Irmã que, conhecendo a causa de sua tristeza, o acompanhou até um determinado escritório, onde lhe foi oferecido um bom emprego. Enquanto ele estava fora de si por causa da reunião e do trabalho que havia encontrado, ele queria agradecer à boa Irmã, mas ela havia desaparecido. Ele retorna feliz ao hospital, encontra sua esposa melhorada e conta a história da reunião. Sua esposa lhe mostra a imagem da Santíssima Virgem, e nosso bom homem exclama: Essa é a Irmã que conheci.

Em Nova York, onde o corpo do novo beato foi exposto, vinte e sete mil pessoas desfilaram em um único dia enquanto um pontifical em sua honra era celebrado na Catedral de São Patrício. As peregrinações que chegaram a Roma em 13 de novembro de 1938 foram quase todas conduzidas por bispos: de Chicago, Buenos Aires, Rio de Janeiro, Milão e Lodi. E foi uma providencial coincidência que duas semanas antes da beatificação de Madre Cabrini, em 28 de outubro, foi inaugurada a nova igreja paroquial em Sant’Angelo Lodigiano, onde ela nasceu. O bispo Pietro Calchi Novati anunciou então a beatificação de Francesca dizendo “este será seu templo”. Oito anos depois, após sua canonização (7 de julho de 1946), a basílica foi dedicada não apenas a Santo Antônio Abade, mas também ao novo santo, que foi declarado padroeiro dos emigrantes em 1950.
Relendo os acontecimentos de sua beatificação, o testemunho de Madre Cabrini mostra que o sofrimento pelo Reino de Deus nunca é inútil, ele produz frutos do bem no mundo, mas acima de tudo muda os corações e faz a Igreja crescer em verdade e santidade.

Curiosidade: O local de nascimento em Sant’Angelo Lodigiano exibe: um precioso documento, datado de 3 de outubro de 1933, a escritura de reconhecimento e tradução do corpo de Santa Francesca Cabrini para os atos do processo de beatificação e um painel com algumas belas fotografias em preto e branco das celebrações preparadas em Sant’Angelo em 1946 para a canonização do ilustre concidadão.



Activities from St. Frances Cabrini Shine in New York

Saturday, November 13
Mass in English at 9:30am
Mass in Italian at noon
Filipino Mass at 3pm

Sunday, November 14
Mass in English at 11am with Bishop Gerald Walsh
Mass in Spanish at 3pm with Bishop Josu Iriondo


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *