~ by Brother Sean Sammon, FMS in HORIZON, the Journal of the National Religious Vocations Conference

Since Vatican II, community life has posed a challenge for many women and men religious. Prior to the council, rigid structures and antiquated rules governed life together. Communities, in general, were large, institutional, and closed off from the world around them. Little opportunity existed for personal expression; skills that might foster adult living were hard to find.

Vatican II changed all that. Religious congregations were asked to examine their structures and make necessary changes. In response to this directive, innovative living situations began to emerge. Determined to live among the people whom they served, a number of brothers, sisters, and priests moved out of their residences, convents, and rectories and into neighborhood homes and apartments.

In time a new phenomenon began to merge: religious living in households of one or two members. This development was understandable. More than a few religious, serving in a ministry distant from any congregational house, had to find local accommodations. Others were forced to live alone or in smaller groups as parishes and dioceses repurposed traditional community housing. Still others, after years of living in situations where they had little control over their lives, wanted to take advantage of their newfound freedom.

Fast forward 50 years. Many in aging populations of religious now find themselves unable to live independently. Consequently they have little choice but to move to communities that can provide healthcare and other services. However, for some the move from independent to community living with necessary institutional structures has not been easy.

At the same time, brothers, priests, and sisters living in small groups want to ensure that their communities are life-giving, built on principles of faith and zeal for ministry. They realize that similar to a friendship or a good marriage, community life requires that we respect those with whom we live, make sacrifices for the common good, and work toward consensus.

Finally, a new generation of young people looking at religious life today point out that life together is one of the most important elements that they seek. They have little interest in living alone and are eager to share their lives with others on a day-to day basis.

The type of community that these young men and women seek, however, differs in structure from those that existed in years past. For many of them qualities such as predictability, punctuality and regularity are not as important as the quality of relationships that exist among those in the group.

Wanting to promote a level of exchange that moves beyond the superficial, they are keen to talk with others in the community about their emotional life and experience of God. Some wonder how best to express their feelings of affection and care, their doubts and preoccupations. For many of them physical presence at prayer is less of a concern than the preparation that has gone into the service, the manner in which it is carried out, and the ability of those in the group to adapt.

The issue of life together, then, continues to present a challenge for women and men religious. They must find ways to establish communities that will be life-giving for both long-standing and new members. Next week, Brother Sammon takes a look at ways to address that challenge.


Los bloques de construcción para una comunidad sana
~ por el Hermano Sean Sammon, FMS en HORIZON, la revista de la Conferencia Nacional de Vocaciones Religiosas

Desde el Concilio Vaticano II, la vida comunitaria ha supuesto un reto para muchas religiosas y religiosos. Antes del Concilio, la vida en común se regía por estructuras rígidas y reglas anticuadas. Las comunidades, en general, eran grandes, institucionales y cerradas al mundo que las rodeaba. Había pocas oportunidades para la expresión personal; era difícil encontrar habilidades que pudieran fomentar la vida adulta.

El Vaticano II cambió todo eso. Se pidió a las congregaciones religiosas que examinaran sus estructuras y realizaran los cambios necesarios. En respuesta a esta directiva, empezaron a surgir situaciones de vida innovadoras. Decididos a vivir entre la gente a la que servían, varios hermanos, hermanas y sacerdotes se mudaron de sus residencias, conventos y rectorías a casas y apartamentos del barrio.

Con el tiempo empezó a surgir un nuevo fenómeno: los religiosos que vivían en hogares de uno o dos miembros. Esta evolución era comprensible. No pocos religiosos, que ejercían un ministerio alejado de cualquier casa de la congregación, tuvieron que encontrar alojamiento local. Otros se vieron obligados a vivir solos o en grupos más reducidos, ya que las parroquias y las diócesis readaptaron las viviendas comunitarias tradicionales. Y otros, tras años de vivir en situaciones en las que tenían poco control sobre sus vidas, querían aprovechar su nueva libertad.

Avancemos 50 años. Muchos de los religiosos que envejecen se ven ahora incapaces de vivir de forma independiente. En consecuencia, no les queda más remedio que trasladarse a comunidades que puedan proporcionarles asistencia sanitaria y otros servicios. Sin embargo, para algunos el paso de la vida independiente a la comunitaria con las necesarias estructuras institucionales no ha sido fácil.

Al mismo tiempo, los hermanos, sacerdotes y hermanas que viven en pequeños grupos quieren asegurarse de que sus comunidades sean vivificantes, construidas sobre principios de fe y celo por el ministerio. Se dan cuenta de que, al igual que una amistad o un buen matrimonio, la vida comunitaria requiere que respetemos a aquellos con los que vivimos, que hagamos sacrificios por el bien común y que trabajemos por el consenso.

Por último, una nueva generación de jóvenes que se asoma a la vida religiosa señala que la vida en común es uno de los elementos más importantes que buscan. Tienen poco interés en vivir solos y están deseosos de compartir su vida con otros en el día a día.

Sin embargo, el tipo de comunidad que buscan estos jóvenes difiere en su estructura de las que existían en años pasados. Para muchos de ellos, cualidades como la previsibilidad, la puntualidad y la regularidad no son tan importantes como la calidad de las relaciones que existen entre los miembros del grupo.

Deseosos de promover un nivel de intercambio que vaya más allá de lo superficial, están dispuestos a hablar con otros miembros de la comunidad sobre su vida emocional y su experiencia de Dios. Algunos se preguntan cuál es la mejor manera de expresar sus sentimientos de afecto y cuidado, sus dudas y preocupaciones. Para muchos de ellos, la presencia física en la oración es menos importante que la preparación del servicio, la forma en que se lleva a cabo y la capacidad de adaptación de los miembros del grupo.

La cuestión de la vida en común, pues, sigue siendo un reto para las religiosas y los religiosos. Deben encontrar la manera de establecer comunidades que sean vivificantes tanto para los miembros antiguos como para los nuevos. La semana que viene, el Hermano Sammon analizará las formas de afrontar ese reto.


Blocchi di costruzione per una comunità sana
~ di Fr. Sean Sammon, FMS in HORIZON, la rivista della Conferenza Nazionale delle Vocazioni Religiose

Dopo il Vaticano II, la vita comunitaria ha rappresentato una sfida per molti religiosi e religiose. Prima del Concilio, strutture rigide e regole antiquate governavano la vita in comune. Le comunità, in generale, erano grandi, istituzionali e chiuse al mondo circostante. Esistevano poche opportunità per l’espressione personale; le abilità che potevano favorire una vita adulta erano difficili da trovare.

Il Vaticano II ha cambiato tutto questo. Alle congregazioni religiose fu chiesto di esaminare le loro strutture e di fare i cambiamenti necessari. In risposta a questa direttiva, cominciarono ad emergere situazioni di vita innovative. Determinati a vivere tra la gente che servivano, un certo numero di fratelli, sorelle e sacerdoti si trasferirono dalle loro residenze, dai conventi e dalle canoniche alle case di quartiere e agli appartamenti.

Col tempo cominciò a crearsi un nuovo fenomeno: religiosi che vivevano in famiglie di uno o due membri. Questo sviluppo era comprensibile. Più di qualche religioso, servendo in un ministero lontano da qualsiasi casa di congregazione, dovette trovare un alloggio locale. Altri sono stati costretti a vivere da soli o in gruppi più piccoli quando le parrocchie e le diocesi hanno riadattato gli alloggi tradizionali della comunità. Altri ancora, dopo anni di vita in situazioni in cui avevano poco controllo sulla loro vita, volevano approfittare della loro ritrovata libertà.

Avanti veloce di 50 anni. Molti nelle popolazioni di religiosi che invecchiano ora si trovano incapaci di vivere in modo indipendente. Di conseguenza hanno poca scelta se non quella di trasferirsi in comunità che possono fornire assistenza sanitaria e altri servizi. Tuttavia, per alcuni il passaggio dalla vita indipendente alla vita in comunità con le necessarie strutture istituzionali non è stato facile.

Allo stesso tempo, i fratelli, i sacerdoti e le suore che vivono in piccoli gruppi vogliono assicurarsi che le loro comunità siano vivificanti, costruite su principi di fede e zelo per il ministero. Si rendono conto che, come un’amicizia o un buon matrimonio, la vita comunitaria richiede di rispettare coloro con cui si vive, di fare sacrifici per il bene comune e di lavorare per il consenso.

Infine, una nuova generazione di giovani che guarda alla vita religiosa oggi sottolinea che la vita insieme è uno degli elementi più importanti che cercano. Hanno poco interesse a vivere da soli e sono desiderosi di condividere la loro vita con gli altri giorno per giorno.

Il tipo di comunità che questi giovani uomini e donne cercano, tuttavia, differisce nella struttura da quelle che esistevano negli anni passati. Per molti di loro qualità come la prevedibilità, la puntualità e la regolarità non sono così importanti come la qualità delle relazioni che esistono tra quelli del gruppo.

Desiderando promuovere un livello di scambio che vada oltre il superficiale, sono desiderosi di parlare con altri nella comunità della loro vita emotiva e della loro esperienza di Dio. Alcuni si chiedono come esprimere al meglio i loro sentimenti di affetto e cura, i loro dubbi e preoccupazioni. Per molti di loro la presenza fisica alla preghiera è meno importante della preparazione del servizio, del modo in cui si svolge e della capacità di adattamento dei membri del gruppo.

La questione della vita insieme, quindi, continua a rappresentare una sfida per i religiosi e le religiose. Essi devono trovare il modo di stabilire comunità che siano vitali sia per i membri di lunga data che per quelli nuovi. La prossima settimana, Fratel Sammon darà uno sguardo ai modi per affrontare questa sfida.


Construindo blocos para a comunidade saudável
~ pelo Irmão Sean Sammon, FMS em HORIZON, o Jornal da Conferência Nacional das Vocações Religiosas

Desde o Concílio Vaticano II, a vida comunitária tem representado um desafio para muitos religiosos e religiosas. Antes do Concílio, estruturas rígidas e regras antiquadas governavam a vida em conjunto. As comunidades, em geral, eram grandes, institucionais e fechadas ao mundo ao seu redor. Havia poucas oportunidades de expressão pessoal; habilidades que poderiam fomentar a vida adulta eram difíceis de encontrar.

O Concílio Vaticano II mudou tudo isso. As congregações religiosas foram convidadas a examinar suas estruturas e fazer as mudanças necessárias. Em resposta a esta diretriz, começaram a surgir situações de vida inovadoras. Determinados a viver entre as pessoas a quem serviam, vários irmãos, irmãs e padres mudaram-se de suas residências, conventos e reitorias e para casas e apartamentos do bairro.

Com o tempo, um novo fenômeno começou a se fundir: a vida religiosa em lares de um ou dois membros. Este desenvolvimento era compreensível. Mais que algumas religiosas, servindo em um ministério distante de qualquer casa congregacional, tiveram que encontrar acomodações locais. Outros foram forçados a viver sozinhos ou em grupos menores, como paróquias e dioceses, que se tornaram habitações comunitárias tradicionais. Outros ainda, após anos de vida em situações em que tinham pouco controle sobre suas vidas, queriam tirar proveito de sua nova liberdade.

Avançar rapidamente 50 anos. Muitos, em populações envelhecidas de religiosos, agora se vêem incapazes de viver independentemente. Conseqüentemente, eles têm pouca escolha a não ser mudarem-se para comunidades que possam fornecer serviços de saúde e outros serviços. Entretanto, para alguns a mudança de uma vida independente para uma vida comunitária com as estruturas institucionais necessárias não tem sido fácil.

Ao mesmo tempo, irmãos, padres e irmãs que vivem em pequenos grupos querem garantir que suas comunidades sejam geradoras de vida, construídas sobre princípios de fé e zelo pelo ministério. Eles percebem que, semelhante a uma amizade ou a um bom casamento, a vida comunitária exige que respeitemos aqueles com quem vivemos, façamos sacrifícios para o bem comum e trabalhemos em prol do consenso.

Finalmente, uma nova geração de jovens que olha para a vida religiosa hoje aponta que a vida em conjunto é um dos elementos mais importantes que eles buscam. Eles têm pouco interesse em viver sozinhos e estão ansiosos para compartilhar suas vidas com os outros no dia-a-dia.

O tipo de comunidade que esses jovens homens e mulheres procuram, entretanto, difere em estrutura daquelas que existiam em anos passados. Para muitos deles, qualidades como previsibilidade, pontualidade e regularidade não são tão importantes quanto a qualidade das relações que existem entre os que fazem parte do grupo.

Desejando promover um nível de troca que vá além do superficial, elas estão dispostas a conversar com outras pessoas da comunidade sobre sua vida emocional e experiência de Deus. Alguns se perguntam como melhor expressar seus sentimentos de afeto e carinho, suas dúvidas e preocupações. Para muitos deles, a presença física na oração é menos preocupante do que a preparação que foi feita para o serviço, a maneira como ele é realizado e a capacidade de adaptação dos membros do grupo.

A questão da vida em conjunto, portanto, continua a representar um desafio para as religiosas e para os religiosos. Eles devem encontrar maneiras de estabelecer comunidades que dêem vida tanto aos membros antigos quanto aos novos membros. Na semana que vem, o irmão Sammon dá uma olhada em maneiras de enfrentar esse desafio.

Thanks to Guadalupe newsletter for this article

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *