We are glad to share with you a report on COP26 (now about the second week of the Climate Conference) written by Jean Quinn, DW, Executive Director of UNANIMA International.
They are a Non –Governmental Organization (NGO) advocating on behalf of Women and Children, Homeless and Displaced, Migrants and Refugees, and the Environment primarily at the United Nations.
They aim to educate and influence policy makers at the global level and work for systemic change to achieve a more just world. We MSCs are proud to be members of UNANIMA.

Dear Friends,

Keeping up with the daily COP 26 news was as challenging as the topic itself!

One significant highlight of the Climate Summit for us, as women religious, was that people of faith from around the world spoke out, especially about the moral implications of the irresponsible economic choices that fuel global warming. The 40 faith leaders that met with Pope Francis before the conference reminded us that we were in a moment of opportunity and truth. The Faith Leaders’ declaration stated that, “Future Generations will never forgive us if we squander this precious opportunity…We have inherited a garden: we must not leave a desert to our children.” See the full declaration here:

The Final Journey of COP 26 from November 8-13, 2021 was a blizzard of pledges, with countries promising to end and reverse deforestation, phase out coal, and reduce methane emissions by 30% by 2030. The delegates entered the talks charged with keeping the 2015 Paris Agreement goal of limiting temperature rises to 1.5 C degrees within reach. After two weeks of painful negotiations, nearly 200 nations came together in the final days to work out a global deal to combat climate change. However, it fell short of what science says is needed to contain dangerous rising temperatures. In addition, rich countries stood accused of failing at the COP 26 summit for not delivering much needed financial aid to vulnerable states that are at risk of drought, rising sea levels, fire, and storms.

President of COP 26, Alok Sharma, rounded up the negotiations telling delegates: “it is now decision time. And the choices you are set to make are vitally important.” Unfortunately, in a late development, China and India insisted that language on fossil fuels be weakened in the final summit decision text. So now, after more than two weeks of tough negotiations, shock announcements, and late-night huddles, COP 26 has ended. As the final deal was clinched, a tearful Alok Sharma said “I apologize for the way this process has unfolded. I am deeply sorry,” before banging down his gavel.

The final agreement known as the Glasgow Climate Pact, has been signed by 197 countries, ranging from the big emitters such as China and India, to the small island states whose very

existence is imperiled by the climate crisis. Reached by consensus, the document keeps alive hopes of keeping global temperatures at 1.5 C above the pre-industrial levels by the end of the century—the aspiration of the Paris Agreement. The outcome document from COP 26, “The Glasgow Climate Pact,” can be viewed here

10 Key Takeaways from the Agreement

Countries were ‘requested’ to set tougher 2030 Climate plans
A crucial element of the new deal is a request for countries to ‘revisit and strengthen’ their 2030 climate plans by the end of 2022. Before this, countries were not expected to come back with new national climate plans until 2025. Alok Sharma, President of COP 26, called on all 200 countries to report their progress towards more climate ambition next year at COP 27, set to take place in Egypt.

Fossil Fuels feature for the first time – with a last-minute adjustment
There was a call to accelerate “phasing out” inefficient fossil fuel subsidies, and “phasing down” unabated coal power, which refers to coal power that is not tied to a still-emergent technology for capturing CO2 emissions. As stated above the language was weakened at the very last minute, with India calling for a “phasing down” to replace a firmer “phasing out” during the conference’s final plenary. India’s move prompted an emotional response, as evidenced by the apology of Alok Sharma, President of COP 26. However, despite this late change to the document, it is the first time that a mention of fossil fuels—the major driver of the climate crisis—has been included in a UN climate document of this kind.

Alarm and concern over the current pace of global warming
There was much alarm and concern about the fact that humans have already caused global temperatures to increase by 1.1 C since the start of the industrial era, causing impacts in every region of the world.

Rich world expresses “deep regret” over broken finance promises
The final agreement from Glasgow expresses “deep regret” that a long-held promise from wealthy nations to provide $100 billion in funding by 2020 to poorer countries, grappling with climate impacts, was NOT met. The text calls on developed countries to deliver on the $100 billion “urgently,” and through to 2025.

Developed countries agree to double funds to poorer nations
As part of the pact, developed countries have pledged, by 2025, to double the amount they spend on helping poorer countries adapt to climate impacts from 2019 levels. This comes after the UN Report published last week found that the cost of climate impacts in developing countries is between five and ten times higher than the amount of financial aid on offer from rich nations ahead of the conference. See the Emissions Gap report here

Developing world disappointed over loss and damage
Despite some progress on finance, developing countries left Glasgow largely dissatisfied on the issue. Many developing countries had called for creation of a financial assistance program to help them deal with the “loss and damage” caused by the climate crisis,” such as the loss of human life during extreme weather events.

Call to curb methane by 2030
The text invites countries to consider how they will cut methane, a short-lived but potent greenhouse gas created by animal agriculture and fossil fuel production, over the next decade.

Mention of “nature-based solutions’ is deleted
Nature-based solutions and tools to tackle the climate crisis, such as harnessing natural habitats, were billed to play a major role at COP 26. However, it ended up getting cut from the final agreement.

Paris rule book finalized
The new texts agreed upon in Glasgow saw countries finally tie up the remaining sections of the rulebook from the Paris Agreement. This included new rules on “transparency.” All countries will now have to report emissions and progress every two years. This should give observers a clearer picture on whether nations are living up to their climate promises.

Role of Indigenous people, youth and children ‘recognized’
The final text from Glasgow makes a specific mention of the “important role” that “indigenous peoples, local communities, youth, children, local and regional governments,and other stakeholders” play in tackling the climate crisis. Young activists called for the voices of children to be heard.

Delegates’ Reflections

COP 26 President, Alok Sharma
“I think we can say today with credibility that we’ve kept 1.5 C within reach. But its pulse is weak, and we will only survive if we keep our promises…Observers said the agreement fell short of what is needed to avert dangerous warming and to help countries adapt or recoup damages from the disasters already unfurling globally.”

UN Secretary-General, António Gutteres:
Gutteres welcomed the deal, stating that it is “an important step but not enough. We must accelerate climate action to keep alive the goal of limiting global temperature rise to 1.5 degrees.” He said the approved text from COP 26 was an important compromise, but that the “collective political will was not enough to overcome some deep contradictions.” He stated that the texts “reflect the interests, the conditions, and the state of the political will in the world today.” But that “our fragile planet is hanging by a thread. We are still knocking on the door of catastrophe.”

Mary Robinson, Chair of the Elders
Visibly moved to tears, Mary Robinson said that “not enough leaders are in crisis mode.” She said poorer countries, notably those in the Climate Vulnerable Forum, were in a “crisis mindset” and seeking a meaningful outcome. She warned leaders: “this is on your watch…

It is important. We are talking about having a safe future.” She said she needed to call out the leaders of Saudi Arabia, Russia. Brazil, China, and Australia as having not made sufficient commitments, and often being the main blockers to progress.

Greta Thunberg:
The teenage activist said that, for her, COP 26 was a failure. She believed that it had turned into a “PR event to fight for the status quo,” and compared it to a global north greenwash festival.’ She said “the real work continues outside these halls. And we will never give up, ever.”

Representative from Fiji, Aiyaz Sayed-Khaiyum:
Criticized the proposed change to call on parties to “phase down” rather than “phase out” coal. He said, “what we would like to express is not just our immense disappointment but in the manner in which it has been introduced.”

Frans Timmermans, EU Executive Vice President
Said he was disappointed “that the language on coal had been diluted.”

Prime Minister of Barbados, Mia Mottley
She said that for Barbados and other small island states, “two degrees is a death sentence.”

Activists from the Marshall Islands, India, USA, South Africa
Youth climate activists from around the world are filing a legal petition to the UN Secretary-General, urging him to declare a “system-wide climate emergency.” They are asking the Secretary-General to use emergency powers to match the level of response adopted for the coronavirus pandemic, by pronouncing the climate crisis a global level 3 emergency—the United Nations’ highest category. In the draft petition the activists call on the Secretary-General and other UN agencies to “mobilize a UN comprehensive response to the climate emergency.” They also urge them to appoint a crisis management team to “oversee immediate and comprehensive global action on climate.”

Conclusion
At the conclusion of COP 26, President Alok Sharma announced that almost 200 nations had finally reached consensus on how to navigate the climate crisis. The approved texts are a compromise. They reflect the interests, the contradictions, and the state of political will in the world. UN Secretary-General, António Gutteres, said, “we are knocking on the door of climate catastrophe.” Many NGOs expressed disappointment about the outcome of the Summit in Glasgow. According to one group: “Glasgow was a staging post not a finishing line.” Some countries are still dragging their heels, others are beginning to pick up the pace. It is time for all of us to hold our national governments to the standards required by the 1.5C degree goal in the Paris agreement. We live in hope. Hope that hearts and minds continue to be opened as we move towards COP 27 in Egypt.

————

Nos complace compartir con ustedes un informe sobre la COP26 (ahora sobre la segunda semana de la Conferencia sobre el Clima) escrito por Jean Quinn, DW, Director Ejecutivo de UNANIMA Internacional.
Se trata de una Organización No Gubernamental (ONG) que aboga por las mujeres y los niños, los sin techo y los desplazados, los migrantes y los refugiados, y el medio ambiente, principalmente en las Naciones Unidas.
Su objetivo es educar e influir en los responsables políticos a nivel mundial y trabajar por un cambio sistémico para lograr un mundo más justo. Los MSC estamos orgullosos de ser miembros de UNANIMA.

COP 26 – Semana 2

Estimados amigos,

Estar al día de las noticias de la COP 26 ha sido tan difícil como el propio tema.

Uno de los aspectos más destacados de la Cumbre sobre el Clima para nosotras, como religiosas, fue que personas de fe de todo el mundo hablaron, especialmente sobre las implicaciones morales de las opciones económicas irresponsables que alimentan el calentamiento global. Los 40 líderes religiosos que se reunieron con el Papa Francisco antes de la conferencia nos recordaron que estábamos en un momento de oportunidad y verdad. La declaración de los líderes religiosos afirmaba que “las generaciones futuras no nos perdonarán si desaprovechamos esta preciosa oportunidad… Hemos heredado un jardín: no debemos dejar un desierto a nuestros hijos”. Vea la declaración completa aquí

La jornada final de la COP 26, celebrada del 8 al 13 de noviembre de 2021, fue una ventisca de promesas, en la que los países prometieron acabar con la deforestación y revertirla, eliminar el carbón y reducir las emisiones de metano en un 30% para 2030. Los delegados iniciaron las conversaciones con la misión de mantener a su alcance el objetivo del Acuerdo de París de 2015 de limitar el aumento de la temperatura a 1,5 grados centígrados. Tras dos semanas de dolorosas negociaciones, casi 200 países se reunieron en los últimos días para elaborar un acuerdo global para combatir el cambio climático. Sin embargo, se quedó corto respecto a lo que la ciencia dice que es necesario para contener el peligroso aumento de las temperaturas. Además, se acusó a los países ricos de fracasar en la cumbre de la COP 26 por no proporcionar la tan necesaria ayuda financiera a los estados vulnerables que corren el riesgo de sufrir sequías, subida del nivel del mar, incendios y tormentas.

El presidente de la COP 26, Alok Sharma, cerró las negociaciones diciendo a los delegados: “Ha llegado el momento de tomar decisiones. Y las opciones que van a tomar son de vital importancia”. Desgraciadamente, en un acontecimiento tardío, China e India insistieron en que se debilitara el lenguaje sobre los combustibles fósiles en el texto de decisión final de la cumbre. Así que, tras más de dos semanas de duras negociaciones, anuncios sorprendentes y reuniones nocturnas, la COP 26 ha terminado. Cuando se cerró el acuerdo final, un lloroso Alok Sharma dijo: “Pido disculpas por la forma en que se ha desarrollado este proceso. Lo siento profundamente”, antes de dejar caer su mazo.

El acuerdo final, conocido como Pacto Climático de Glasgow, ha sido firmado por 197 países, desde los grandes emisores, como China e India, hasta los pequeños estados insulares cuya existencia está en peligro por la crisis climática.

cuya existencia está en peligro por la crisis climática. Alcanzado por consenso, el documento mantiene viva la esperanza de mantener la temperatura global en 1,5 C por encima de los niveles preindustriales para finales de siglo, la aspiración del Acuerdo de París. El documento final de la COP 26, “El Pacto Climático de Glasgow”, puede consultarse aquí

10 puntos clave del acuerdo

Se “pidió” a los países que establecieran planes climáticos más estrictos para 2030
Un elemento crucial del nuevo acuerdo es la petición a los países de que “revisen y refuercen” sus planes climáticos para 2030 antes de finales de 2022. Antes, se esperaba que los países no volvieran con nuevos planes climáticos nacionales hasta 2025. Alok Sharma, Presidente de la COP 26, hizo un llamamiento a los 200 países para que informen de sus progresos hacia una mayor ambición climática el próximo año en la COP 27, que se celebrará en Egipto.

Los combustibles fósiles aparecen por primera vez, con un ajuste de última hora
Se pidió acelerar la “eliminación gradual” de los subsidios a los combustibles fósiles ineficientes, y la “reducción gradual” de la energía de carbón no utilizada, que se refiere a la energía de carbón que no está vinculada a una tecnología aún emergente para capturar las emisiones de CO2. Como ya se ha dicho, el lenguaje se debilitó en el último momento, ya que India pidió una “reducción progresiva” en lugar de una “eliminación progresiva” más firme durante la última sesión plenaria de la conferencia. La medida de India provocó una respuesta emotiva, como demuestra la disculpa de Alok Sharma, Presidente de la COP 26. Sin embargo, a pesar de este cambio tardío en el documento, es la primera vez que se incluye una mención a los combustibles fósiles -el principal motor de la crisis climática- en un documento climático de la ONU de este tipo.
Alarma y preocupación por el ritmo actual del calentamiento global
Hubo mucha alarma y preocupación por el hecho de que el ser humano ya ha provocado un aumento de la temperatura global de 1,1 C desde el inicio de la era industrial, lo que ha provocado impactos en todas las regiones del mundo.

El mundo rico expresa su “profundo pesar” por las promesas de financiación incumplidas
El acuerdo final de Glasgow expresa su “profundo pesar” por el incumplimiento de la promesa de los países ricos de aportar 100.000 millones de dólares para 2020 a los países más pobres, que están luchando contra los efectos del cambio climático. El texto pide a los países desarrollados que cumplan los 100.000 millones de dólares “urgentemente” y hasta 2025.

Los países desarrollados acuerdan duplicar los fondos destinados a las naciones más pobres
Como parte del pacto, los países desarrollados se han comprometido a duplicar, de aquí a 2025, la cantidad que destinan a ayudar a los países más pobres a adaptarse a los impactos climáticos desde los niveles de 2019. Esto se produce después de que el informe de la ONU publicado la semana pasada revelara que el coste de los impactos climáticos en los países en desarrollo es entre cinco y diez veces mayor que la cantidad de ayuda financiera ofrecida por las naciones ricas antes de la conferencia. Vea el informe sobre la brecha de emisiones aquí

El mundo en desarrollo está decepcionado por las pérdidas y los daños
A pesar de algunos avances en materia de financiación, los países en desarrollo salieron de Glasgow muy insatisfechos con este tema. Muchos países en desarrollo habían pedido la creación de un programa de asistencia financiera para ayudarles a hacer frente a las “pérdidas y daños” causados por la crisis climática”, como la pérdida de vidas humanas durante los fenómenos meteorológicos extremos.

Llamamiento para frenar el metano en 2030
El texto invita a los países a estudiar cómo van a reducir el metano, un gas de efecto invernadero de corta duración pero potente, creado por la ganadería y la producción de combustibles fósiles, durante la próxima década.

Se elimina la mención a las “soluciones basadas en la naturaleza
Las soluciones y herramientas basadas en la naturaleza para hacer frente a la crisis climática, como el aprovechamiento de los hábitats naturales, debían desempeñar un papel importante en la COP 26. Sin embargo, acabaron siendo eliminadas del acuerdo final.

El libro de reglas de París está terminado
Los nuevos textos acordados en Glasgow permitieron a los países cerrar las secciones restantes del reglamento del Acuerdo de París. Esto incluía nuevas normas sobre “transparencia”. A partir de ahora, todos los países tendrán que informar sobre las emisiones y los progresos realizados cada dos años. Esto debería dar a los observadores una imagen más clara de si las naciones están cumpliendo sus promesas climáticas.
Se “reconoce” el papel de los pueblos indígenas, los jóvenes y los niños
El texto final de Glasgow hace una mención específica al “importante papel” que desempeñan “los pueblos indígenas, las comunidades locales, los jóvenes, los niños, los gobiernos locales y regionales y otras partes interesadas” juegan en la lucha contra la crisis climática. Los jóvenes activistas pidieron que se escuchen las voces de los niños.

Reflexiones de los delegados

Presidente de la COP 26, Alok Sharma
“Creo que hoy podemos decir con credibilidad que hemos mantenido 1,5 C a nuestro alcance. Pero su pulso es débil, y sólo sobreviviremos si cumplimos nuestras promesas… Los observadores dijeron que el acuerdo se quedó corto para evitar un calentamiento peligroso y para ayudar a los países a adaptarse o a recuperar los daños de los desastres que ya se están produciendo en todo el mundo”.

Secretario General de la ONU, António Gutteres:
Gutteres acogió con satisfacción el acuerdo, afirmando que es “un paso importante, pero no suficiente. Debemos acelerar la acción climática para mantener vivo el objetivo de limitar el aumento de la temperatura global a 1,5 grados”. Dijo que el texto aprobado de la COP 26 era un compromiso importante, pero que la “voluntad política colectiva no era suficiente para superar algunas contradicciones profundas”. Afirmó que los textos “reflejan los intereses, las condiciones y el estado de la voluntad política en el mundo actual”. Pero que “nuestro frágil planeta pende de un hilo. Seguimos llamando a la puerta de la catástrofe”.

Mary Robinson, Presidenta de los Ancianos
Visiblemente emocionada hasta las lágrimas, Mary Robinson dijo que “no hay suficientes líderes en modo crisis”. Dijo que los países más pobres, especialmente los del Foro de Vulnerables Climáticos, estaban en “modo de crisis” y buscaban un resultado significativo. Advirtió a los líderes: “esto está en su reloj…

Es importante. Estamos hablando de tener un futuro seguro”. Dijo que tenía que llamar a los líderes de Arabia Saudí, Rusia. Brasil, China y Australia por no haber asumido suficientes compromisos, y ser a menudo los principales bloqueadores del progreso.

Greta Thunberg:
La activista adolescente dijo que, para ella, la COP 26 fue un fracaso. Considera que se ha convertido en un “evento de relaciones públicas para luchar por el statu quo”, y lo compara con un festival mundial de lavado verde del norte. Dijo que “el verdadero trabajo continúa fuera de estas salas. Y nunca nos rendiremos, jamás”.

El representante de Fiyi, Aiyaz Sayed-Khaiyum:
Criticó el cambio propuesto para pedir a las partes que “reduzcan” en lugar de “eliminen” el carbón. Dijo que “lo que queremos expresar no es sólo nuestra inmensa decepción, sino la forma en que se ha introducido”.

Frans Timmermans, Vicepresidente Ejecutivo de la UE
dijo que le decepcionaba “que el lenguaje sobre el carbón se haya diluido”.

La Primera Ministra de Barbados, Mia Mottley
Dijo que para Barbados y otros pequeños estados insulares, “dos grados es una sentencia de muerte”.

Activistas de las Islas Marshall, India, Estados Unidos y Sudáfrica
Jóvenes activistas del clima de todo el mundo están presentando una petición legal al Secretario General de la ONU, instándole a declarar una “emergencia climática a nivel de todo el sistema”. Piden al Secretario General que utilice los poderes de emergencia para igualar el nivel de respuesta adoptado para la pandemia de coronavirus, declarando la crisis climática como una emergencia global de nivel 3, la categoría más alta de las Naciones Unidas. En el proyecto de petición, los activistas piden al Secretario General y a otros organismos de la ONU que “movilicen una respuesta global de la ONU a la emergencia climática”. También les instan a nombrar un equipo de gestión de crisis para “supervisar una acción global inmediata y completa sobre el clima”.

Conclusión
Al término de la COP 26, el presidente Alok Sharma anunció que casi 200 naciones habían llegado por fin a un consenso sobre cómo afrontar la crisis climática. Los textos aprobados son un compromiso. Reflejan los intereses, las contradicciones y el estado de la voluntad política en el mundo. El Secretario General de la ONU, António Gutteres, dijo que “estamos llamando a la puerta de la catástrofe climática”. Muchas ONG expresaron su decepción por el resultado de la Cumbre de Glasgow. Según un grupo: “Glasgow fue una etapa, no una meta”. Algunos países siguen arrastrando los pies, otros empiezan a acelerar el ritmo. Es hora de que todos nosotros exijamos a nuestros gobiernos nacionales que cumplan con el objetivo de 1,5 grados del acuerdo de París. Vivimos con esperanza. Esperamos que los corazones y las mentes se sigan abriendo a medida que nos acercamos a la COP 27 en Egipto.


Siamo lieti di condividere con voi un rapporto sulla COP26 (ora circa la seconda settimana della Conferenza sul clima) scritto da Jean Quinn, DW, direttore esecutivo di UNANIMA International.
Sono un’organizzazione non governativa (ONG) che difende per conto di donne e bambini, senzatetto e sfollati, migranti e rifugiati, e l’ambiente principalmente alle Nazioni Unite.
Il loro obiettivo è quello di educare e influenzare i politici a livello globale e lavorare per un cambiamento sistematico per ottenere un mondo più giusto. Noi MSC siamo orgogliosi di essere membri di UNANIMA.

COP 26 – Settimana 2

Cari amici,

Tenere il passo con le notizie quotidiane della COP 26 è stato impegnativo quanto l’argomento stesso!

Uno dei punti salienti del vertice sul clima per noi, come religiose, è stato che le persone di fede di tutto il mondo hanno parlato, soprattutto delle implicazioni morali delle scelte economiche irresponsabili che alimentano il riscaldamento globale. I 40 leader religiosi che hanno incontrato Papa Francesco prima della conferenza ci hanno ricordato che ci troviamo in un momento di opportunità e verità. La dichiarazione dei leader religiosi afferma che “Le generazioni future non ci perdoneranno mai se sprechiamo questa preziosa opportunità… Abbiamo ereditato un giardino: non dobbiamo lasciare un deserto ai nostri figli”. Vedi la dichiarazione completa qui

Il viaggio finale della COP 26 dall’8 al 13 novembre 2021 è stato una bufera di impegni, con i paesi che hanno promesso di porre fine e invertire la deforestazione, eliminare gradualmente il carbone e ridurre le emissioni di metano del 30% entro il 2030. I delegati sono entrati nei colloqui incaricati di mantenere l’obiettivo dell’accordo di Parigi del 2015 di limitare l’aumento della temperatura a 1,5 gradi C a portata di mano. Dopo due settimane di dolorosi negoziati, quasi 200 nazioni si sono riunite negli ultimi giorni per elaborare un accordo globale per combattere il cambiamento climatico. Tuttavia, non ha raggiunto ciò che la scienza dice che è necessario per contenere l’aumento pericoloso delle temperature. Inoltre, i paesi ricchi sono stati accusati di aver fallito al summit COP 26 per non aver fornito il tanto necessario aiuto finanziario agli stati vulnerabili che sono a rischio di siccità, aumento del livello del mare, incendi e tempeste.

Il presidente della COP 26, Alok Sharma, ha concluso i negoziati dicendo ai delegati: “è ora il momento di decidere. E le scelte che state per fare sono di vitale importanza”. Sfortunatamente, in uno sviluppo tardivo, la Cina e l’India hanno insistito che il linguaggio sui combustibili fossili fosse indebolito nel testo finale della decisione del summit. Così ora, dopo più di due settimane di difficili negoziati, annunci shock e riunioni notturne, la COP 26 è finita. Quando l’accordo finale è stato concluso, un Alok Sharma in lacrime ha detto: “Mi scuso per il modo in cui questo processo si è svolto. Sono profondamente dispiaciuto”, prima di battere il martelletto.

L’accordo finale, noto come il Patto per il Clima di Glasgow, è stato firmato da 197 paesi, dai grandi emettitori come la Cina e l’India, ai piccoli stati insulari la cui stessa

esistenza è messa in pericolo dalla crisi climatica. Raggiunto per consenso, il documento mantiene vive le speranze di mantenere le temperature globali a 1,5 C sopra i livelli preindustriali entro la fine del secolo – l’aspirazione dell’Accordo di Parigi. Il documento finale della COP 26, “Il patto sul clima di Glasgow”, può essere visto qui

10 punti chiave dell’accordo

Ai paesi è stato “richiesto” di fissare piani climatici più severi per il 2030
Un elemento cruciale del nuovo accordo è la richiesta ai paesi di “rivedere e rafforzare” i loro piani climatici 2030 entro la fine del 2022. Prima di questo, non ci si aspettava che i paesi tornassero con nuovi piani climatici nazionali fino al 2025. Alok Sharma, presidente della COP 26, ha invitato tutti i 200 paesi a riferire i loro progressi verso una maggiore ambizione climatica il prossimo anno alla COP 27, che si terrà in Egitto.

I combustibili fossili sono presenti per la prima volta – con un aggiustamento dell’ultimo minuto
C’è stata una richiesta di accelerare “l’eliminazione graduale” dei sussidi inefficienti per i combustibili fossili, e “l’eliminazione graduale” dell’energia da carbone non consumata, che si riferisce all’energia da carbone che non è legata a una tecnologia ancora emergente per catturare le emissioni di CO2. Come detto sopra, il linguaggio è stato indebolito all’ultimo minuto, con l’India che ha chiesto un “phasing down” per sostituire un più fermo “phasing out” durante la plenaria finale della conferenza. La mossa dell’India ha provocato una reazione emotiva, come dimostrano le scuse di Alok Sharma, presidente della COP 26. Tuttavia, nonostante questa tardiva modifica del documento, è la prima volta che una menzione dei combustibili fossili – il principale motore della crisi climatica – è stata inclusa in un documento ONU sul clima di questo tipo.
Allarme e preoccupazione per il ritmo attuale del riscaldamento globale
C’è stato molto allarme e preoccupazione per il fatto che gli esseri umani hanno già causato un aumento delle temperature globali di 1,1 C dall’inizio dell’era industriale, causando impatti in ogni regione del mondo.

Il mondo ricco esprime “profondo rammarico” per le promesse finanziarie non mantenute
L’accordo finale di Glasgow esprime “profondo rammarico” per il fatto che una promessa a lungo mantenuta dalle nazioni ricche di fornire 100 miliardi di dollari di finanziamenti entro il 2020 ai paesi più poveri, alle prese con gli impatti climatici, NON è stata rispettata. Il testo chiede ai paesi sviluppati di fornire i 100 miliardi di dollari “urgentemente” e fino al 2025.

I paesi sviluppati accettano di raddoppiare i fondi alle nazioni più povere
Come parte del patto, i paesi sviluppati si sono impegnati, entro il 2025, a raddoppiare la somma che spendono per aiutare i paesi più poveri ad adattarsi agli impatti climatici dai livelli del 2019. Questo arriva dopo che il rapporto delle Nazioni Unite pubblicato la scorsa settimana ha rilevato che il costo degli impatti climatici nei paesi in via di sviluppo è tra cinque e dieci volte superiore alla quantità di aiuti finanziari offerti dalle nazioni ricche prima della conferenza. Vedi il rapporto Emissions Gap qui

Il mondo in via di sviluppo deluso da perdite e danni
Nonostante alcuni progressi sui finanziamenti, i paesi in via di sviluppo hanno lasciato Glasgow ampiamente insoddisfatti sulla questione. Molti paesi in via di sviluppo avevano chiesto la creazione di un programma di assistenza finanziaria per aiutarli ad affrontare le “perdite e i danni” causati dalla crisi climatica”, come la perdita di vite umane durante eventi meteorologici estremi.

Invito a ridurre il metano entro il 2030
Il testo invita i paesi a prendere in considerazione il modo in cui taglieranno il metano, un gas a effetto serra a vita breve ma potente creato dall’agricoltura animale e dalla produzione di combustibili fossili, nel prossimo decennio.

Cancellata la menzione di “soluzioni basate sulla natura
Le soluzioni basate sulla natura e gli strumenti per affrontare la crisi climatica, come lo sfruttamento degli habitat naturali, sono stati annunciati per giocare un ruolo importante alla COP 26. Tuttavia, hanno finito per essere tagliati dall’accordo finale.

Regole di Parigi finalizzate
I nuovi testi concordati a Glasgow hanno visto i paesi legare finalmente le sezioni rimanenti del libro delle regole dell’accordo di Parigi. Questo includeva nuove regole sulla “trasparenza”. Tutti i paesi dovranno ora riportare le emissioni e i progressi ogni due anni. Questo dovrebbe dare agli osservatori un quadro più chiaro sul fatto che le nazioni stiano mantenendo le loro promesse sul clima.
Riconosciuto il ruolo di indigeni, giovani e bambini
Il testo finale di Glasgow fa una specifica menzione del “ruolo importante” che “i popoli indigeni, le comunità locali, i giovani, i bambini, i governi locali e regionali,

e altre parti interessate” giocano nell’affrontare la crisi climatica. I giovani attivisti hanno chiesto che le voci dei bambini siano ascoltate.

Riflessioni dei delegati

Il presidente della COP 26, Alok Sharma
“Penso che oggi possiamo dire con credibilità che abbiamo tenuto 1,5 C a portata di mano. Ma il suo impulso è debole, e sopravviveremo solo se manterremo le nostre promesse… Gli osservatori hanno detto che l’accordo non è all’altezza di ciò che è necessario per evitare un riscaldamento pericoloso e per aiutare i paesi ad adattarsi o a recuperare i danni dei disastri che già si stanno verificando a livello globale”.

Il segretario generale delle Nazioni Unite, António Gutteres:
Gutteres ha accolto con favore l’accordo, affermando che è “un passo importante ma non sufficiente. Dobbiamo accelerare l’azione sul clima per mantenere vivo l’obiettivo di limitare l’aumento della temperatura globale a 1,5 gradi”. Ha detto che il testo approvato dalla COP 26 è un compromesso importante, ma che la “volontà politica collettiva non è stata sufficiente per superare alcune profonde contraddizioni”. Ha dichiarato che i testi “riflettono gli interessi, le condizioni e lo stato della volontà politica nel mondo di oggi”. Ma che “il nostro fragile pianeta è appeso a un filo. Stiamo ancora bussando alla porta della catastrofe”.

Mary Robinson, presidente degli anziani
Visibilmente commossa fino alle lacrime, Mary Robinson ha detto che “non abbastanza leader sono in modalità crisi”. Ha detto che i paesi più poveri, in particolare quelli del Climate Vulnerable Forum, sono in una “mentalità di crisi” e cercano un risultato significativo. Ha avvertito i leader: “Questo è sotto i vostri occhi…

È importante. Stiamo parlando di avere un futuro sicuro”. Ha detto che aveva bisogno di chiamare i leader di Arabia Saudita, Russia. Brasile, Cina e Australia che non si sono impegnati a sufficienza e che spesso sono i principali ostacoli al progresso.

Greta Thunberg:
L’attivista adolescente ha detto che, per lei, la COP 26 è stata un fallimento. Crede che si sia trasformato in un “evento di PR per lottare per lo status quo”, e lo ha paragonato a un festival globale di greenwash del nord. Ha detto che “il vero lavoro continua fuori da queste sale. E non ci arrenderemo mai, mai”.

Il rappresentante delle Fiji, Aiyaz Sayed-Khaiyum:
Ha criticato il cambiamento proposto per chiedere ai partiti di “ridurre gradualmente” piuttosto che “eliminare gradualmente” il carbone. Ha detto, “quello che vorremmo esprimere non è solo la nostra immensa delusione, ma il modo in cui è stato introdotto”.

Frans Timmermans, vicepresidente esecutivo dell’UE
ha detto di essere deluso “che il linguaggio sul carbone sia stato diluito”.

Il primo ministro delle Barbados, Mia Mottley
Ha detto che per Barbados e altri piccoli stati insulari, “due gradi sono una condanna a morte”.

Attivisti dalle Isole Marshall, India, USA, Sudafrica
Giovani attivisti per il clima da tutto il mondo stanno presentando una petizione legale al Segretario Generale delle Nazioni Unite, esortandolo a dichiarare una “emergenza climatica a livello di sistema”. Chiedono al segretario generale di usare i poteri di emergenza per eguagliare il livello di risposta adottato per la pandemia del coronavirus, dichiarando la crisi climatica un’emergenza globale di livello 3 – la categoria più alta delle Nazioni Unite. Nella bozza di petizione gli attivisti chiedono al segretario generale e alle altre agenzie delle Nazioni Unite di “mobilitare una risposta globale delle Nazioni Unite all’emergenza climatica”. Li esortano anche a nominare un team di gestione della crisi per “supervisionare un’azione globale immediata e completa sul clima”.

Conclusione
Alla conclusione della COP 26, il presidente Alok Sharma ha annunciato che quasi 200 nazioni hanno finalmente raggiunto il consenso su come affrontare la crisi climatica. I testi approvati sono un compromesso. Riflettono gli interessi, le contraddizioni e lo stato della volontà politica nel mondo. Il segretario generale delle Nazioni Unite, António Gutteres, ha detto che “stiamo bussando alla porta della catastrofe climatica”. Molte ONG hanno espresso il loro disappunto sull’esito del vertice di Glasgow. Secondo un gruppo: “Glasgow era un punto di sosta, non un traguardo”. Alcuni paesi continuano a trascinare i talloni, altri cominciano ad accelerare il passo. È tempo per tutti noi di chiedere ai nostri governi nazionali di rispettare gli standard richiesti dall’obiettivo di 1,5 gradi centigradi dell’accordo di Parigi. Viviamo nella speranza. Speriamo che i cuori e le menti continuino ad aprirsi mentre ci muoviamo verso la COP 27 in Egitto.


Temos o prazer de compartilhar com vocês um relatório sobre a COP26 (agora sobre a segunda semana da Conferência Climática) escrito por Jean Quinn, DW, Diretor Executivo da UNANIMA Internacional.
Eles são uma Organização Não-Governamental (ONG) que advoga em nome das Mulheres e Crianças, Desabrigados e Deslocados, Migrantes e Refugiados, e do Meio Ambiente principalmente nas Nações Unidas.
Eles têm como objetivo educar e influenciar os formuladores de políticas em nível global e trabalhar por mudanças sistêmicas para alcançar um mundo mais justo. Nós, MSCs, nos orgulhamos de ser membros da UNANIMA.
COP 26 – Semana 2

Prezados amigos,

Acompanhar as notícias diárias da COP 26 foi tão desafiador quanto o próprio tema!

Um destaque significativo da Cúpula Climática para nós, como religiosas, foi que pessoas de fé de todo o mundo falaram, especialmente sobre as implicações morais das escolhas econômicas irresponsáveis que alimentam o aquecimento global. Os 40 líderes religiosos que se encontraram com o Papa Francisco antes da conferência nos lembraram que estávamos em um momento de oportunidade e verdade. A declaração dos líderes religiosos afirmou que, “As gerações futuras nunca nos perdoarão se desperdiçarmos esta preciosa oportunidade… Herdamos um jardim: não devemos deixar um deserto para nossos filhos”. Veja aqui a declaração completa

A Jornada Final da COP 26 de 8-13 de novembro de 2021 foi uma nevasca de compromissos, com países prometendo acabar e reverter o desmatamento, eliminar o carvão e reduzir as emissões de metano em 30% até 2030. Os delegados entraram nas negociações encarregados de manter ao seu alcance o objetivo do Acordo de Paris de 2015 de limitar os aumentos de temperatura a 1,5 graus centígrados. Após duas semanas de dolorosas negociações, quase 200 nações se reuniram nos últimos dias para chegar a um acordo global para combater a mudança climática. No entanto, ficou aquém do que a ciência diz ser necessário para conter o aumento perigoso das temperaturas. Além disso, os países ricos foram acusados de falhar na cúpula da COP 26 por não fornecerem a ajuda financeira muito necessária aos Estados vulneráveis que correm o risco de seca, elevação do nível do mar, incêndios e tempestades.

O presidente da COP 26, Alok Sharma, encerrou as negociações dizendo aos delegados: “agora é hora de tomar decisões”. E as escolhas que vocês estão dispostos a fazer são de importância vital”. Infelizmente, em um desenvolvimento tardio, a China e a Índia insistiram que a linguagem sobre combustíveis fósseis fosse enfraquecida no texto final da decisão da cúpula. Assim, agora, após mais de duas semanas de duras negociações, anúncios chocantes e amontoados no final da noite, a COP 26 chegou ao fim. Quando o acordo final foi firmado, um lágrima de Alok Sharma disse: “Peço desculpas pela forma como este processo se desenrolou. Lamento profundamente”, antes de bater com o martelo.

O acordo final conhecido como Pacto Climático de Glasgow, foi assinado por 197 países, desde os grandes emissores, como a China e a Índia, até os pequenos estados insulares cujos

A existência é imperiosa devido à crise climática. Alcançado por consenso, o documento mantém vivas as esperanças de manter as temperaturas globais em 1,5 C acima dos níveis pré-industriais até o final do século – a aspiração do Acordo de Paris. O documento final da COP 26, “O Pacto Climático de Glasgow”, pode ser visto aqui

10 Principais retiradas do Acordo

Os países foram “solicitados” a estabelecer planos climáticos mais duros para 2030
Um elemento crucial do novo acordo é um pedido para que os países “revisitem e fortaleçam” seus planos climáticos para 2030 até o final de 2022. Antes disso, não se esperava que os países voltassem com novos planos climáticos nacionais até 2025. Alok Sharma, presidente da COP 26, convidou todos os 200 países a relatar seu progresso em direção a mais ambição climática no próximo ano na COP 27, prevista para acontecer no Egito.

Os combustíveis fósseis são apresentados pela primeira vez – com um ajuste de última hora
Houve um chamado para acelerar o “phasing out” de subsídios ineficientes aos combustíveis fósseis, e o “phasing down” de energia não diminuída do carvão, que se refere à energia do carvão que não está vinculada a uma tecnologia ainda emergente para capturar as emissões de CO2. Como foi dito acima, a linguagem foi enfraquecida no último minuto, com a Índia pedindo um “phasing down” para substituir um “phasing out” mais firme durante a plenária final da conferência. A atitude da Índia provocou uma resposta emocional, como evidenciado pelo pedido de desculpas de Alok Sharma, Presidente da COP 26. No entanto, apesar desta mudança tardia no documento, é a primeira vez que uma menção aos combustíveis fósseis – o principal motor da crise climática – foi incluída em um documento da ONU sobre o clima deste tipo.
Alarme e preocupação com o ritmo atual do aquecimento global
Houve muito alarme e preocupação com o fato de que os seres humanos já provocaram um aumento da temperatura global de 1,1 C desde o início da era industrial, causando impactos em todas as regiões do mundo.

O mundo rico expressa “profundo pesar” por promessas financeiras não cumpridas
O acordo final de Glasgow expressa “profundo pesar” de que uma promessa há muito cumprida das nações ricas de fornecer US$ 100 bilhões em financiamento até 2020 aos países mais pobres, lutando com os impactos climáticos, NÃO foi cumprida. O texto pede aos países desenvolvidos que forneçam os 100 bilhões de dólares “urgentemente”, e até 2025.

Os países desenvolvidos concordam em duplicar os fundos para as nações mais pobres
Como parte do pacto, os países desenvolvidos se comprometeram, até 2025, a dobrar o montante gasto para ajudar os países mais pobres a se adaptarem aos impactos climáticos a partir dos níveis de 2019. Isto vem depois que o relatório da ONU publicado na semana passada constatou que o custo dos impactos climáticos nos países em desenvolvimento é entre cinco e dez vezes maior do que o montante da ajuda financeira oferecida pelas nações ricas antes da conferência. Veja o relatório Emissions Gap aqui

O mundo em desenvolvimento desapontado com as perdas e danos
Apesar de algum progresso nas finanças, os países em desenvolvimento deixaram Glasgow em grande parte insatisfeitos com a questão. Muitos países em desenvolvimento haviam solicitado a criação de um programa de assistência financeira para ajudá-los a lidar com as “perdas e danos” causados pela crise climática”, tais como a perda de vidas humanas durante eventos climáticos extremos.

Chamada para conter o metano até 2030
O texto convida os países a considerarem como eles irão cortar o metano, um gás de efeito estufa de curta duração, mas potente, criado pela agricultura animal e pela produção de combustíveis fósseis, durante a próxima década.

A menção de “soluções baseadas na natureza” é eliminada.
Soluções e ferramentas baseadas na natureza para enfrentar a crise climática, como o aproveitamento de habitats naturais, foram faturadas para desempenhar um papel importante na COP 26. No entanto, acabou sendo cortado do acordo final.

O livro de regras de Paris foi finalizado
Os novos textos acordados em Glasgow acabaram amarrando as seções restantes do livro de regras do Acordo de Paris. Isto incluiu novas regras sobre “transparência”. Todos os países terão agora que relatar as emissões e os progressos a cada dois anos. Isto deve dar aos observadores uma imagem mais clara sobre se as nações estão cumprindo suas promessas climáticas.
O papel dos povos indígenas, jovens e crianças “reconhecidos
O texto final de Glasgow faz uma menção específica ao “papel importante” que “povos indígenas, comunidades locais, jovens, crianças, governos locais e regionais”, e outras partes interessadas” jogam para enfrentar a crise climática. Os jovens ativistas pediram que as vozes das crianças fossem ouvidas.

Reflexões dos delegados

COP 26 Presidente, Alok Sharma
“Creio que hoje podemos dizer com credibilidade que mantivemos 1,5 C ao nosso alcance. Mas seu pulso é fraco, e só sobreviveremos se mantivermos nossas promessas… Os observadores disseram que o acordo ficou aquém do necessário para evitar o aquecimento perigoso e para ajudar os países a se adaptarem ou recuperarem os danos causados pelos desastres já em curso no mundo inteiro”.

Secretário-Geral da ONU, António Gutteres:
Gutteres saudou o acordo, afirmando que é “um passo importante, mas não suficiente”. Devemos acelerar a ação climática para manter vivo o objetivo de limitar o aumento da temperatura global a 1,5 graus”. Ele disse que o texto aprovado da COP 26 foi um compromisso importante, mas que “a vontade política coletiva não foi suficiente para superar algumas contradições profundas”. Ele afirmou que os textos “refletem os interesses, as condições e o estado da vontade política no mundo de hoje”. Mas que “nosso frágil planeta está pendurado por um fio”. Ainda estamos batendo na porta da catástrofe”.

Mary Robinson, Presidente dos Anciãos
Visivelmente emocionada com as lágrimas, Mary Robinson disse que “não há líderes suficientes em modo de crise”. Ela disse que os países mais pobres, notadamente os do Fórum Vulneráveis ao Clima, estavam em uma “mentalidade de crise” e buscando um resultado significativo. Ela advertiu os líderes: “isto está em seu turno…

É importante. Estamos falando de ter um futuro seguro”. Ela disse que precisava chamar os líderes da Arábia Saudita, Rússia. Brasil, China e Austrália como não tendo assumido compromissos suficientes, e muitas vezes sendo os principais bloqueadores para o progresso.

Greta Thunberg:
A ativista adolescente disse que, para ela, a COP 26 foi um fracasso. Ela acreditava que tinha se transformado em um “evento de relações públicas para lutar pelo status quo”, e a comparou a um festival global de greenwash do norte”. Ela disse que “o verdadeiro trabalho continua fora desses salões”. E nós nunca desistiremos, jamais”.

Representante de Fiji, Aiyaz Sayed-Khaiyum:
Criticou a mudança proposta de convocar as partes para “reduzir gradualmente” em vez de “eliminar gradualmente” o carvão. Ele disse: “o que gostaríamos de expressar não é apenas nossa imensa decepção, mas na forma como ela foi introduzida”.

Frans Timmermans, Vice Presidente Executivo da UE
Disse que estava desapontado “que a linguagem sobre o carvão tivesse sido diluída”.

Primeira Ministra de Barbados, Mia Mottley
Ela disse que para Barbados e outros pequenos estados insulares, “dois graus é uma sentença de morte”.

Ativistas das Ilhas Marshall, Índia, EUA, África do Sul
Jovens ativistas do clima de todo o mundo estão apresentando uma petição legal ao Secretário-Geral da ONU, instando-o a declarar uma “emergência climática em todo o sistema”. Eles estão pedindo ao Secretário-Geral que use poderes de emergência para corresponder ao nível de resposta adotado para a pandemia de coronavírus, pronunciando a crise climática como uma emergência de nível global 3 – a categoria mais alta das Nações Unidas. Na minuta da petição os ativistas pedem ao Secretário-Geral e a outras agências da ONU que “mobilizem uma resposta abrangente da ONU para a emergência climática”. Eles também os incitam a nomear uma equipe de gestão de crise para “supervisionar uma ação global imediata e abrangente sobre o clima”.

Conclusão
Na conclusão da COP 26, o Presidente Alok Sharma anunciou que quase 200 nações haviam finalmente chegado a um consenso sobre como navegar na crise climática. Os textos aprovados são um compromisso. Eles refletem os interesses, as contradições e o estado da vontade política no mundo. O Secretário Geral da ONU, António Gutteres, disse: “estamos batendo na porta da catástrofe climática”. Muitas ONGs expressaram desapontamento com o resultado da Cúpula em Glasgow. De acordo com um grupo: “Glasgow era um posto de encenação, não uma linha de chegada”. Alguns países ainda estão arrastando seus calcanhares, outros estão começando a acelerar o ritmo. É hora de todos nós mantermos nossos governos nacionais dentro dos padrões exigidos pelo objetivo de 1,5C no acordo de Paris. Vivemos na esperança. Esperança de que corações e mentes continuem a ser abertos à medida que nos aproximamos da COP 27 no Egito.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *