We are glad to share with you a report on COP26 (especially about the first week of the Climate Conference) written by Jean Quinn, DW, Executive Director of UNANIMA International.
They are a Non –Governmental Organization (NGO) advocating on behalf of Women and Children, Homeless and Displaced, Migrants and Refugees, and the Environment primarily at the United Nations.
They aim to educate and influence policy makers at the global level and work for systemic change to achieve a more just world. We MSCs are proud to be members of UNANIMA.



Dear Friends,
Here is what happened during the first week of COP26:
Background


We know for certain that this COP26 Climate Change Conference in Glasgow, is neither our last, best chance to tackle climate change as some suggest, nor is it just another instance of talking shop. It has brought high level political attention, as well as a media focus to the climate crisis, and has made clear the gap between what we need to do, and what we have achieved so far. The need to take transformative action to combat the climate crisis has never been clearer. We have seen unprecedented weather extremes across the world this past year, from flooding in Germany and China, to forest fires in the US Pacific Northwest. For those of us living in the developed world, climate change is no longer a far-away problem in space or time. It is here and now.

But this is just a taste of what vulnerable communities in developing countries have been experiencing for years. As we know, at the heart of the climate crisis is a deep injustice—those least responsible for causing climate change through greenhouse gas emissions are on the frontlines of the impact of the climate crisis. The latest scientific report from the Intergovernmental Panel on Climate Change, published in August, presented the dangers we face in the starkest terms yet. Urgent and transformative change is required, and yet global emissions of greenhouse gases have continued to rise. According to UN General Secretary General, António Guterres:

“The Working Group’s report was nothing less than a code red for humanity. The alarm bells are deafening, and the evidence is irrefutable.”

What we have seen in the past week is that COP26 has shone a light on the inadequacy of our actions to date, and the need to ramp up both ambition, but even more crucially: implementation. We know now that not many countries consider climate change to be core to their self-interest. In too many countries around the world, climate change has yet to assume the centrality and urgency it warrants in national policymaking. Too often, the debate emphasizes the cost of climate action, underplaying or ignoring completely the costs of inaction, as well as the benefits of transitioning away from fossil fuels.

The lack of transparency has been one of the big complaints about this conference. Delegates representing civil society want to be able to watch, listen, and dissect what governments are promising, and the commitments that they are making. They have found it difficult to attend some sessions due to social distancing rules, and have been forced to rely instead on web access provided by the conference organizers. People feel that it’s not the same, and feel cut off from the process—unable to influence and scrutinize in the way that they would like. On Friday there was a similar sense of disconnect on the streets of Glasgow at the youth rally for climate.

At the rally, representatives of Indigenous people explained how multinational companies had polluted their water and taken over their land in the pursuit of profit. For them, it’s not just a climate crisis, it’s a question of much wider social justice. Andrea Lxchiu from Central America, who spoke at the youth rally, was asked why she travelled to Glasgow. She answered: “To say that the answers to climate changes are not going to be negotiated inside the COP but constructed around people who want these systems to change. I think the message we send when we take to the streets is that hope is still alive while we are organizing to change the world.”

This is the challenge for world leaders when they return to Glasgow this week to see if they can agree on a communique, at what we are told is the “last, best chance” to stop runaway climate change. How will they convince distrustful activists and people already suffering due to global warming, that they will deliver on the promises that have been made and will show the ambition needed. The reality is that we need these political leaders to have any chance of driving down emissions. The richest 20 nations in the world—the G20—are responsible for the vast bulk of greenhouse gas emissions. If they can be locked into an agreement it will be an important contribution to the wider effort.

In the most recent IPCC Report, it states “that climate change is widespread, rapid and intensifying. Every region is facing increasing changes. The role of human influence on the climate system is uninterrupted.” This Report provides vital information for world leaders during COP26 in Glasgow.

Decisions to be made


The Paris agreement (2015) set out a mechanism to reduce greenhouse gas emissions. Each country must set out how it will reduce greenhouse gas emissions in a plan known as the Nationally Determined Contributions or NDC. NDCs must be revised and strengthened every five years, with the first revisions being viewed at the Glasgow COP. Unless the commitments in the current NDCs are strengthened and put into effect urgently, there is no hope of limiting global warming to 2℃.

Practical Actions to be Continued


● Take action to reduce your carbon emissions
● Plant trees – Trees for Life where possible
● Join others in your community to pray for Climate Justice
● Talk to your local and national leaders
● Listen to the voices of women and children to share their experiences and solutions

Conclusion


Mary Robinson, as the “Leader of the Elders,” spoke eloquently this past week and declared that “climate summits like COP26 are a test of leaders’ mettle.” As a former head of state and a UN climate envoy, she knows the pressure they will be under in Glasgow, but also the power they have to make lasting positive change at a time of crisis. She lamented to a journalist that, “We’re not going to have enough of the real voices, because they can’t get to the COP. It’s a bit too white and elite, frankly, because of Covid and [because] they didn’t manage the security and the prices.” She’s still optimistic: “I have to be a prisoner of hope.”
As we start the final week of COP26, we must continue to pray that the host, the United Kingdom, takes on the responsibility to lead by example and galvanize all delegations into radical ambition, and that it demands consistency and credibility. We gather in prayer to pray for the Leaders and all in Glasgow, and that they will not shrink in this moment. They should heed the words of Nelson Mandela, the founder of The Elders, who stated: “it always seems impossible until it is done.” And so, we must remain hopeful.


Nos complace compartir con ustedes un informe sobre la COP26 (especialmente sobre la primera semana de la Conferencia sobre el Clima) escrito por Jean Quinn, DW, Directora Ejecutiva de UNANIMA Internacional.
Se trata de una Organización No Gubernamental (ONG) que aboga por las mujeres y los niños, los sin techo y los desplazados, los migrantes y los refugiados, y el medio ambiente, principalmente en las Naciones Unidas.
Su objetivo es educar e influir en los responsables políticos a nivel mundial y trabajar por un cambio sistémico para lograr un mundo más justo. Los MSC estamos orgullosos de ser miembros de UNANIMA.



Queridos amigos,
Esto es lo que ocurrió durante la primera semana de la COP26:
Antecedentes
Sabemos con certeza que esta Conferencia sobre el Cambio Climático COP26, celebrada en Glasgow, no es ni nuestra última ni nuestra mejor oportunidad para abordar el cambio climático, como algunos sugieren, ni tampoco se trata de otra instancia de conversación. Ha atraído la atención política de alto nivel, así como la atención de los medios de comunicación a la crisis climática, y ha dejado claro el desfase entre lo que tenemos que hacer y lo que hemos logrado hasta ahora. La necesidad de emprender una acción transformadora para combatir la crisis climática nunca ha estado tan clara. Este último año hemos asistido a fenómenos meteorológicos extremos sin precedentes en todo el mundo, desde las inundaciones en Alemania y China hasta los incendios forestales en el noroeste del Pacífico estadounidense. Para los que vivimos en el mundo desarrollado, el cambio climático ya no es un problema lejano en el espacio o en el tiempo. Está aquí y ahora.

Pero esto es sólo una muestra de lo que las comunidades vulnerables de los países en desarrollo han estado experimentando durante años. Como sabemos, en el centro de la crisis climática hay una profunda injusticia: los menos responsables de causar el cambio climático a través de las emisiones de gases de efecto invernadero están en primera línea del impacto de la crisis climática. El último informe científico del Grupo Intergubernamental de Expertos sobre el Cambio Climático, publicado en agosto, presentó los peligros a los que nos enfrentamos en los términos más crudos hasta ahora. Es necesario un cambio urgente y transformador, y sin embargo las emisiones mundiales de gases de efecto invernadero han seguido aumentando. Según el Secretario General de la ONU, António Guterres:

“El informe del Grupo de Trabajo es nada menos que un código rojo para la humanidad. Las campanas de alarma son ensordecedoras y las pruebas son irrefutables”.

Lo que hemos visto en la última semana es que la COP26 ha puesto de manifiesto la insuficiencia de nuestras acciones hasta la fecha, y la necesidad de aumentar tanto la ambición como, lo que es más importante, la aplicación. Ahora sabemos que no son muchos los países que consideran que el cambio climático es fundamental para sus intereses. En demasiados países del mundo, el cambio climático aún no ha asumido la centralidad y la urgencia que merece en la formulación de políticas nacionales. Con demasiada frecuencia, el debate hace hincapié en el coste de la acción climática, infravalorando o ignorando por completo los costes de la inacción, así como los beneficios de la transición para abandonar los combustibles fósiles.

La falta de transparencia ha sido una de las grandes quejas de esta conferencia. Los delegados que representan a la sociedad civil quieren poder ver, escuchar y diseccionar lo que los gobiernos prometen y los compromisos que asumen. Les ha resultado difícil asistir a algunas sesiones debido a las normas de distanciamiento social, y se han visto obligados a depender en cambio del acceso a la web proporcionado por los organizadores de la conferencia. La gente siente que no es lo mismo, y se siente apartada del proceso, incapaz de influir y escudriñar de la manera que le gustaría. El viernes hubo una sensación de desconexión similar en las calles de Glasgow, en la concentración de jóvenes por el clima.

En la concentración, los representantes de los pueblos indígenas explicaron cómo las empresas multinacionales han contaminado sus aguas y se han apoderado de sus tierras en busca de beneficios. Para ellos, no se trata sólo de una crisis climática, sino de una cuestión de justicia social mucho más amplia. A Andrea Lxchiu, de Centroamérica, que intervino en la concentración de jóvenes, le preguntaron por qué había viajado a Glasgow. Respondió: “Para decir que las respuestas a los cambios climáticos no se van a negociar dentro de la COP, sino que se van a construir alrededor de la gente que quiere que estos sistemas cambien. Creo que el mensaje que enviamos cuando salimos a la calle es que la esperanza sigue viva mientras nos organizamos para cambiar el mundo”.

Este es el reto para los líderes mundiales cuando vuelvan a Glasgow esta semana para ver si pueden ponerse de acuerdo en un comunicado, en lo que se nos dice que es la “última y mejor oportunidad” para detener el cambio climático desbocado. ¿Cómo van a convencer a los desconfiados activistas y a las personas que ya están sufriendo a causa del calentamiento global, de que van a cumplir las promesas que se han hecho y van a mostrar la ambición necesaria? La realidad es que necesitamos a estos líderes políticos para tener alguna posibilidad de reducir las emisiones. Los 20 países más ricos del mundo -el G20- son responsables de la mayor parte de las emisiones de gases de efecto invernadero. Si consiguen llegar a un acuerdo, será una importante contribución al esfuerzo general.

En el último informe del IPCC se afirma “que el cambio climático es generalizado, rápido y se está intensificando. Todas las regiones se enfrentan a cambios crecientes. El papel de la influencia humana en el sistema climático es ininterrumpido”. Este Informe proporciona información vital para los líderes mundiales durante la COP26 en Glasgow.

Decisiones a tomar
El Acuerdo de París (2015) estableció un mecanismo para reducir las emisiones de gases de efecto invernadero. Cada país debe establecer cómo reducirá las emisiones de gases de efecto invernadero en un plan conocido como Contribuciones Determinadas a Nivel Nacional o CDN. Las NDC deben ser revisadas y reforzadas cada cinco años, y las primeras revisiones se verán en la COP de Glasgow. Si no se refuerzan los compromisos de las NDC actuales y se ponen en práctica con urgencia, no hay esperanza de limitar el calentamiento global a 2℃.

Acciones prácticas a seguir
● Adopte medidas para reducir sus emisiones de carbono
● Plantar árboles – Árboles para la Vida donde sea posible
● Únete a otros en tu comunidad para rezar por la Justicia Climática
● Habla con tus líderes locales y nacionales
● Escucha las voces de las mujeres y los niños para compartir sus experiencias y soluciones

Conclusión
Mary Robinson, como “líder de los ancianos”, habló con elocuencia esta semana pasada y declaró que “las cumbres sobre el clima como la COP26 son una prueba para el temple de los líderes”. Como ex jefa de Estado y enviada de la ONU para el clima, sabe la presión a la que estarán sometidos en Glasgow, pero también el poder que tienen para lograr un cambio positivo duradero en un momento de crisis. Se lamentó ante un periodista de que “no vamos a tener suficientes voces reales, porque no pueden llegar a la COP. Es un poco demasiado blanca y elitista, francamente, por culpa de Covid y [porque] no han gestionado la seguridad y los precios”. Sigue siendo optimista: “Tengo que ser prisionera de la esperanza”.
Al comenzar la última semana de la COP26, debemos seguir rezando para que el anfitrión, el Reino Unido, asuma la responsabilidad de liderar con el ejemplo y galvanizar a todas las delegaciones en una ambición radical, y que exija coherencia y credibilidad. Nos reunimos en oración para rezar por los Líderes y por todos los presentes en Glasgow, y para que no se acobarden en este momento. Deberían hacer caso a las palabras de Nelson Mandela, el fundador de The Elders, que afirmó “siempre parece imposible hasta que se hace”. Y así, debemos mantener la esperanza.



Siamo lieti di condividere con voi un rapporto sulla COP26 (in particolare sulla prima settimana della conferenza sul clima) scritto da Jean Quinn, DW, direttore esecutivo di UNANIMA International.
Si tratta di un’organizzazione non governativa (ONG) che difende per conto di donne e bambini, senzatetto e sfollati, migranti e rifugiati, e l’ambiente principalmente alle Nazioni Unite.
Il loro obiettivo è quello di educare e influenzare i politici a livello globale e lavorare per un cambiamento sistematico per ottenere un mondo più giusto. Noi MSC siamo orgogliosi di essere membri di UNANIMA.



Cari amici,
Ecco cosa è successo durante la prima settimana di COP26:
Background
Sappiamo per certo che questa conferenza sui cambiamenti climatici COP26 a Glasgow non è né la nostra ultima, migliore occasione per affrontare il cambiamento climatico, come alcuni suggeriscono, né è solo un altro caso di chiacchiere. Ha portato un’attenzione politica di alto livello, così come un focus mediatico sulla crisi climatica, e ha reso chiaro il divario tra ciò che dobbiamo fare e ciò che abbiamo raggiunto finora. La necessità di intraprendere un’azione trasformativa per combattere la crisi climatica non è mai stata così chiara. Abbiamo visto estremi climatici senza precedenti in tutto il mondo lo scorso anno, dalle inondazioni in Germania e Cina, agli incendi boschivi nel nord-ovest del Pacifico degli Stati Uniti. Per quelli di noi che vivono nel mondo sviluppato, il cambiamento climatico non è più un problema lontano nello spazio o nel tempo. È qui e ora.

Ma questo è solo un assaggio di ciò che le comunità vulnerabili nei paesi in via di sviluppo stanno sperimentando da anni. Come sappiamo, al cuore della crisi climatica c’è una profonda ingiustizia: i meno responsabili di aver causato il cambiamento climatico attraverso le emissioni di gas serra sono in prima linea nell’impatto della crisi climatica. L’ultimo rapporto scientifico del Gruppo intergovernativo sui cambiamenti climatici, pubblicato in agosto, ha presentato i pericoli che affrontiamo nei termini più netti finora. È necessario un cambiamento urgente e trasformativo, eppure le emissioni globali di gas serra hanno continuato a crescere. Secondo il segretario generale dell’ONU, António Guterres:

“Il rapporto del gruppo di lavoro non è altro che un codice rosso per l’umanità. I campanelli d’allarme sono assordanti e le prove sono inconfutabili”.

Quello che abbiamo visto nell’ultima settimana è che la COP26 ha messo in luce l’inadeguatezza delle nostre azioni fino ad oggi, e la necessità di aumentare sia l’ambizione, ma ancora più cruciale: l’attuazione. Ora sappiamo che non molti paesi considerano il cambiamento climatico al centro dei loro interessi. In troppi paesi del mondo, il cambiamento climatico non ha ancora assunto la centralità e l’urgenza che merita nelle politiche nazionali. Troppo spesso, il dibattito enfatizza il costo dell’azione climatica, sottovalutando o ignorando completamente i costi dell’inazione, così come i benefici della transizione dai combustibili fossili.

La mancanza di trasparenza è stata una delle grandi lamentele su questa conferenza. I delegati che rappresentano la società civile vogliono essere in grado di guardare, ascoltare e sezionare ciò che i governi stanno promettendo e gli impegni che stanno prendendo. Hanno trovato difficile partecipare ad alcune sessioni a causa delle regole di distanziamento sociale, e sono stati costretti a contare invece sull’accesso al web fornito dagli organizzatori della conferenza. La gente sente che non è la stessa cosa, e si sente tagliata fuori dal processo – incapace di influenzare e controllare nel modo che vorrebbe. Venerdì c’era un simile senso di disconnessione nelle strade di Glasgow alla manifestazione dei giovani per il clima.

Alla manifestazione, i rappresentanti delle popolazioni indigene hanno spiegato come le multinazionali hanno inquinato le loro acque e si sono impossessate delle loro terre nella ricerca del profitto. Per loro, non è solo una crisi climatica, è una questione di giustizia sociale molto più ampia. Ad Andrea Lxchiu dall’America Centrale, che ha parlato alla manifestazione dei giovani, è stato chiesto perché si è recata a Glasgow. Lei ha risposto: “Per dire che le risposte ai cambiamenti climatici non saranno negoziate all’interno del COP, ma costruite intorno alle persone che vogliono che questi sistemi cambino. Penso che il messaggio che mandiamo quando scendiamo in strada è che la speranza è ancora viva mentre ci stiamo organizzando per cambiare il mondo”.

Questa è la sfida per i leader mondiali quando torneranno a Glasgow questa settimana per vedere se possono essere d’accordo su un comunicato, a quello che ci viene detto essere “l’ultima, migliore possibilità” per fermare il cambiamento climatico in fuga. Come riusciranno a convincere gli attivisti diffidenti e le persone che già soffrono a causa del riscaldamento globale, che manterranno le promesse che sono state fatte e mostreranno l’ambizione necessaria. La realtà è che abbiamo bisogno di questi leader politici per avere qualche possibilità di ridurre le emissioni. Le 20 nazioni più ricche del mondo – il G20 – sono responsabili della maggior parte delle emissioni di gas serra. Se possono essere bloccati in un accordo, sarà un importante contributo allo sforzo più ampio.

Nel più recente rapporto dell’IPCC, si afferma “che il cambiamento climatico è diffuso, rapido e si sta intensificando. Ogni regione sta affrontando cambiamenti crescenti. Il ruolo dell’influenza umana sul sistema climatico è ininterrotto”. Questo rapporto fornisce informazioni vitali per i leader mondiali durante il COP26 a Glasgow.

Decisioni da prendere
L’accordo di Parigi (2015) ha stabilito un meccanismo per ridurre le emissioni di gas serra. Ogni paese deve stabilire come ridurrà le emissioni di gas serra in un piano noto come “Nationally Determined Contributions” o NDC. Gli NDC devono essere rivisti e rafforzati ogni cinque anni, con le prime revisioni visionate alla COP di Glasgow. A meno che gli impegni degli attuali NDC siano rafforzati e messi in atto con urgenza, non c’è speranza di limitare il riscaldamento globale a 2℃.

Azioni pratiche da continuare
Agire per ridurre le proprie emissioni di carbonio
Pianta alberi – Trees for Life dove possibile
Unisciti ad altri nella tua comunità per pregare per la giustizia climatica
Parla con i tuoi leader locali e nazionali
Ascolta le voci di donne e bambini per condividere le loro esperienze e soluzioni

Conclusione
Mary Robinson, come “Leader degli anziani”, ha parlato in modo eloquente la scorsa settimana e ha dichiarato che “i summit sul clima come COP26 sono una prova di coraggio per i leader”. Come ex capo di stato e inviato delle Nazioni Unite per il clima, conosce la pressione a cui saranno sottoposti a Glasgow, ma anche il potere che hanno per fare un cambiamento positivo duraturo in un momento di crisi. Si è lamentata con un giornalista: “Non avremo abbastanza voci reali, perché non possono arrivare al COP. È un po’ troppo bianco ed elitario, francamente, a causa di Covid e [perché] non hanno gestito la sicurezza e i prezzi”. È ancora ottimista: “Devo essere prigioniera della speranza.”
All’inizio dell’ultima settimana della COP26, dobbiamo continuare a pregare affinché l’ospite, il Regno Unito, si assuma la responsabilità di dare l’esempio e galvanizzare tutte le delegazioni in un’ambizione radicale, e che esiga coerenza e credibilità. Ci riuniamo in preghiera per pregare per i leader e tutti a Glasgow, e che non si tirino indietro in questo momento. Dovrebbero ascoltare le parole di Nelson Mandela, il fondatore degli Anziani, che ha dichiarato: “sembra sempre impossibile finché non viene fatto”. E così, dobbiamo rimanere fiduciosi.



Temos o prazer de compartilhar com vocês um relatório sobre a COP26 (especialmente sobre a primeira semana da Conferência Climática) escrito por Jean Quinn, DW, Diretor Executivo da UNANIMA Internacional.
Eles são uma Organização Não-Governamental (ONG) que advoga em nome das Mulheres e Crianças, Desabrigados e Deslocados, Migrantes e Refugiados, e do Meio Ambiente principalmente nas Nações Unidas.
Eles têm como objetivo educar e influenciar os formuladores de políticas em nível global e trabalhar por mudanças sistêmicas para alcançar um mundo mais justo. Nós, MSCs, nos orgulhamos de ser membros da UNANIMA.



Prezados amigos,
Eis o que aconteceu durante a primeira semana da COP26:

Antecedentes
Sabemos com certeza que esta Conferência sobre Mudança Climática COP26 em Glasgow, não é nossa última e melhor chance de enfrentar a mudança climática, como alguns sugerem, nem é apenas mais um exemplo de loja de conversas. Ela chamou a atenção política de alto nível, bem como um foco da mídia para a crise climática, e deixou clara a lacuna entre o que precisamos fazer e o que alcançamos até agora. A necessidade de tomar medidas transformadoras para combater a crise climática nunca foi tão clara. Temos visto extremos climáticos sem precedentes em todo o mundo no ano passado, desde inundações na Alemanha e na China até incêndios florestais no Noroeste do Pacífico dos EUA. Para aqueles de nós que vivem no mundo desenvolvido, a mudança climática não é mais um problema distante no espaço ou no tempo. Ela está aqui e agora.

Mas isto é apenas uma amostra do que as comunidades vulneráveis nos países em desenvolvimento vêm experimentando há anos. Como sabemos, no centro da crise climática está uma profunda injustiça – os menos responsáveis por causar a mudança climática através das emissões de gases de efeito estufa estão na linha de frente do impacto da crise climática. O último relatório científico do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, publicado em agosto, apresentou os perigos que enfrentamos nos termos mais duros até agora. É necessária uma mudança urgente e transformadora, e ainda assim as emissões globais de gases de efeito estufa continuaram a aumentar. De acordo com o Secretário Geral da ONU, António Guterres:

“O relatório do Grupo de Trabalho foi nada menos que um código vermelho para a humanidade”. Os sinais de alarme são ensurdecedores, e as evidências são irrefutáveis”.

O que vimos na semana passada é que a COP26 lançou uma luz sobre a inadequação de nossas ações até o momento, e a necessidade de aumentar ambas as ambições, mas de forma ainda mais crucial: a implementação. Sabemos agora que não são muitos os países que consideram a mudança climática como o núcleo de seus próprios interesses. Em muitos países em todo o mundo, a mudança climática ainda não assumiu a centralidade e a urgência que ela justifica na formulação de políticas nacionais. Com muita freqüência, o debate enfatiza o custo da ação climática, subestimando ou ignorando completamente os custos da inação, bem como os benefícios da transição para longe dos combustíveis fósseis.

A falta de transparência tem sido uma das grandes reclamações sobre esta conferência. Os delegados representando a sociedade civil querem poder assistir, ouvir e dissecar o que os governos prometem e os compromissos que estão assumindo. Eles acharam difícil assistir a algumas sessões devido às regras de distanciamento social, e foram forçados a confiar no acesso à web fornecido pelos organizadores da conferência. As pessoas sentem que não é a mesma coisa, e se sentem isoladas do processo – incapazes de influenciar e escrutinar da maneira que gostariam. Na sexta-feira houve uma sensação semelhante de desconexão nas ruas de Glasgow no comício da juventude pelo clima.

No comício, representantes dos povos indígenas explicaram como as empresas multinacionais haviam poluído suas águas e tomado suas terras em busca de lucro. Para eles, não é apenas uma crise climática, é uma questão de justiça social muito mais ampla. Andrea Lxchiu, da América Central, que falou no comício da juventude, foi perguntada por que ela viajou para Glasgow. Ela respondeu: “Para dizer que as respostas às mudanças climáticas não serão negociadas dentro da COP, mas construídas em torno de pessoas que querem que estes sistemas mudem. Acho que a mensagem que enviamos quando tomamos as ruas é que a esperança ainda está viva enquanto estamos nos organizando para mudar o mundo”.

Este é o desafio para os líderes mundiais quando retornarem a Glasgow esta semana para ver se conseguem chegar a um acordo sobre um comunicado, no que nos dizem ser a “última, melhor chance” de parar a mudança climática fugitiva. Como eles irão convencer ativistas desconfiados e pessoas que já sofrem devido ao aquecimento global, que irão cumprir as promessas que foram feitas e mostrarão a ambição necessária. A realidade é que precisamos que estes líderes políticos tenham qualquer chance de reduzir as emissões. As 20 nações mais ricas do mundo – o G20 – são responsáveis pela grande maioria das emissões de gases de efeito estufa. Se eles puderem ser fechados em um acordo, isso será uma contribuição importante para o esforço mais amplo.

No relatório mais recente do IPCC, ele afirma “que a mudança climática é generalizada, rápida e se intensifica. Todas as regiões estão enfrentando mudanças crescentes. O papel da influência humana sobre o sistema climático é ininterrupto”. Este Relatório fornece informações vitais para os líderes mundiais durante a COP26 em Glasgow.

Decisões a serem tomadas
O acordo de Paris (2015) estabeleceu um mecanismo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Cada país deve estabelecer como reduzirá as emissões de gases de efeito estufa em um plano conhecido como Contribuições Determinadas nacionalmente ou NDC. As CNDs devem ser revisadas e reforçadas a cada cinco anos, com as primeiras revisões sendo vistas na COP de Glasgow. A menos que os compromissos nos CNDs atuais sejam reforçados e colocados em prática urgentemente, não há esperança de limitar o aquecimento global a 2℃.

Ações Práticas a serem Continuadas
● Tome medidas para reduzir suas emissões de carbono
● Plantar árvores – Árvores para a vida sempre que possível
● Junte-se a outros em sua comunidade para rezar pela Justiça Climática
● Fale com seus líderes locais e nacionais
● Ouvir as vozes das mulheres e das crianças para compartilhar suas experiências e soluções

Conclusão
Mary Robinson, como a “Líder dos Anciãos”, falou eloquentemente na semana passada e declarou que “cúpulas climáticas como a COP26 são um teste à coragem dos líderes”. Como ex-chefe de Estado e enviada climática da ONU, ela sabe a pressão que estarão sofrendo em Glasgow, mas também o poder que eles têm para fazer mudanças positivas duradouras em um momento de crise. Ela lamentou a um jornalista que, “Não vamos ter o suficiente das vozes reais, porque eles não podem chegar à COP. É um pouco branco demais e de elite, francamente, por causa da Covid e [porque] eles não administraram a segurança e os preços”. Ela continua otimista: “Tenho que ser uma prisioneira de esperança”
Ao iniciarmos a última semana da COP26, devemos continuar a rezar para que o anfitrião, o Reino Unido, assuma a responsabilidade de liderar pelo exemplo e galvanizar todas as delegações para uma ambição radical, e que isso exija consistência e credibilidade. Reunimo-nos em oração para rezar pelos Líderes e por todos em Glasgow, e que eles não encolham neste momento. Eles devem prestar atenção às palavras de Nelson Mandela, o fundador de The Elders, que afirmou: “parece sempre impossível até que seja feito”. E assim, devemos permanecer esperançosos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *