YOU CAN READ THE ARTICLE IN SPANISH, ITALIAN AND PORTUGUESE BELOW

~ written by Sister Flora, MSC  

The Source that Nourished Mother Cabrini
July is the month which reminds me so many things: the winter holidays of my childhood, the public holiday of my country, the patronal saint holiday at my parish in El Carmen, the very pleasant family gatherings in my home and the joy for celebrating the dates of the Cabrinian Calendar.  We continue to celebrate this great foundress that the Lord has given us; great because her heart was immensely large, shaped in Sacred Heart. This was her secret: her ability to love, which made her capable of her prodigious missionary work, of her evangelization devoted to “educating the heart” and this is how she sums it up when she writes: 

“..we will all speak that language which is portentous, the language of Jesus’ love, which searches for the most intimate fibers of the human heart and makes them softly vibrate, searching for the noblest feelings and producing the most wonderful fruits of salvation in souls“. [New York, 14/07/1899]

And I wonder, where did Mother Cabrini find these concepts to make this proposal her own? Without a doubt, the Gospels were the source that nourished her spirituality.

In her heart she was convinced that Jesus was born to glorify the Father with our Redemption and as we read in John 17:9-10: “I am asking on their behalf; I am not asking on behalf of the world, but on behalf of those whom you gave me, because they are yours 10 All mine is yours, and yours are mine; and I have been glorified in them.” All this for us! Yes, he saved us with His precious blood and still today he continues to present us to the Father as his trophy! This is what fascinated Mother Cabrini: to belong to God, to be His, to be the reason for His glory.  There are many expressions that we find in her writings of Thoughts and Proposals: “I am all yours, I am the victim of your Divine Heart”; “Make me, Jesus, whatever you want, I am yours, all yours.“   These truths, like all the truths of the Gospels, made her faith great, she believed in His existence, she gave herself to Him, she consecrated herself to Him, and for Him she gave her life in the mission: “learn from me, meek and humble of heart“; she learned and followed His steps faithfully, she identified with Him, she imitated Him in everything. So when Jesus said: “‘Go into all the world and proclaim the good news to the whole creation.” [Mark 16.15] Mother Cabrini understood and said: “The world is too small, and the Missionaries of the Sacred Heart are worldly“.

Education of the Heart Expands our Sphere of Action!
On July 4, 1899 Mother Cabrini wrote: “Jesus is expanding our sphere of action more and more and offering us every day new work to which you know that my heart is running with all the momentum, as it would like to embrace the whole world” [Epistolary, Volume 3, pg. 325]. Jesus said: “Come to me, all you that are weary and are carrying heavy burdens, and I will give you rest.” [Mt 11,28] and He healed the sick: the paralytic, the blind, the mute, the deaf, the dumb… And Mother Cabrini founded hospitals, rehabilitation centers…  [Epistolarium, vol. 5 pg. 563].   Jesus said: “let the children come to me” and Mother Cabrini founded orphanages, real houses with all the necessary care for the children. Jesus reintegrated lepers, foreigners, those who had been separated by law … and Mother Cabrini, welcomed thousands of immigrants, welcomed them with dignity and integrated them into the world of work, society, religion and did not forget the miners, the prisoners and those who suffered other types of marginalization. Jesus forgave the adulteress, entertained himself the Samaritan woman and through her gave dignity to women considering them the first heralds of the resurrection… And Mother Cabrini, fought for the improvement and recognition of women. To elevate their social status as workers, she founded professional schools, and other schools for various professions at higher levels, convinced, as she had planned, to write to the students of the Magisterium, from Los Angeles, on 28/12/1916 [Vol. 5 pg. 575] and they will return to their families with their deserved diploma, and they will be capable of very important positions in society.”  Jesus preferred the crowd starving for bread and for the Word of God and He often taught them through parables, to spread the message of the Father. Mother Cabrini created dozens of schools, for all social levels, because for her “To educate was to evangelize”.  She wrote to the sisters of Panama: “Here there is room for everyone, Jews or Protestants, the difference of religion is not an obstacle, they only have to observe the rules so that there are no differences, except for the sacraments.”

These facts and the whole life of Jesus made Mother Cabrini’s heartbeat and she established a pact of fidelity and spousal love with her God. She writes in Journal of a Trusting Heart, “every nod of the Bridegroom is a law for the loving soul, which seems to keep wings at his feet to fly wherever the Bridegroom wants. Oh, how good it is to be close to Jesus!… and how joyful it is for the loving soul to be able to prevent his desires… Set yourself, O most loving Jesus, as a loving seal in the heart of Your bride and on Her arm, so that He may never lean on others than on You… All His thoughts may be turned to You, all works, words, sufferings, delights, pleasures, everything, everything be for You”. 

The Gospels narrate the Mercy of the Father revealed by Jesus in the parables: the lost sheep, the Good Samaritan, the Prodigal Son… Mother Cabrini learned to look with the eyes of mercy at the possessed, the ignorant, the unbelievers, the ones who forgot or denied Jesus, and even her Sisters when some of them violated some rules or even renounced their vows.  Forgiving, if Jesus forgave the good thief on the cross, how could he not forgive us? “Oh Jesus, Jesus… make my heart as broad as the universe, give my spirit new impetus to love thee, if not as much as thou deserves a little less unworthily, because I want to do everything quickly and ardently.”

Mother Cabrini’s Encouragement to Educate our Hearts and the Hearts of Others
Mother Cabrini, made real “Heart of Jesus, let my heart be like yours“.  She educated her heart and was able to say: “Find that inexpressible joy that flows in His heart like delicious streams”. These deep personal experiences, in some way, permeated all her missionary work, even when she suggested the “Education of the Heart” in relation to others, in particular with those we educate – we remember some of her recommendations as well as “The Notices to the Teachers”.

She said: “First of all, educate your heart”; “Be careful!, Guard your heart! Silent soul … attentive to her duties, vigilant over the movements of her heart, prudent, sensible, enjoying peace, letting others enjoy it [Vol.3 pg. 661] “Do the examination of the affections of the heart”. (The sisters had to make this examination of their conscience every day). Other warnings included: “and you must command with much virtue, more than with authority” [Vol.2, pg.540]. “If you had used a mother’s heart with NN., nothing would have happened.…” [Vol.2, Pag.540] “A heart is soon earned and soon closed.” [Vol.1 pg.512]. “for the beautiful speech given to the young girls so well suited to their needs, in order to form their hearts properly and make them worthy of that lovable Jesus who must then perfect them.” [Vol.1 pg.47]

“The aim that the Teachers must propose is not so much to embellish the spirit of their students with human knowledge as to form their hearts to the love of Religion, to the practice of virtue”. [Avvisi alle Maestre].

These expressions and many others can be found in her writings: Manoscritti; Le Esortazioni; La Stella del Mattino; Gli Avvisi alle Maestre, and for every position held by the Sisters the hundreds of letters addressed to her “daughters”, as she called her Sisters.  All of these a very precious contribution which is the basis of her “Education of the Heart”.

We could sum up these writings as follows

  • First, the infant, the child, the adolescent, and every person, needs to be loved; see examples of this.
  • Let them recognize their dignity. Their life is a gift given in an act of personal love for God, to glorify Him and be happy forever.
  • Love is an act of will.
  • We need to teach values related to:
  • Religion: as given by the faith we profess.
  • Humanistic: ethics, respect, kindness, solidarity, fairness, and responsibility.
  • Family: belonging, commitment, communication, empathy, self-esteem, optimism, love, gratitude.
  • Social: justice, freedom, tolerance, humility, honesty, and patriotism.
  • Environmental and Cultural: The love and care of nature, cultural heritage, family and patriotic traditions, the cultivation of fine arts, recognizing the greatness and beauty that God the Creator has given to humanity.

In all of this Mother Cabrini did not forget in Education of the Heart to give an orientation to the primary impulses, as indicated in point 5 of the Notices to the Teachers and pages 342/343 of the book “To the Ends of the Earth”, which establishes the survival and defense of life.

This is only a small sample of her excellent capacity to educate, and her capacity to love that led her to do great things.   It was a capacity that she drew from the Heart of Christ with which she identified herself, from which her great ideal was also born: “to seek the glory of the Heart of Jesus, making it known and loved by all men”. If Jesus did not want to go it alone, but called the Twelve, she, as she felt strongly missionary, also invited others to accompany her.   She continues to call people today to carry on this wonderful adventure of love and the teaching of love.

~ I’m Hermana Flora, Agnes of Baptism. I was born in Perez, Argentina in 1928, in a large Catholic family, for which I thank God, also for the unity of my family that I believe is a privilege.  I entered this beautiful Institute in 1947 and received my first formation in Rio de Janeiro, Brazil. I have a pleasant and special memory for that community.

I am a teacher, and that was generally my activity, which gave me the opportunity to learn more than to teach, in a permanent relationship with the vitality, richness and creativity of so many girls and adolescents.  Another situation which I lived intensely was a gift to “widen my heart” (as Mother Cabrini says) when I met so many of our sisters, full of fervor for the Sacred Heart and the missionary work so rich in its multiple apostolates.

Now in these last years, I have the opportunity to read and reread the valuable writings of Mother Cabrini, in particular the thousands of letters of the five volumes.  They are full of life, dynamism, wisdom, enthusiasm and dedication to the Kingdom.  They show an example of an emancipated woman in a society where women were not even considered; a great saint passionate about the Heart of Jesus, for His glory and the salvation of all, doing it “ardently and quickly”.         


Educando el corazón a través de aprender a amar el corazón de Jesús

La fuente que alimentó a la Madre Cabrini
Julio, este mes trae a mi memoria afectiva muchos recuerdos, entre otros: las vacaciones escolares de invierno de mi niñez; las fiestas patrias de mi país; las fiestas patronales de mi parroquia del Carmen; las tertulias familiares tan disfrutadas de mi hogar y el gozo grande de las fechas del calendario cabriniano. Con todas las hermanas y seguimos festejando a esta gran fundadora que el Señor nos regaló; grande porque fue inmensamente grande su corazón, conformado en el corazón del Sagrado Corazón. Este fue su secreto: su capacidad de amar que la hizo capaz de su prodigiosa  labor misionera, de su evangelizar “educando el corazón” y así lo sintetiza cuando escribe:

“…a todos hablaremos aquel lenguaje que es portentoso , el lenguaje del amor de Jesús que busca las más íntimas fibras del corazón humano y lo hace vibrar descubriéndole los más nobles sentimientos y produciendo los más maravillosos frutos de salvación en el espíritu.” [N.York , 14/07/1899] Vol.3 pag.329/330.

  Y me pregunto? De dónde M.Cabrini bebió estos conceptos para hacer suyas esta propuesta? Sin dudas los Evangelios fueron la  fuente que alimentaron su espiritualidad.

Garbó en su corazón  que Jesús nació para glorificar al Padre  con nuestra Redención y leyó en Jn. 17,9-10  “Yo te ruego por ellos. No por el mundo, sino por los que tú me has dado: porque te pertenecen. Todo lo mío es tuyo y todo lo tuyo es mío y en ellos he sido glorificado”.  ¡Que por nosotros! Sí, por nosotros, que nos rescató con su preciosísima sangre y aun hoy nos sigue presentando al Padre como su trofeo! Esto sí cautivó a M.Cabrini: pertenecer a Dios; ser suya, causa de su gloria. Son muchas las expresiones que encontramos en sus escritos de Pensamientos y Propósitos ,que nos lo manifiestan, como cuando en páginas 168 y repite en 172 “soy toda tuya, soy la víctima de tu Divino Corazón““ haz , Jesús , de mi lo que Tu quieras. Yo soy tuya, toda tuya”… Estas verdades, como todas las de los Evangelios agigantaron su fe, creyó existencialmente en El,  a El se entregó, a El se consagró,  y por El entregó su vida en la misión. Escuchó en su corazón a Jesús que decía: “Aprended de mi que soy manso y humilde de corazón”; aprendió y siguió fielmente sus pasos. Se identificó con El; lo imitó en todo.  Por eso, cuando Jesús dijo: “vayan por todo el mundo y proclamen la Buena Noticia  a toda criatura” [Mr. 16, 15] M.Cabrini, entendió y decía: “El mundo es demasiado pequeño, y las Misioneras del Sagrado Corazón, son mundiales” [Entre una y otra Ola, pag.21].


La educación del corazón expande nuestra esfera de acción!
El 4 de julio  de 1899 Madre Cabrini decía: “Jesús, va dilatando siempre más nuestra esfera de acción y ofreciéndonos cada día nuevos trabajos , a los cuales bien saben que mi corazón corre con todo ardor , mientras quisiera abrazar el mundo entero” [Volumen 3, pag. 325]  Jesús dijo: “Vengan a mi todos los que están fatigados y agobiados y yo los aliviaré” [ Mt. 11,28] y curó enfermos : paralíticos , ciegos, , mudos , sordos , endemoniados ….Y M.Cabrini , fundó hospitales ,casas de recuperación [Sanitarium-] vol.5,pag.563 .- Jesús dijo : “dejad que los niños vengan a mi” y M.Cabrini creó orfanatos , verdaderos hogares con todos los cuidados necesarios para la niñez .- Jesús reintegró a la sociedad a leprosos , extranjeros , a los apartados de la ley …y M.Cabrini  , acogió a miles de emigrantes , los dignificó e integró  ,al mundo del trabajo , a la sociedad , a la religión y no se olvidó de los mineros, de los presos y  de los que sufrían otros tipos de marginación .-  Jesús perdonó  a la adúltera , dialogó con la samaritana y con ellas dignificó a las mujeres haciéndolas las primeras anunciadoras de la resurrección ; M.Cabrini , luchó por la superación y reconocimiento de la mujer . para elevar su condición social de trabajadoras , fundó escuelas industriales , y otras para diversas prefesiones y niveles superiores , convencida ,  como pronosticó, escribiendo a las alumnas del Magisterio ,desde Los Angeles , el 28/12/1916  [Vol.5 pag.575] …”y regresarán a sus familias con sus diplomas , bien merecidos por tantos estudios y fatigas , que las hará  capaces de puestos importantísimos en la sociedad “  .-  Jesús privilegió a la multitud hambrienta de pan y de la Palabra de Dios  y con frecuencia los instruía con parábolas ,haciéndoles conocer el mensaje del Padre  ; y M. Cabrini creó decenas de escuelas ,para todos los niveles sociales ,porque para ella “Educar era  Evangelizar” ; escuelas abiertas a todos ; les escribía a la hermanas de Panamá pongan en la inscripción :” aquí hay lugar para todos , hebreos o protestantes , la diferencia de religión no es un obstáculo , solo que deberán observar el reglamento en todo ,para que no haya diferencias , menos a lo que e refiere a los sacramentos .-

Estos hechos y toda la vida de Jesús hizo palpitar el corazón de M. Cabrini y su enamorado corazón ,estableció con su Dios un pacto de fidelida, de amor esponsal, escribe en PyP, páginas 183/4, entre otras muchas expresiones repetidas: “toda sugerencia del Esposo es una ley para el alma amante, que parece tener alas en los pies para volar adonde el Esposo vuele. Oh que bien se está cerca de Cristo… y que júbilo para el alma amante poder  cumplir sus deseos …; Ponte, Jesús amantísimo, como sello amoroso en el corazón de tu esposa y en su brazo, para que nunca se apoye en otros , sino en Ti …Todos sus pensamientos sean dirigidos a Ti; todas sus obras, palabras, padecimientos, deleites, placeres, todo, todo sea por Ti”. Los Evangelios narran la Misericordia del Padre revelada por Jesús en las parábolas:  la oveja perdida; el buen samaritano; el hijo pródigo; y M.Cabrini aprendió a mirar con ojos de misericordia a los  deposeídos, a los ignorantes, a los incrédulos, a los que la vida los hizo olvidar o renegar de Jesús y hasta a sus propias religiosas cuando algunas de éstas trasgredía alguna norma o más aún desertaba. Perdonar…, si Jesús perdonó al buen ladrón en la cruz…, como no perdonar. Y para poder imitar de cerca a Jesús, repetía  “Oh Jesús, Jesús…. ensánchame el corazón, dilata mi corazón como el universo; da siempre nuevo impulso a mi espíritu para que te pueda amar siempre más” .
[PyP pag. 165/166] “porque todo lo quiero hacer ardientemente y velozmente”.

Así, M. Cabrini, iría haciendo realidad ese: “Corazón de Jesús, hace mi corazón semejante al tuyo”. Lo educó y pudo decir: “Encuentro ese gozo inefable que corre a torrentes deliciosísimos en mi corazón” [PyP pag.162]. Estas profundas experiencias personales, de algún modo, impregnaron todo su hacer misionero, también cuando proponía: “Educar el corazón”.  En primer lugar en el modo de relacionarse con los demás, especialmente con los educando. Recordemos algunas de sus recomendaciones además del “Reglamento para las maestras”.

 Decía: “Ante todo educar el propio corazón”“estén atentas sobre sí misma, custodien su corazón” [Vol.4 ,Pag.245]. El alma silenciosa, atenta a sus compromisos, vigilante sobre sí misma, y sobre los movimientos de su propio corazón, es prudente, sensata, goza de paz y la hace gozar a los demás. [Vol.3 Pag.661]. “Hagan los exámenes sobre los afectos del corazón”. [Vol.1, Pag.400]. [Las religiosas debían hacer diariamente este examen de conciencia]. Otras advertencias: “y tú manda con mucha virtud , más que con autoridad.” [Vol.2,Pag.540]. “Si tú hubiese tenido un corazón de madre con NN., nada hubiera sucedido. “Un corazón se hace pronto ganarlo  y se hace pronto también a cerrarlo” [Vol.1 Pag.512]. “Sus palabras tan adaptadas a sus necesidades, para formar sus corazones, digna morada del amable Jesús” [Vol.1 Pag.47].  “El anhelo o ansia principal… de las maestras, además de embellecer el espíritu de sus alumnas con humanos conocimientos, es formar sus corazones en el amor a Jesús y en la práctica de los valores cristianos”. [Reglamento para las Maestras].

Estas expresiones y muchísimas otras encontramos en sus escritos, entre otros, Las Reglas Manuscritas; Las Exhortaciones; La Stella del Mattino; El Reglamento para las Maestras y para cada oficio que ejercían las religiosas; y las cientos de cartas dirigidas a sus “hijas” como ella llamaba a sus religiosas; todo un aporte valiosísimo que fundamentan su  “Educar el Corazón”.

Podríamos resumir estos escritos de la siguiente manera:

  • Ante todo, el bebé, el niño, el adolescente, y toda persona, necesitan ser amados; ver ejemplos de vida.
  • Hacerles reconocer su propia dignidad: su vida es un don  dada en un acto de amor personal de Dios, para glorificarlo a El y ser feliz para siempre.
  • El amor como acto de la voluntad.
  • Educar en los valores:
  • Religiosos, dados por la Fe que profesamos.  
  • Humanos: entre otros; ética, respeto, bondad, solidaridad, equidad, responsabilidad,….     
  • Familiares: pertenencia, compromiso, comunicación, empatía, autoestima, optimismo, amor, gratitud,…
  • Sociales: justicia, libertad, tolerancia, humildad , honestidad, patriotismo,
  • No escapa a M.Cabrini el amor y cuidado de la naturaleza; al patrimonio cultural; a las tradiciones familiares y patrióticas, el cultivo por las bellas artes, y cuanto de grande y bello el Dios Creador regaló a la humanidad.

Madre Cabrini no olvidaba en éste, “educar el corazón” orientar los impulsos primarios, como bien lo señala en el punto 5 del Reglamento para las Maestras y en las páginas 353/354 del libro “Entre una y otra Ola”, que hacen a la supervivencia y defensa de la vida.

Esto no es más que una pequeña  muestra de su excelente capacidad de educar, que si bien, es de tener en cuenta su vocación docente, y los estudios formalmente cursados, es por excelencia su capacidad de amar que la llevó a hacer proezas.- Capacidad que bebió en el  Corazón de Cristo, con quien se identificó. De allí surgió también su gran ideal: “buscar la Gloria del Corazón de Jesús haciéndolo conocer y amar por todas las gentes”, según el mandato de Cristo. Y si El no lo quiso hacer sólo, sino que llamó a los doce, ella sintiéndose fuertemente  ser Misionera, también invitó a otras que la acompañen,  y aún  sigue llamando  para que continúen  esta maravillosa aventura de amar y enseñar a amar.                                                                                                                                                                                                                                                                            

Soy hernana Flora, Inés de bautismo. Nací en Perez, Argentina el año  1928, en una familia numerosa y católica por lo que agradezco a Dios, además por la unidad y casi con un culto a la familia que creo, es un privilegio.
Ingresé en este hermoso Instituto en 1947 y recibí mi primera formación en Río de Janeiro, Brazil, por cuya comunidad, guardo un grato y especial recuerdo.
Soy docente, y esa fue generalmente mi actividad ,que me dio,realmente, la oportunidad, más de aprender  que de enseñar, en la relación permanente, con la vitalidad, riqueza y creatividad de tantas niñas, y adolescentes.- Luego , en la década del 70 pude visitar, con gran alegría,  a casi todas las comunidades del Instituto.-  Otra situación , que viví intensamente, un regalo, para “ensanchar el corazón” como dice  M. Cabrini, al conocer a tantas hermanas nuestras, llenas de fervor, por el  Sagrado Corazón y el trabajo misionero tan rico en sus múltiples apostolados.
Ahora en estos últimos años, tengo la oportunidad de leer y releer los valiosos escritos de M. Cabrini en particular las miles de cartas de los cinco tomos, llenas de vida, de dinamismo, de sabiduría de entusiasmo y entrega por el Reino, ejemplo de mujer emancipada, en una sociedad donde la mujer ni era considerada, y gran santa, apasionada por el Corazón de Jesús, por su Gloria y salvación de sus hermanos, todos, haciéndolo “ ardientemente y velozmente”.


Educare il cuore imparando ad amare il cuore di Gesù



La fonte che nutrì Madre Cabrini
Luglio, questo mese mi riporta alla memoria molti ricordi, tra cui: le vacanze scolastiche invernali della mia infanzia; le festività nazionali del mio Paese; la festa patronale della mia parrocchia di El Carmen; le riunioni di famiglia così piacevoli a casa mia e la grande gioia delle date del calendario cabriniano. Continuiamo a celebrare questa grande fondatrice che il Signore ci ha dato; grande perché il suo cuore era immensamente grande, formato nel cuore del Sacro Cuore. Questo fu il suo segreto: la sua capacità di amare, che la rese capace della sua prodigiosa opera missionaria, della sua evangelizzazione vocata alla “educazione del cuore” ed è così che la riassume quando scrive:  “…tutti parleremo quella lingua che è portentosa, la lingua dell’amore di Gesù, che ricerca le più intime fibre del cuore umano e le fa soavemente vibrare, ricercandone i più nobili sentimenti e producendo i più meravigliosi frutti di salvezza nelle anime.” [N.York , 14/07/1899] Vol.3 pag.329/330

E mi chiedo… Dove ha trovato M. Cabrini questi concetti per fare sua questa proposta? Senza dubbio, i Vangeli sono stati la fonte che ha alimentato la sua spiritualità.

Nel suo cuore ha serbato la convinzione che Gesù è nato per glorificare il Padre con la nostra Redenzione e come si legge in Gv 17,9-10: “Io prego per loro; non prego per il mondo, ma per coloro che mi hai dato, perché sono tuoi. Tutte le cose mie sono tue e tutte le cose tue sono mie, e io sono glorificato in loro”. Tutto questo per noi! Sì, è per noi, che ci ha salvato con il suo preziosissimo sangue e ancora oggi continua a presentarci al Padre come suo trofeo! Questo è ciò che ha affascinato M. Cabrini: appartenere a Dio, essere sua, la ragione della sua gloria. Ci sono molte espressioni che troviamo nei suoi scritti di Pensieri e Propositi, a dimostrazione di ciò, come quando a pagina 168 e a pagina 172 ripete: “sono tutta tua, sono la vittima del tuo Divin Cuore”“Fai di me, Gesù, quello che vuoi, io sono tua, tutta tua.” Queste verità, come tutte le verità dei Vangeli, hanno reso grande la sua fede, ella ha creduto nella Sua esistenza, si è donata a Lui, si è consacrata a Lui, e per Lui ha dato la sua vita nella missione: “imparate da me, che sono mite e umile di cuore”; imparò e seguì fedelmente i suoi passi, si identificò con Lui, lo imitò in tutto. Così, quando Gesù disse: “Andate in tutto il mondo e predicate il vangelo ad ogni creatura”. [Mr. 16, 15] M. Cabrini comprese e disse: “Il mondo è troppo piccolo, e le Missionarie del Sacro Cuore sono mondiali”  [Tra Un’Onda e L’Altra, pag.21.

L’Educazione del Cuore espande la nostra sfera di azione! 
Il 14 luglio del 1899 Madre Cabrini scriveva: “Gesù, va dilatando sempre più la nostra sfera di azione e offrendoci ogni giorno nuovo lavoro a cui sapete che il mio cuore corre con tutto lo slancio, mentre vorrebbe abbracciare tutto il mondo” [Epistolario, Volume 3, pag. 325]  Gesù disse: “Venite a me, voi tutti, che siete affaticati e oppressi, e io vi ristorerò” [ Mt. 11,28] e curava i malati: il paralitico, il cieco, il muto, il sordo, l’indemoniato… E M. Cabrini fondò ospedali, centri di riabilitazione  [Sanitarium] vol.5,pag.563. Gesù disse: “lasciate che i bambini vengano a me” e M. Cabrini fondò gli orfanotrofi, vere e proprie case con tutte le cure necessarie per i bambini . Gesù reintegrò nella società i lebbrosi, gli stranieri, coloro che erano stati separati dalla legge… e M. Cabrini, accolse migliaia di immigrati, li accolse dignitosamente e li integrò nel mondo del lavoro, della società, della religione e non dimenticò i minatori, i detenuti e coloro che subirono altri tipi di emarginazione.  Gesù perdonò l’adultera, si intrattenne con la samaritana e attraverso di lei diete dignità alle donne facendone le prime annunciatrici della risurrezione; M. Cabrini, si batté per il miglioramento e il riconoscimento delle donne. Per elevare il loro status sociale di lavoratrici, fondò scuole professionali, e altre per varie professioni e livelli superiori, convinta, come aveva previsto, di scrivere alle allieve del Magistero, da Los Angeles, il 28/12/1916  [Vol.5 pag.575]. “E torneranno alle loro famiglie col loro diploma, ben meritato alloro a tanti studi e fatiche, che loro farà capaci di posizioni importantissime nella società.” Gesù privilegiò la folla affamata di pane e della Parola di Dio e spesso la istruì con parabole, facendo conoscere il messaggio del Padre; e M. Cabrini creò decine di scuole, per tutti i livelli sociali, perché per lei “Educare era Evangelizzare”; scuole aperte a tutti; scrisse alle suore di Panama: “Qui c’è posto per tutti, ebrei o protestanti, la differenza di religione non è un ostacolo, solo che devono osservare le regole in tutto, in modo che non ci siano differenze, tranne che per i sacramenti.”

Questi fatti e tutta la vita di Gesù hanno fatto battere il cuore di M. Cabrini e il suo cuore amorevole ha stabilito un patto di fedeltà e di amore sponsale con il suo Dio; ella scrive in P&P, pagine 183/4, tra una frase e l’altra: “ogni cenno dello Sposo è una legge per l’anima amante, la quale pare che tenga le ali ai piedi per volare ovunque lo Sposo vuole. Oh, come si sta bene vicine a Gesù!… e quale giubilo per l’anima amante il poter prevenirne i desideri… Poniti, o Gesù Amantissimo, come suggello amoroso nel cuore della Tua sposa e sul di lei braccio, acciò mai si appoggi in altri che in te …Tutti i suoi pensieri siano a Te rivolti, tutte le opere, parole, patimenti, diletti, piaceri, tutto, tutto sia per Te”. 

I Vangeli narrano la Misericordia del Padre rivelata da Gesù nelle parabole: la pecora smarrita, il buon Samaritano, il figliol prodigo; e M. Cabrini ha imparato a guardare con gli occhi della misericordia gli indemoniati, gli ignoranti, i miscredenti, coloro che la vita ha fatto dimenticare o rinnegare Gesù e persino le proprie religiose quando alcune di loro trasgredivano qualche regola o addirittura rinunciavano ai voti.  Perdonare…, se Gesù ha perdonato il buon ladro sulla croce…, come potrebbe non perdonare? “Oh Gesù, Gesù … rendimi il cuore largo come l’universo dà sempre nuovo slancio al mio spirito perché ti possa amare se non quanto tu meriti almeno un po’ meno indegnamente”. [ PyP pag. 146] “perchè tutto desidero fare ardentemente e velocemente”.


L’incoraggiamento di Madre Cabrini per educare i nostri cuori e i cuori degli altri
Così, M. Cabrini, rendeva reale tutto questo: “Cuore di Gesù, fa’ che il mio cuore sia simile al tuo”: Lei lo educò e fu in grado di dire: “Trova quella gioia ineffabile che a torrenti deliziosissimi scorre nel suo cuore” [PyP pag.144] . Queste profonde esperienze personali, in qualche modo, hanno impregnato tutta la sua opera missionaria, anche quando proponeva la “Educazione del cuore”, in primo luogo nel modo di relazionarsi con gli altri, soprattutto con coloro che educhiamo, ricordiamo alcune sue raccomandazioni oltre a “Gli Avvisi alle Maestre”.

Diceva: “Prima di tutto educare il proprio cuore”“Tu sta’ attenta sopra di te, custodisci il cuore” [Vol.4 ,Pag.245]. Anima silenziosa… attenta ai suoi doveri, vigilante sopra a se stessa sui movimenti del cuore, è prudente, assennata, gode la pace, la lascia godere alle altre[Vol.3 Pag.661]. “Fate l’esame sugli affetti del cuore” . [Vol.1, Pag.400] [Le religiose dovettero fare questo esame di coscienza ogni giorno]. Altre avvertenze: “e tu comanda con molta virtù, più che con autorità” [Vol.2,Pag.540].  “Se tu avessi usato cuor di madre con NN., niente sarebbe avvenuto. Un cuore si fa presto a guadagnarlo e si fa presto anche a chiuderlo” [Vol.1 Pag.512]. “Per il bellissimo discorsino tenuto alle fanciulle così adatto ai loro bisogni, onde formare a dovere il loro cuore e farlo degno abitacolo di quell’amabile Gesù che le deve poi perfezionare“: [Vol.1 Pag.47] “Lo scopo che si devono proporre le Maestre non è tanto di abbellire lo spirito delle loro alunne con umani cognizioni, quanto di formare il loro cuore all’amore della Religione, alla pratica della virtù”. [Avvisi alle Maestre].

Queste espressioni e molte altre si trovano nei suoi scritti, tra i quali, i Manoscritti; Le Esortazioni; La Stella del Mattino; Gli Avvisi alle Maestre e per ogni carica ricoperta dalle religiose; e le centinaia di lettere indirizzate alle sue “figlie”, come chiamava le sue religiose; tutto un contributo molto prezioso che è alla base della sua “Educazione del Cuore”.

Potremmo riassumere questi scritti come segue:

  • Prima di tutto, il neonato, il fanciullo, l’adolescente, e ogni persona, hanno bisogno di essere amati; vedi esempi di vita.
  • Far loro riconoscere la propria dignità: la loro vita è un dono dato in un atto di amore personale verso Dio, per glorificarlo ed essere felici per sempre.
  • L’amore come atto di volontà.
  • Per educarli ai valori:
  • Religiosi, dati dalla Fede che professiamo.
  • Umani: tra gli altri; etica, rispetto, gentilezza, solidarietà, equità, responsabilità.
  • Famiglia: appartenenza, impegno, comunicazione, empatia, autostima, ottimismo, amore, gratitudine.
  • Sociale: giustizia, libertà, tolleranza, umiltà, umiltà, onestà, patriottismo.
  • L’amore e la cura della natura, il patrimonio culturale, le tradizioni familiari e patriottiche, la coltivazione delle belle arti, riconoscendo la grandezza e la bellezza che Dio Creatore ha dato all’umanità.

Madre Cabrini non ha dimenticato in questa, “educazione del cuore” a dare un orientamento agli impulsi primari, così come indicato al punto 5 degli Avvisi alle Maestre e alle pagine 342/343 del libro “Tra un’onda e l’altra”, che sanciscono la sopravvivenza e la difesa della vita.

Questo è solo un piccolo assaggio della sua eccellente capacità di educare, e, anche se è necessario tener conto della sua vocazione all’insegnamento e dei suoi studi di formazione, è per eccellenza la sua capacità di amare che l’ha portata a fare grandi cose – una capacità che ha attinto dal Cuore di Cristo, con il quale si è identificata – da cui è nato anche il suo grande ideale: “cercare la gloria del Cuore di Gesù, facendolo conoscere e amare da tutti gli uomini”. E se Gesù non volle farlo da solo, ma chiamò i Dodici, lei, sentendosi fortemente missionaria, invitò anche altri ad accompagnarla, invitava anche gli altri ad accompagnarla, e continua a chiamarli a continuare questa meravigliosa avventura di amore e di insegnamento dell’amore.                                                                                                                       


Sono Hermana Flora, Agnese è il mio nome di Battesimo. Sono nata a Perez, in Argentina, nel 1928, in una grande famiglia cattolica, per la quale ringrazio Dio, anche per l’unità della mia famiglia che credo sia un privilegio. Sono entrata in questo bellissimo Istituto nel 1947 e ho ricevuto la mia prima formazione a Rio de Janeiro, in Brasile. Ho un ricordo piacevole e speciale per quella comunità.
Sono un’insegnante, e questa è stata in generale la mia attività, che mi ha dato l’opportunità di imparare più che insegnare, in un rapporto permanente con la vitalità, la ricchezza e la creatività di tante ragazze e adolescenti. Un’altra situazione che ho vissuto intensamente è stata un dono per “allargare il mio cuore” (come dice Madre Cabrini) quando ho incontrato tante nostre sorelle, piene di fervore per il Sacro Cuore e per l’opera missionaria così ricca di molteplici apostolati.
Ora, in questi ultimi anni, ho l’opportunità di leggere e rileggere i preziosi scritti di Madre Cabrini, in particolare le migliaia di lettere dei cinque volumi. Sono pieni di vita, dinamismo, saggezza, entusiasmo e dedizione al Regno. Sono un esempio di donna emancipata in una società dove le donne non erano nemmeno considerate; una grande santa appassionata del Cuore di Gesù, per la sua gloria e la salvezza di tutti, che lo fa “ardentemente e rapidamente”.
                                                                                                                                                                                               


Educando o coração através da aprendizagem do amor ao coração de Jesus


A Fonte que Nutria a Mãe Cabrini
Julho, mês que traz de volta ao coração muitas lembranças, incluindo: as férias escolares de inverno da minha infância; os feriados nacionais do meu país; a festa patronal da minha paróquia em El Carmen; as agradáveis ​​reuniões familiares em minha casa e a grande alegria do calendário cabriniano. Continuamos a celebrar essa grande fundadora que o Senhor nos deu; grande porque seu coração era imensamente grande, formado segundo o Sagrado Coração de Jesus. Esse era o seu segredo: sua capacidade de amar, que a tornava capaz de seu prodigioso trabalho missionário, de sua evangelização dedicada à “educação do coração” e é assim que ela resume quando escreve: “… todas/os nós falaremos a língua que é portentosa, a linguagem do amor de Jesus, que busca as fibras mais íntimas do coração humano e as faz vibrar suavemente, buscando os sentimentos mais nobres, produzindo os frutos mais maravilhosos da salvação nas almas”.  [N.York , 14/07/1899] Vol.3 pag.329/330.

E eu me pergunto: Onde M. Cabrini encontrou esses conceitos para tornar própria essa proposta? Sem dúvida, os Evangelhos foram a fonte que alimentou sua espiritualidade.

 Em seu coração, ele mantinha a convicção de que Jesus havia nascido para glorificar o Pai com nossa Redenção e, conforme lemos em Jo 17: 9-10: “Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas pelos que me destes, porque são teus. Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu, e neles eu sou glorificado”. Tudo isso para nós! Sim, é para nós que fomos salvos pelo seu sangue precioso e ainda continua a nos apresentar ao Pai como sua conquista! Isso é o que fascinou M. Cabrini: pertencer a Deus, ser dele, a razão de sua glória.— Existem muitas expressões que encontramos em seus escritos nos Pensamentos e Propósitos, demonstrando isso, como na página 168 e na página 172 repete: “Sou toda tua, sou vítima do teu Divino Coração”; “Fazei de mim, Jesus, o que quiserdes, eu sou vossa, toda vossa. “… .- Essas verdades, como todas as verdades dos Evangelhos, tornaram forte e grande sua fé, ela acreditou na existência Dele, entregou-se a ele, consagrou-se a ele e por ele entregou sua vida na missão. -: “Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração”; ela aprendeu e seguiu fielmente seus passos, identificado com ele, seguindo-o em tudo. – Então, quando Jesus disse: “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. “- [Mt. 16:15] M. Cabrini compreendeu e disse: “o mundo é pequeno demais e as Missionárias do Sagrado Coração são internacionais”. [Entre uma onda e outra, pag. 21].


A Educação do Coração Expande nossa Esfera de Ação!
4 de julho de 1899 Madre Cabrini escrevia: “Jesus, está expandindo cada vez mais a nossa esfera de atuação e nos oferecendo novos trabalhos todos os dias, nos quais vós sabeis que o meu coração corre a toda velocidade, porque gostaria de abraçar o mundo inteiro”. [Epistolário, Volume 3, pag. 325]. – Jesus disse: “Vinde a mim, todos vós que estais cansados e oprimidos e eu vos darei descanso” [Mt 11,28] e curava os doentes: o paralítico, o cego, o mudo, o surdo, o endemoniado… E M. Cabrini fundou hospitais, centros de restabelecimento de saúde [ambulatórios] – vol. 5, pág 563 – Jesus disse: “deixai vir a mim as criancinhas” e M. Cabrini fundou os orfanatos, verdadeiras e apropriadas casas com todos os cuidados necessários para as crianças; – Jesus reintegrou na sociedade os leprosos, os estrangeiros, aqueles que estavam separados legalmente … e M. Cabrini acolheu milhares de imigrantes, acolheu-os dignamente e os reintegrou no mundo do trabalho, da sociedade, da religião e não esqueceu as minorias, os detentos e aqueles que sofriam outros tipos de marginalização. – Jesus perdoou a adúltera, entreteve-se com a samaritana e, através dela reconheceu a dignidade das mulheres, tornando-a a primeira anunciadora da ressurreição; M. Cabrini, lutou pela melhoria e reconhecimento das mulheres. Para elevar seu status social como trabalhadoras, fundou escolas profissionais e outras para várias profissões de níveis superiores, convencida, como esperava, de escrever para as alunas do Magisterium, de Los Angeles, em 28/12/1916  [Vol.5 pag.575] … “e voltarão para suas famílias com seu diploma e louvor merecidos por muitos estudos e trabalhos, que as tornarão capazes de posições muito importantes na sociedade”. – Jesus privilegiou a multidão faminta de pão e da Palavra de Deus e, muitas vezes, instruiu-a com parábolas, dando a conhecer a mensagem do Pai; e M. Cabrini criou dezenas de escolas, para todos os níveis sociais, porque, para ela, “Educar era Evangelizar”; escolas abertas a todos; escreveu às Irmãs do Panamá: “Aqui há espaço para todos, judeus ou protestantes, a diferença de religião não é um obstáculo, apenas que eles devem observar as regras em tudo, para que não haja diferenças, exceto os sacramentos”.

Estes fatos e toda a vida de Jesus fizeram bater forte o coração de M. Cabrini e o seu coração amável estabeleceu um pacto de fidelidade e de amor esponsal com o seu Deus; ela escreve em P&P, páginas 183/4, entre uma frase e outra: “todo aceno do esposo é uma lei para a alma amorosa, que parece ter asas nos pés para voar aonde o esposo quiser. Oh, como se está bem perto de Jesus! … e que alegria, a alma amorosa é capaz de antecipar seus desejos … Ponde, ó Jesus amado, como um selo amoroso no coração de vossa esposa e em seu braço, que nunca se apoie em ninguém a não ser em Vós … Todos os seus pensamentos sejam dirigidos a vós, todas as obras, palavras, sofrimentos, delícias, prazeres, tudo, tudo seja para Vós”.  

Os evangelhos narram a Misericórdia do Pai revelada por Jesus nas Parábolas: a ovelha perdida, o bom Samaritano, o filho pródigo; e M. Cabrini aprendeu a olhar com misericórdia os demoníacos, os ignorantes, os incrédulos, aqueles que a vida os fizeram esquecer ou negar Jesus e até suas próprias religiosas quando algumas delas transgrediram alguma regra ou até desistiram de seus votos. Perdoar … se Jesus perdoou o bom ladrão na cruz …, como poderia eu não perdoar? “Oh Jesus, Jesus … tornai meu coração tão grande quanto o universo e sempre dê novo ímpeto ao meu espírito, para que  possa amá-lo, se não o que vós mereceis, pelo menos um pouco menos indigno” .- [P&P pag. 146] “porque eu quero fazer tudo ardente e velozmente”.


O encorajamento da Madre Cabrini para educar nossos corações e os corações dos outros
Assim, M. Cabrini tornava real tudo isto: “Coração de Jesus, fazei que o meu coração seja semelhante ao vosso”: – Ela o educou em grau de dizer: “Encontre aquela alegria inefável que flui em vosso coração como deliciosas torrentes” [P&P pag 144]. Estas profundas experiências pessoais, de alguma forma, impregnaram toda a sua obra missionária, mesmo quando propunha a “Educação do Coração” – em primeiro ligar na forma de relacionar-se com os outros, sobretudo, com aqueles que educamos – recordemos algumas se suas recomendações, além da “Carta às Professoras”.

Dizia : “Antes de tudo educar o próprio coração”; “Estejais atenta a vós mesmas, guardai-vos o coração” [Vol 4, pag 245]. – alma silenciosa… atenta aos seus deveres, vigilante sobre si mesma, sobre os movimentos do coração, é prudente, sensível, goza a paz e colabora para que outras também a gozem … [Vol 3, pag 661]. – “fazei o exame das afeições do coração “. [Vol.1, pag.400] .- [As religiosas tinham que fazer esse exame de consciência todos os dias] .- Outras advertências: “e vós comandais com muita virtude, e não com autoridade” [Vol.2, pag.540] . . “Se tiverdes usado o coração da mãe com NN., nada teria acontecido …”. “Com a mesma rapidez que se conquista um coração, também o perde” [Vol.1 Pag.512]. – “por um lindo discurso dirigido às meninas tão adequado às suas necessidades, forma corretamente seu coração e torna-o digno do adorável Jesus; para isso deve então aperfeiçoá-las” [Vol.1 Pag.47].-” O objetivo que os professores devem propor não é tanto embelezar o espírito de seus alunos com o conhecimento humano, mas moldar seu coração ao amor à religião, à prática da virtude – “.- [Carta aos professores].

Essas expressões e muitas outras se encontram em seus escritos, entre os quais: os Manuscritos; as Exortações, a Estrela da Manhã; As Cartas às Professoras e para cada função das religiosas; e as centenas de cartas endereçadas às suas “filhas”, como chamava as suas religiosas; tudo uma contribuição muito preciosa que está na base da sua Educação do Coração”.

Poderíamos resumir estes escritos da seguinte forma:

  • Antes de tudo, o neonato, a criança, o adolescente e cada pessoa, tem necessidade de ser amada;  ver exemplos de vida.
  • Fazê-los reconhecer a própria dignidade: a sua vida é um dom e um ato de amor pessoal de Deus, para glorificá-Lo e ser feliz para sempre.
  • O amor como ato da vontade.
  • Educá-los para os valores:
  • Religiosos – frutos da Fé que professamos.                                                                             
    • Humanos: ética, respeito, gentileza, solidariedade, equidade, responsabilidade, entre os outros;
    • Família: pertença, compromisso, comunicação, empatia, autoestima, otimismo, amor, gratidão,…
    • Social: justiça, liberdade, tolerância, humildade, honestidade, patriotismo,…
    • O amor e o cuidado com a natureza, o patrimônio cultural, as tradições familiares e patriotas, o cultivo das belas artes, a grandeza e a beleza que Deus Criador concedeu à humanidade.

Madre Cabrini não esqueceu, nesta “educação do coração” uma orientação aos impulsos primários, assim como indicado no ponto 5 da Carta aos Professores e às páginas 342/343 do livro “Entre uma onda e outra”, que sancionam a sobrevivência e a defesa da vida.

Este é apenas uma pequena mostra de sua excelente capacidade de educar e, embora seja necessário levar em consideração sua vocação para ensinar e seus estudos de aperfeiçoamento, é por excelência sua capacidade de amar que a levou a fazer grandes coisas – uma capacidade extraída do Coração de Cristo, com o qual ela se identificou – do qual nasceu seu grande ideal: “buscar a glória do Coração de Jesus, tornando-o conhecido e amado por todos os povos”. E se Jesus não quis fazer isso sozinho,  chamando os Doze apóstolos, ela, sentindo-se fortemente missionária, também convidou outras e outros a acompanhá-la e continua a chamá-las/os para levar adiante esta maravilhosa aventura de viver e ensinar o amor.

Eu sou Hermana Flora, Agnes do Batismo. Nasci em Perez, Argentina, em 1928, em uma grande família católica, para a qual agradeço a Deus, também pela unidade de minha família que acredito ser um privilégio. Entrei neste belo Instituto em 1947 e recebi minha primeira formação no Rio de Janeiro, Brasil. Tenho uma memória agradável e especial para essa comunidade.
Sou professor, e essa foi geralmente minha atividade, o que me deu a oportunidade de aprender mais do que ensinar, numa relação permanente com a vitalidade, riqueza e criatividade de tantas meninas e adolescentes. Outra situação que vivi intensamente foi um dom para “alargar meu coração” (como diz Madre Cabrini) quando conheci tantas de nossas irmãs, cheias de fervor pelo Sagrado Coração e pela obra missionária tão rica em seus múltiplos apostolados.
Agora, nestes últimos anos, tenho a oportunidade de ler e reler os valiosos escritos de Madre Cabrini, em particular os milhares de cartas dos cinco volumes. Eles são cheios de vida, dinamismo, sabedoria, entusiasmo e dedicação ao Reino. Mostram um exemplo de uma mulher emancipada em uma sociedade onde as mulheres nem sequer eram consideradas; uma grande santa apaixonada pelo Coração de Jesus, por Sua glória e pela salvação de todos, fazendo-o “ardentemente e rapidamente”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *