February 8, 2022

~ Office of Justice and Peace; Catholic Online

The Catholic Church celebrates the feast day of St. Josephine Bakhita on the 8th of February each year, her life was a journey from slavery to freedom and faith. The patron saint of Sudan, her life story inspires hope in the face of modern day indifference and exploitation.

As Pope Francis states: “She is charged with showing to all the path to conversion, which enables us to change the way we see our neighbors, to recognize in every other person a brother or sister in our human family and to acknowledge his or her intrinsic dignity in truth and freedom. This saint, who lived at the turn of the twentieth century, is even today an exemplary witness of hope for the many victims of slavery; she can support the efforts of all those committed to fighting against this ‘open wound on the body of contemporary society.’” Pope Francis on the Celebration of the World Day of Peace 2015

Saint Josephine Margaret Bakhita was born around 1869 in the Darfur region of Sudan. She was a member of the Daju people and her uncle was a tribal chief. Due to her family lineage, she grew up happy and relatively prosperous, saying that as a child, she did not know suffering.

Historians believe that sometime in February 1877, Josephine was kidnapped by Arab slave traders. Although she was just a child she was forced to walk barefoot over 600 miles to a slave market. She was bought and sold at least twice during the grueling journey.

For the next 12 years she would be bought and sold and given away over a dozen times. She spent so much time in captivity that she forgot her original name.

As a slave, she was treated cruelly by several owners. Then, she was sold to the Italian Vice Consul, Callisto Legani. He was kind to her. When it was time for him to return to Italy, she begged to be taken with him and he agreed.

After a long journey back to Italy, Legani gave her away to another family as a gift and she served them as a nanny. This new family had dealings in Sudan and when her mistress decided to travel to Sudan without Josephine, she placed her in the custody of the Canossian Sisters in Venice. While with the Sisters she came to know about God.

When the mistress returned from Sudan, Josephine refused to leave the Sisters. This caused the Superior of the Institute for baptismal candidates among the sisters to complain to Italian authorities on Josephine’s behalf.

The case went to court, and the court found that slavery had been outlawed in Sudan before Josephine was born, so she could not be lawfully made a slave. She was declared free.

For the first time in her life, Josephine was free and could choose her own path. She chose to remain with the Canossian Sisters.

She was baptized in 1890 and three years later became a novice with the Canossian Daughters of Charity and took her final vows in 1896. For the next 42 years, she worked as a cook and doorkeeper at the convent. She was known for her gentle voice and smile.

She died on February 8, 1947. She was canonized by Saint Pope John Paul II on October 1, 2000. She is the patron saint of Sudan.

This Day of Prayer is held on February 8th each year. In addition to prayer, the day is a call to action:

“Our awareness must expand and extend to the very depths of this evil and its farthest reaches…from awareness to prayer…from prayer to solidarity…and from solidarity to concerted action, until slavery and trafficking are no more,” says Cardinal Peter Turkson.

In this sense another goal of the day is to encourage people to act and to take concrete steps to help eradicate slavery and trafficking. Indeed, an essential part of freedom is our ongoing effort to ensure it is woven into the fabric of our society.

What You Need to Know about Trafficking

More than 21 years ago, the Trafficking Victims Protection Act (TVPA) of 2000 enshrined the United States commitment to combating human trafficking domestically and internationally.

President Joe Biden recently proclaimed January as National Human Trafficking Prevention Month. The president called upon “businesses, civil society organizations, communities of faith, families, and all Americans to recognize the vital role we play in combating human trafficking.”

Current statistics show that $99 billion per year is made from sex trafficking.

· 4.5 million people worldwide are victims of forced sexual exploitation.

· 51 billion per year from the use of forced labor.

· 21 million people worldwide are now victims of forced labor.

· 1 in 6 endangered runaways in the United States are likely to be victims of sex trafficking.

If you ever find yourself needing to report incidents of suspected human trafficking, the United States National Human Trafficking Hotline can be reached 24/7 and has access to over 200 languages through a tele-interpreting service at 1-888-373-7888 or by texting “BeFree” to 233733. Every report to the United States National Human Trafficking Hotline is referred to the appropriate law enforcement agencies for investigation.

~ submitted by Karol Brewer, Cabrini Action and Advocacy Coalition

A statue of Saint Josephine Bakhita, the patron of human trafficking victims, will be placed in St. Peter’s Square at the Vatican.

The bronze sculpture, a piece by Catholic artist Timothy P. Schmalz, is dedicated to trafficking victims and to all women, especially the religious sisters who work to free women from modern day slavery.

The artwork depicts the saint, herself once a slave, freeing a mass of people from underground. It will arrive at the Vatican ahead of the International Day of Prayer and Awareness Against Human Trafficking on February 8.


La Iglesia católica celebra el 8 de febrero de cada año la fiesta de Santa Josefina Bakhita, cuya vida fue un viaje de la esclavitud a la libertad y la fe. Patrona de Sudán, la historia de su vida inspira esperanza frente a la indiferencia y la explotación actuales.

Como afirma el Papa Francisco: “Ella es la encargada de mostrar a todos el camino de la conversión, que nos permite cambiar el modo de ver a nuestro prójimo, reconocer en cada otra persona un hermano o hermana de nuestra familia humana y reconocer su dignidad intrínseca en la verdad y la libertad”. Esta santa, que vivió a principios del siglo XX, es aún hoy un testimonio ejemplar de esperanza para las numerosas víctimas de la esclavitud; puede apoyar los esfuerzos de todos los que se comprometen a luchar contra esta “herida abierta en el cuerpo de la sociedad contemporánea”.” Papa Francisco en la celebración de la Jornada Mundial de la Paz 2015

Santa Josefina Margarita Bakhita nació hacia 1869 en la región de Darfur, en Sudán. Pertenecía al pueblo Daju y su tío era un jefe tribal. Debido a su linaje familiar, creció feliz y relativamente próspera, y dice que de niña no conoció el sufrimiento.

Los historiadores creen que en algún momento de febrero de 1877, Josefina fue secuestrada por traficantes de esclavos árabes. Aunque era sólo una niña, la obligaron a caminar descalza más de 600 millas hasta un mercado de esclavos. Fue comprada y vendida al menos dos veces durante el agotador viaje.

Durante los siguientes 12 años fue comprada y vendida y entregada más de una docena de veces. Pasó tanto tiempo en cautividad que olvidó su nombre original.

Como esclava, fue tratada cruelmente por varios propietarios. Luego fue vendida al vicecónsul italiano Callisto Legani. Éste fue amable con ella. Cuando llegó el momento de regresar a Italia, ella le rogó que la llevara con él y éste accedió.

Tras un largo viaje de vuelta a Italia, Legani la regaló a otra familia y ella les sirvió de niñera. Esta nueva familia tenía negocios en Sudán y cuando su amante decidió viajar a Sudán sin Josefina, la puso bajo la custodia de las Hermanas Canosianas de Venecia. Mientras estuvo con las hermanas, conoció a Dios.

Cuando la señora regresó de Sudán, Josefina se negó a dejar a las Hermanas. Esto provocó que la superiora del Instituto de candidatas al bautismo de las hermanas se quejara ante las autoridades italianas en nombre de Josefina.

El caso llegó a los tribunales y éstos determinaron que la esclavitud había sido prohibida en Sudán antes de que Josefina naciera, por lo que no podía ser convertida legalmente en esclava. Fue declarada libre.

Por primera vez en su vida, Josephine era libre y podía elegir su propio camino. Eligió quedarse con las Hermanas Canosianas.

Se bautiza en 1890 y, tres años más tarde, se convierte en novicia de las Hijas de la Caridad canosianas y emite sus votos perpetuos en 1896. Durante los siguientes 42 años, trabajó como cocinera y portera en el convento. Era conocida por su voz suave y su sonrisa.

Murió el 8 de febrero de 1947. Fue canonizada por el Papa Juan Pablo II el 1 de octubre de 2000. Es la patrona de Sudán.

Esta Jornada de Oración se celebra el 8 de febrero de cada año. Además de la oración, el día es una llamada a la acción:

“Nuestra conciencia debe ampliarse y extenderse hasta las profundidades de este mal y sus alcances más lejanos… de la conciencia a la oración… de la oración a la solidaridad… y de la solidaridad a la acción concertada, hasta que la esclavitud y la trata de personas desaparezcan”, dice el cardenal Peter Turkson.

En este sentido, otro de los objetivos del día es animar a la gente a actuar y dar pasos concretos para ayudar a erradicar la esclavitud y la trata. De hecho, una parte esencial de la libertad es nuestro esfuerzo continuo para garantizar que se entreteja en el tejido de nuestra sociedad.

Lo que hay que saber sobre la trata

Hace más de 21 años, la Ley de Protección de las Víctimas de la Trata (TVPA) de 2000 consagró el compromiso de Estados Unidos de combatir la trata de personas a nivel nacional e internacional.

El presidente Joe Biden proclamó recientemente el mes de enero como el Mes Nacional de la Prevención de la Trata de Personas. El presidente hizo un llamamiento a “las empresas, las organizaciones de la sociedad civil, las comunidades religiosas, las familias y todos los estadounidenses para que reconozcan el papel vital que desempeñamos en la lucha contra la trata de personas”.

Las estadísticas actuales muestran que se obtienen 99.000 millones de dólares al año gracias al tráfico sexual.

  • 4,5 millones de personas en todo el mundo son víctimas de la explotación sexual forzada.
  • 51.000 millones de dólares al año por el uso de trabajos forzados.
  • 21 millones de personas en todo el mundo son víctimas de trabajos forzados.
  • 1 de cada 6 fugitivos en peligro de extinción en Estados Unidos es probable que sea víctima del tráfico sexual.

Si alguna vez necesita denunciar incidentes de sospecha de trata de personas, puede llamar a la Línea Nacional de Trata de Personas de los Estados Unidos las 24 horas del día, los 7 días de la semana, y tiene acceso a más de 200 idiomas a través de un servicio de teleinterpretación en el número 1-888-373-7888 o enviando un mensaje de texto “BeFree” al 233733. Todas las denuncias presentadas a la Línea Nacional de Trata de Seres Humanos de Estados Unidos se remiten a los organismos policiales competentes para su investigación.

~ Presentado por Karol Brewer, Cabrini Action and Advocacy Coalition

Una estatua de Santa Josefina Bakhita, patrona de las víctimas de la trata de personas, será colocada en la Plaza de San Pedro del Vaticano.
La escultura de bronce, obra del artista católico Timothy P. Schmalz, está dedicada a las víctimas de la trata y a todas las mujeres, especialmente a las religiosas que trabajan para liberar a las mujeres de la esclavitud moderna.

La obra representa a la santa, que en su día fue esclava, liberando a una masa de personas de la clandestinidad. Llegará al Vaticano antes del Día Internacional de Oración y Concienciación contra la Trata de Personas, el 8 de febrero.


La Chiesa cattolica celebra la festa di Santa Giuseppina Bakhita l’8 febbraio di ogni anno, la sua vita fu un viaggio dalla schiavitù alla libertà e alla fede. Patrona del Sudan, la storia della sua vita ispira speranza di fronte all’indifferenza e allo sfruttamento dei giorni nostri.

Come afferma Papa Francesco: “Lei ha il compito di mostrare a tutti la via della conversione, che ci permette di cambiare il modo in cui vediamo il nostro prossimo, di riconoscere in ogni altra persona un fratello o una sorella nella nostra famiglia umana e di riconoscere la sua intrinseca dignità nella verità e nella libertà. Questa santa, vissuta a cavallo del ventesimo secolo, è ancora oggi una testimone esemplare di speranza per le tante vittime della schiavitù; può sostenere gli sforzi di tutti coloro che sono impegnati a lottare contro questa “ferita aperta sul corpo della società contemporanea””.

Papa Francesco sulla celebrazione della Giornata Mondiale della Pace 2015

Santa Giuseppina Margherita Bakhita è nata intorno al 1869 nella regione sudanese del Darfur. Era un membro del popolo Daju e suo zio era un capo tribale. Grazie al suo lignaggio familiare, crebbe felice e relativamente prospera, dicendo che da bambina non conosceva la sofferenza.

Gli storici ritengono che nel febbraio del 1877 Josephine sia stata rapita da mercanti di schiavi arabi. Sebbene fosse solo una bambina, fu costretta a camminare a piedi nudi per oltre 600 miglia verso un mercato di schiavi. Fu comprata e venduta almeno due volte durante l’estenuante viaggio.

Per i successivi 12 anni sarebbe stata comprata e venduta e data via più di una dozzina di volte. Passò così tanto tempo in cattività che dimenticò il suo nome originale.

Come schiava, fu trattata crudelmente da diversi proprietari. Poi, fu venduta al vice console italiano, Callisto Legani. Lui fu gentile con lei. Quando fu il momento di tornare in Italia, lei supplicò di essere portata con lui e lui accettò.

Dopo un lungo viaggio di ritorno in Italia, Legani la regalò ad un’altra famiglia e lei li servì come bambinaia. Questa nuova famiglia aveva rapporti con il Sudan e quando la sua padrona decise di andare in Sudan senza Giuseppina, la affidò alla custodia delle Suore Canossiane a Venezia. Mentre era con le Sorelle venne a conoscenza di Dio.

Quando la padrona tornò dal Sudan, Giuseppina si rifiutò di lasciare le Suore. Questo fece sì che la superiora dell’Istituto per le candidate al battesimo tra le suore si lamentasse con le autorità italiane per conto di Giuseppina.

Il caso andò in tribunale, e il tribunale trovò che la schiavitù era stata messa fuori legge in Sudan prima che Giuseppina nascesse, quindi lei non poteva essere resa legalmente schiava. Fu dichiarata libera.

Per la prima volta nella sua vita, Josephine era libera e poteva scegliere la sua strada. Scelse di rimanere con le Suore Canossiane.

Fu battezzata nel 1890 e tre anni dopo divenne novizia presso le Figlie della Carità Canossiane e prese i voti finali nel 1896. Per i successivi 42 anni, lavorò come cuoca e portinaia al convento. Era conosciuta per la sua voce gentile e il suo sorriso.

Morì l’8 febbraio 1947. Fu canonizzata da Papa Giovanni Paolo II il 1° ottobre 2000. È la patrona del Sudan.

Questa giornata di preghiera si tiene l’8 febbraio di ogni anno. Oltre alla preghiera, la giornata è una chiamata all’azione:

“La nostra consapevolezza deve espandersi ed estendersi fino alle profondità di questo male e ai suoi estremi… dalla consapevolezza alla preghiera… dalla preghiera alla solidarietà… e dalla solidarietà all’azione concertata, finché la schiavitù e la tratta non siano più”, dice il cardinale Peter Turkson.

In questo senso un altro obiettivo della giornata è quello di incoraggiare le persone ad agire e a fare passi concreti per aiutare a sradicare la schiavitù e la tratta. Infatti, una parte essenziale della libertà è il nostro sforzo continuo per garantire che sia intessuta nel tessuto della nostra società.

Cosa c’è da sapere sulla tratta

Più di 21 anni fa, il Trafficking Victims Protection Act (TVPA) del 2000 ha sancito l’impegno degli Stati Uniti a combattere il traffico di esseri umani a livello nazionale e internazionale.

Il presidente Joe Biden ha recentemente proclamato gennaio come mese nazionale di prevenzione del traffico di esseri umani. Il presidente ha invitato “le imprese, le organizzazioni della società civile, le comunità di fede, le famiglie e tutti gli americani a riconoscere il ruolo vitale che abbiamo nel combattere il traffico di esseri umani”.

Le statistiche attuali mostrano che 99 miliardi di dollari all’anno sono ricavati dal traffico di sesso.

  • 4,5 milioni di persone nel mondo sono vittime di sfruttamento sessuale forzato.
  • 51 miliardi di dollari all’anno dall’uso del lavoro forzato.
  • 21 milioni di persone in tutto il mondo sono vittime del lavoro forzato.
  • 1 su 6 fuggitivi in pericolo negli Stati Uniti sono probabilmente vittime del traffico sessuale.

Se hai bisogno di segnalare episodi di sospetto traffico di esseri umani, la United States National Human Trafficking Hotline può essere raggiunta 24/7 e ha accesso a più di 200 lingue attraverso un servizio di tele-interpretazione al numero 1-888-373-7888 o inviando un messaggio “BeFree” al 233733. Ogni segnalazione alla United States National Human Trafficking Hotline viene inoltrata alle forze dell’ordine competenti per le indagini.

~ presentato da Karol Brewer, Cabrini Action and Advocacy Coalition

Una statua di Santa Giuseppina Bakhita, patrona delle vittime del traffico di esseri umani, sarà collocata in Piazza San Pietro in Vaticano.
La scultura in bronzo, opera dell’artista cattolico Timothy P. Schmalz, è dedicata alle vittime della tratta e a tutte le donne, specialmente alle suore religiose che lavorano per liberare le donne dalla schiavitù moderna.
L’opera d’arte raffigura la santa, lei stessa una volta schiava, che libera una massa di persone dalla clandestinità. Arriverà in Vaticano in vista della Giornata internazionale di preghiera e sensibilizzazione contro la tratta di esseri umani l’8 febbraio.


A Igreja Católica celebra a festa de Santa Josefina Bakhita no dia 8 de fevereiro de cada ano, sua vida foi uma viagem da escravidão à liberdade e à fé. A padroeira do Sudão, sua história de vida inspira esperança diante da indiferença e exploração dos dias modernos.

Como afirma o Papa Francisco: “Ela é encarregada de mostrar a todos o caminho da conversão, que nos permite mudar a maneira como vemos nossos vizinhos, reconhecer em cada outra pessoa um irmão ou irmã em nossa família humana e reconhecer sua dignidade intrínseca na verdade e na liberdade”. Esta santa, que viveu na virada do século XX, é ainda hoje uma testemunha exemplar de esperança para as muitas vítimas da escravidão; ela pode apoiar os esforços de todos aqueles empenhados em lutar contra esta ‘ferida aberta no corpo da sociedade contemporânea'”.

Papa Francisco na Celebração do Dia Mundial da Paz de 2015

Santa Josefina Margaret Bakhita nasceu por volta de 1869, na região de Darfur, Sudão. Ela era membro do povo Daju e seu tio era um chefe tribal. Devido à sua linhagem familiar, ela cresceu feliz e relativamente próspera, dizendo que quando criança, ela não conhecia o sofrimento.

Os historiadores acreditam que, em fevereiro de 1877, Josephine foi raptada por comerciantes de escravos árabes. Embora fosse apenas uma criança, ela foi forçada a caminhar descalça mais de 600 milhas até um mercado de escravos. Ela foi comprada e vendida pelo menos duas vezes durante a jornada cansativa.

Durante os 12 anos seguintes, ela seria comprada e vendida e doada mais de uma dúzia de vezes. Ela passava tanto tempo em cativeiro que se esqueceu de seu nome original.

Como escrava, ela foi tratada cruelmente por vários proprietários. Depois, foi vendida ao vice-cônsul italiano, Callisto Legani. Ele foi gentil com ela. Quando chegou a hora de ele voltar à Itália, ela implorou para ser levada com ele e ele concordou.

Após uma longa viagem de volta à Itália, Legani a deu de presente a outra família e ela a serviu como babá. Esta nova família tinha negócios no Sudão e quando sua amante decidiu viajar para o Sudão sem Josefina, ela a colocou sob a custódia das Irmãs Canossianas em Veneza. Enquanto estava com as Irmãs, ela veio a saber de Deus.

Quando a amante voltou do Sudão, Josefina recusou-se a deixar as Irmãs. Isto fez com que a superiora do Instituto para candidatos ao batismo entre as irmãs se queixasse às autoridades italianas em nome de Josefina.

O caso foi a tribunal, e o tribunal considerou que a escravidão havia sido proibida no Sudão antes do nascimento de Josefina, de modo que ela não podia ser legalmente transformada em escrava. Ela foi declarada livre.

Pela primeira vez em sua vida, Josefina foi livre e pôde escolher seu próprio caminho. Ela escolheu permanecer com as Irmãs Canossianas.

Ela foi batizada em 1890 e três anos depois tornou-se uma noviça com as Filhas Canossianas da Caridade e fez seus votos perpétuos em 1896. Nos 42 anos seguintes, ela trabalhou como cozinheira e porteira no convento. Ela era conhecida por sua voz suave e seu sorriso.

Ela morreu em 8 de fevereiro de 1947. Ela foi canonizada por São João Paulo II em 1º de outubro de 2000. Ela é a santa padroeira do Sudão.

Este Dia de Oração é celebrado no dia 8 de fevereiro de cada ano. Além da oração, o dia é um chamado à ação:

“Nossa consciência deve se expandir e se estender até as profundezas deste mal e seu alcance mais distante…da consciência à oração…da oração à solidariedade…e da solidariedade à ação concertada, até que a escravidão e o tráfico não sejam mais”, diz o Cardeal Peter Turkson.

Neste sentido, outro objetivo do dia é encorajar as pessoas a agir e tomar medidas concretas para ajudar a erradicar a escravidão e o tráfico. De fato, uma parte essencial da liberdade é nosso esforço contínuo para assegurar que ela seja tecida no tecido de nossa sociedade.

O que você precisa saber sobre o tráfico de pessoas

Há mais de 21 anos, a Lei de Proteção às Vítimas de Tráfico (TVPA) de 2000 consagrou o compromisso dos Estados Unidos de combater o tráfico humano nacional e internacional.

O Presidente Joe Biden proclamou recentemente janeiro como o Mês Nacional de Prevenção do Tráfico de Pessoas. O presidente apelou para “empresas, organizações da sociedade civil, comunidades de fé, famílias e todos os americanos a reconhecerem o papel vital que desempenhamos no combate ao tráfico de pessoas”.

As estatísticas atuais mostram que 99 bilhões de dólares por ano são feitos a partir do tráfico sexual.

  • 4,5 milhões de pessoas em todo o mundo são vítimas de exploração sexual forçada.
  • 51 bilhões por ano devido ao uso de trabalho forçado.
  • 21 milhões de pessoas em todo o mundo são agora vítimas de trabalho forçado.
  • 1 em cada 6 fugitivos em perigo nos Estados Unidos são provavelmente vítimas de tráfico sexual.

Se alguma vez você se deparar com a necessidade de relatar incidentes de suspeita de tráfico humano, a Linha Direta Nacional de Tráfico Humano dos Estados Unidos pode ser contatada 24/7 e tem acesso a mais de 200 idiomas através de um serviço de tele-interpretação no número 1-888-373-7888 ou enviando uma mensagem de texto “BeFree” para 233733. Cada relatório para a Linha Direta Nacional de Tráfico de Seres Humanos dos Estados Unidos é encaminhado para as agências de aplicação da lei apropriadas para investigação.

~ apresentado por Karol Brewer, Cabrini Action and Advocacy Coalition

Uma estátua de Santa Josefina Bakhita, padroeira das vítimas do tráfico humano, será colocada na Praça de São Pedro, no Vaticano.
A escultura de bronze, uma peça do artista católico Timothy P. Schmalz, é dedicada às vítimas do tráfico e a todas as mulheres, especialmente as irmãs religiosas que trabalham para libertar as mulheres da escravidão dos tempos modernos.
A obra de arte retrata a santa, ela mesma uma vez escrava, libertando uma massa de pessoas da clandestinidade. Ela chegará ao Vaticano antes do Dia Internacional de Oração e Conscientização contra o Tráfico de Pessoas, em 8 de fevereiro.

Leave a Reply

Your email address will not be published.