What is your role in HSR?
I am so honored to talk about my job, and the love I have for Cabrini Ministries Swaziland (Cabrini)! My
name is Sharon Singleton. I was born and have lived my whole life in Swaziland, and worked for many
years as a teacher.

How did you meet the MSCs?
In 2010, I met a sister named Sr. Mary Jane, with whom we had been collaborating in education,
including workshops. I became close to her and she informed me about Cabrini, particularly because of
my background as a child growing up in an orphanage. I had the love and dreams to work with such
children. Possibly, my longing was to correct or fix what I thought could be fixed; so that, in knowing
what happened to me growing up, I could make other children’s lives better. Later, Sr. Mary Jane and I
made a few visits to Cabrini. I put in my application, as at that time, Cabrini needed somebody in their
Childcare Department. So that is how I started working with the MSCs.
Since 2010, what I have experienced being close to this organization, is the devotion, dedication and the love they have
for the people. There is a community outreach program, and it is not only one part of a person’s need that is dealt with. Rather, they work with the person as a whole. Children are cared for academically, medically, socially and emotionally, helping and providing for them according to their needs. Through the experience of working with Sr. Barbara and Sr. Diane, I learned to work holistically, fully committed to God’s work, following
Mother Cabrini’s example with the MSCs in Swaziland. When I started at Cabrini, the Holy Spirit Region didn’t yet exist. Later, I got to meet MSCs from other parts of the Region, including Ethiopia, such as Sr. Addise and others. I found their dedication and commitment awesome.

What is your dreams for with the HSR?
My dream for the Holy Spirit Region is to never lose sight of the work that was begun by Mother Cabrini:
following in the footsteps of Jesus, whether across the whole world, the Region or places that she
touched. May we in the Holy Spirit Region never lose focus, but always continue to work with dedication
and love!
What do you hope for the future?
I wish we could grow in Early Childhood Development (ECD). I see in Ethiopia they are doing ECD, and
here in Swaziland, we also started an ECD program, which is where I work. I wish that it would grow
strong because that is the generation who are going forward. If we can nurture, love and teach them
from that young age, we are going far, because we will be building the nation, and putting family in
place. Because of the early teaching, children begin to learn a strong foundation.


Anything else what you would like to share with us?
I would like to encourage the Sisters and lay people in the Holy Spirit Region. Don’t lose the focus, keep
going! As we are working, we are living in hard times, times of Covid-19. But we Swazis went through
the AIDS crisis. Even now, in the time of Covid-19, we are working, persevering and showing love to the
people. We hope that Covid-19 will stop spreading and we can treat people as we did before! AMEN!


¿Cuál es su función en HSR?
Es un gran honor hablar de mi trabajo y del amor que siento por Cabrini Ministries Swaziland (Cabrini). Mi nombre es Sharon Singleton. Nací y he vivido toda mi vida en Suazilandia, y trabajé durante muchos años como profesora.

¿Cómo conoció a los MSC?

En 2010, conocí a una hermana llamada Hna. Mary Jane, con la que habíamos estado colaborando en la educación, incluyendo talleres. Me hice amiga de ella y me informó sobre Cabrini, sobre todo por mis antecedentes como niña que creció en un orfanato. Tenía el amor y los sueños de trabajar con esos niños. Posiblemente, mi anhelo era corregir o arreglar lo que creía que se podía arreglar; de modo que, al saber lo que me había sucedido cuando crecía, pudiera mejorar la vida de otros niños. Más tarde, la Hna. Mary Jane y yo hicimos algunas visitas a Cabrini. Presenté mi solicitud, ya que en ese momento Cabrini necesitaba a alguien en su Departamento de Atención a la Infancia. Así es como empecé a trabajar con los MSC. Desde 2010, lo que he experimentado al estar cerca de esta organización, es la devoción, la dedicación y el amor que tienen por la gente. Hay un programa de acercamiento a la comunidad, y no sólo se trata una parte de la necesidad de la persona. Más bien, trabajan con la persona en su totalidad. Se atiende a los niños desde el punto de vista académico, médico, social y emocional, ayudándolos y atendiéndolos según sus necesidades. A través de la experiencia de trabajar con la Hna. Bárbara y la Hna. Diane, aprendí a trabajar de forma holística, totalmente comprometida con la obra de Dios, siguiendo el ejemplo de la Madre Cabrini con los MSC en Suazilandia. Cuando empecé en Cabrini, la Región del Espíritu Santo aún no existía. Más tarde, pude conocer a las MSC de otras partes de la Región, incluida Etiopía, como la Hna. Addise y otras. Su dedicación y compromiso me parecieron impresionantes.

¿Cuál es su sueño con la RSH?
Mi sueño para la Región del Espíritu Santo es no perder nunca de vista el trabajo que comenzó la Madre Cabrini: seguir las huellas de Jesús, ya sea en todo el mundo, en la Región o en los lugares que ella tocó. Que en la Región del Espíritu Santo no perdamos nunca de vista, sino que sigamos trabajando siempre con dedicación y amor.

¿Qué espera para el futuro?
Me gustaría que pudiéramos crecer en el Desarrollo de la Primera Infancia (DPI). Veo que en Etiopía están haciendo DPI, y aquí en Suazilandia también empezamos un programa de DPI, que es donde yo trabajo. Deseo que crezca con fuerza porque es la generación que va a salir adelante. Si somos capaces de educarles, amarles y enseñarles desde tan temprana edad, llegaremos lejos, porque estaremos construyendo la nación y poniendo a la familia en su sitio. Gracias a la enseñanza temprana, los niños comienzan a aprender una base sólida.

¿Algo más que quiera compartir con nosotros?
Me gustaría animar a las Hermanas y a los laicos de la Región del Espíritu Santo. No perdáis el norte, seguid adelante. Como estamos trabajando, vivimos tiempos difíciles, tiempos de Covid-19. Pero los suazis pasamos por la crisis del SIDA. Incluso ahora, en la época de Covid-19, estamos trabajando, perseverando y mostrando amor a la
gente. Esperamos que el Covid-19 deje de propagarse y podamos tratar a la gente como lo hacíamos antes. ¡AMÉN!


Qual è il tuo ruolo in HSR?
Sono così onorata di parlare del mio lavoro, e dell’amore che ho per i Cabrini Ministries Swaziland (Cabrini)! Il mio nome è Sharon Singleton. Sono nata e ho vissuto tutta la mia vita in Swaziland, e ho lavorato per molti anni come insegnante.

Come hai conosciuto le MSC?

Nel 2010, ho incontrato una sorella di nome Sr. Mary Jane, con la quale avevamo collaborato nel campo dell’educazione, compresi i workshop. Mi sono avvicinata a lei e mi ha informato sulla Cabrini, in particolare per il mio background di bambina cresciuta in un orfanotrofio. Avevo l’amore e il sogno di lavorare con quei bambini. Forse il mio desiderio era quello di correggere o aggiustare ciò che pensavo potesse essere aggiustato; in modo che, sapendo cosa mi era successo crescendo, potessi rendere migliore la vita di altri bambini. Più tardi, Sr. Mary Jane ed io facemmo alcune visite a Cabrini. Ho presentato la mia domanda, perché a quel tempo la Cabrini aveva bisogno di qualcuno nel suo dipartimento di assistenza ai bambini. È così che ho iniziato a lavorare con le MSC. Dal 2010, quello che ho sperimentato stando vicino a questa organizzazione, è la devozione, la dedizione e l’amore che hanno per le persone. C’è un programma di assistenza alla comunità, e non si occupa solo di una parte dei bisogni di una persona. Piuttosto, lavorano con la persona nel suo insieme. I bambini sono curati dal punto di vista accademico, medico, sociale ed emotivo, aiutandoli e provvedendo a loro secondo le loro necessità. Attraverso l’esperienza di lavorare con Sr. Barbara e Sr. Diane, ho imparato a lavorare in modo olistico, pienamente impegnata nell’opera di Dio, seguendo l’esempio di Madre Cabrini con le MSC in Swaziland. Quando ho iniziato alla Cabrini, la Regione dello Spirito Santo non esisteva ancora. Più tardi, ho avuto modo di incontrare MSC di altre parti della Regione, compresa l’Etiopia, come Sr. Addise e altre. Ho trovato la loro dedizione e il loro impegno impressionanti.

Quali sono i tuoi sogni per la HSR?
Il mio sogno per la Regione dello Spirito Santo è di non perdere mai di vista l’opera che è stata iniziata da Madre Cabrini: seguire le orme di Gesù, sia in tutto il mondo, sia nella Regione o nei luoghi che lei ha toccato. Che noi della Regione Spirito Santo non perdiamo mai la concentrazione, ma continuiamo sempre a lavorare con dedizione e amore!

Cosa speri per il futuro?
Vorrei che potessimo crescere nello sviluppo della prima infanzia (ECD). Vedo che in Etiopia stanno facendo l’ECD, e anche qui in Swaziland abbiamo iniziato un programma ECD, che è dove lavoro io. Vorrei che crescesse forte perché questa è la generazione che andrà avanti. Se possiamo nutrirli, amarli e insegnare loro fin da piccoli, andremo lontano, perché costruiremo la nazione e metteremo la famiglia al suo posto. Grazie all’insegnamento precoce, i bambini iniziano a imparare una solida base.

C’è qualcos’altro che vorrebbe condividere con noi?
Vorrei incoraggiare le suore e i laici della Regione dello Spirito Santo. Non perdete la concentrazione, continuate a lavorare! Mentre lavoriamo, stiamo vivendo tempi duri, tempi di Covid-19. Ma noi Swazi siamo passati attraverso la crisi dell’AIDS. Anche ora, nel tempo del Covid-19, stiamo lavorando, perseverando e mostrando amore al
popolo. Speriamo che il Covid-19 smetta di diffondersi e che possiamo trattare le persone come facevamo prima! AMEN!


Qual é o seu papel no HSR?
É uma grande honra falar sobre meu trabalho e o amor que tenho pelo Cabrini Ministries Swaziland (Cabrini)! Meu nome é Sharon Singleton. Nasci e vivi toda minha vida na Suazilândia, e trabalhei por muitos anos como professora.

Como você conheceu os MSCs?

Em 2010, conheci uma irmã chamada Ir. Mary Jane, com a qual tínhamos colaborado na educação, inclusive em oficinas. Eu me aproximei dela e ela me informou sobre Cabrini, particularmente por causa de minha formação quando criança, crescendo em um orfanato. Eu tinha o amor e os sonhos de trabalhar com tais crianças. Possivelmente, meu desejo era corrigir ou consertar o que eu achava que poderia ser consertado; para que, ao saber o que aconteceu comigo durante minha infância, eu pudesse melhorar a vida de outras crianças. Mais tarde, a Ir. Mary Jane e eu fizemos algumas visitas a Cabrini. Coloquei em minha aplicação, como naquela época, Cabrini precisava de alguém em seu Departamento de Cuidados infantis. Então foi assim que comecei a trabalhar com os MSCs. Desde 2010, o que tenho vivido perto desta organização, é a devoção, a dedicação e o amor que eles têm pelo povo. Existe um programa de alcance comunitário e não é apenas uma parte da necessidade de uma pessoa que é atendida. Ao contrário, eles trabalham com a pessoa como um todo. As crianças são cuidadas acadêmica, médica, social e emocionalmente, ajudando-as e provendo-as de acordo com suas necessidades. Através da experiência de trabalhar com Ir. Barbara e Ir. Diane, aprendi a trabalhar de forma holística, totalmente comprometida com o trabalho de Deus, seguindo o exemplo de Madre Cabrini com os MSCs na Suazilândia. Quando comecei a trabalhar em Cabrini, a Região do Espírito Santo ainda não existia. Mais tarde, conheci MSCs de outras partes da Região, incluindo a Etiópia, como a Sr. Addise e outras. Achei a dedicação e o compromisso deles fantásticos.

Para que serve seu sonho com o HSR?
Meu sonho para a Região do Espírito Santo é nunca perder de vista o trabalho que foi iniciado por Madre Cabrini: seguir os passos de Jesus, seja em todo o mundo, na Região ou nos lugares que ela tocou. Que nós, na Região do Espírito Santo, nunca percamos o foco, mas continuemos sempre a trabalhar com dedicação e amor!

O que você espera para o futuro?
Gostaria que pudéssemos crescer no Desenvolvimento da Primeira Infância (ECD). Vejo que na Etiópia eles estão fazendo ECD, e aqui na Suazilândia, também começamos um programa de ECD, que é onde eu trabalho. Desejo que ele cresça forte porque é essa a geração que está indo adiante. Se pudermos alimentá-los, amá-los e ensiná-los desde essa juventude, estaremos indo longe, porque estaremos construindo a nação e colocando a família no lugar. Por causa do ensino precoce, as crianças começam a aprender uma base forte.

Algo mais que você gostaria de compartilhar conosco?
Gostaria de encorajar as Irmãs e os leigos na Região do Espírito Santo. Não percam o foco, continuem! Como estamos trabalhando, estamos vivendo em tempos difíceis, tempos de Covid-19. Mas nós, suázios, atravessamos a crise da AIDS. Mesmo agora, no tempo do Covid-19, estamos trabalhando, perseverando e demonstrando amor ao povo. Esperamos que o Covid-19 deixe de se espalhar e que possamos tratar as pessoas como antes! AMÉM!

Thanks to Holy Spirit newsletter for this article

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *