BY CRYSTAL CATALAN | March 12, 2022
Today’s Readings

The summer of my junior year of college, I lived and served at a shelter for at-risk young girls in the Philippines who had been removed from their homes due to abuse and other cases of harm. Soon, I learned that in many of their communities, human trafficking was on the rise. The more I learned about the realities of human trafficking, I became angry. I became angry at the actions of people who trafficked other people, the system of injustice, the realities of poverty, and the economic issues that continued to give rise to the atrocity.

Learning to Love and Challenged by Mercy


I recall one of our closing prayer sessions in community, where I prayed for the conversion of the hearts of the people who traffic people—wherever they were. And with faith, I remember praying that just maybe, one person would be spared that night. But I say to you, love your enemies.

That night, God had ignited a fire in me to commit to serving as an advocate for justice, and to work towards anti-trafficking efforts.

Flash forward almost a decade later, and I was serving as a lay missioner leading weekly sessions with the minors in the Baguio City Jail. One day, I remember one of the youth I had built rapport with all of a sudden said to me, “You know I’m here for trafficking.” Without skipping a beat my naive self said something along the lines in Tagalog, “That is what’s so wrong with this system. It’s always the victims who are in jail!” And then, the 14-year-old stopped me mid-sentence and responded, “No, Ate (older sister), I was the trafficker.” At that moment, my heart sank. I thought to myself, “How could this be?” But I say to you, love your enemies.

And in that moment, I learned mercy and saw things differently. This Lenten season, I find myself challenged by the call to live with mercy, forgiveness, compassion, and love, just as Jesus did. It is not easy for me to love my enemies or to even try to make sense of injustice in the world, but I do believe in redemption. And I do trust and pray that by God’s grace, my heart will continue to soften towards love, and be drawn to conversion, even when I do not understand.

For Reflection:


Recall a moment where you experienced a conversion of heart. What did that feel like and how has that changed you since?
When have you been challenged to forgive or respond with mercy? Who are you still struggling to forgive?
What social injustice are you frustrated by? How can you draw God into your Lenten journey in addressing this frustration?

Crystal Catalan


Crystal Catalan serves as the director of diversity, equity, and inclusion at Presentation High School in San Jose, CA. She has degrees from University of San Diego and Eastern University, and previously served as a missioner with Cabrini Mission Corps in New York, the Philippines, Swaziland, and Radnor, PA at Cabrini University. She is currently pursuing her masters in pastoral ministries with an emphasis in restorative justice and chaplaincy at Santa Clara University.


CUARESMA 2022 DÍA 11: APRENDIENDO A AMAR Y DESAFIANDO A LA MISERICORDIA
POR CRYSTAL CATALÁN | 12 de marzo de 2022


Lecturas de hoy

El verano de mi primer año de universidad, viví y serví en un refugio para chicas jóvenes en riesgo en Filipinas que habían sido sacadas de sus hogares debido a abusos y otros casos de daño. Pronto me enteré de que en muchas de sus comunidades estaba aumentando la trata de personas. Cuanto más aprendía sobre la realidad de la trata de personas, más me enfadaba. Me enfadé con las acciones de las personas que traficaban con otras personas, con el sistema de injusticia, con las realidades de la pobreza y con los problemas económicos que seguían dando lugar a esta atrocidad.

Aprendiendo a amar y desafiando a la misericordia

Recuerdo una de nuestras sesiones de oración de clausura en comunidad, en la que recé por la conversión de los corazones de las personas que trafican con personas, dondequiera que estén. Y, con fe, recuerdo haber rezado para que, tal vez, una persona se salvara esa noche. Pero yo os digo: amad a vuestros enemigos.

Esa noche, Dios encendió un fuego en mí para comprometerme a servir como defensora de la justicia y a trabajar en la lucha contra la trata de personas.

Casi una década más tarde, estaba trabajando como misionero laico en sesiones semanales con menores en la cárcel de Baguio. Un día, recuerdo que uno de los jóvenes con los que había entablado relación me dijo de repente: “Sabes que estoy aquí por la trata”. Sin perder el tiempo, mi ingenuo yo dijo algo parecido en tagalo: “Eso es lo que está tan mal en este sistema. Siempre son las víctimas las que están en la cárcel”. Y entonces, la niña de 14 años me detuvo a mitad de la frase y respondió: “No, Ate (hermana mayor), yo era la traficante”. En ese momento, mi corazón se hundió. Pensé para mis adentros: “¿Cómo puede ser esto?”. Pero yo te digo que ames a tus enemigos.

Y en ese momento, aprendí la misericordia y vi las cosas de otra manera. En este tiempo de Cuaresma, me encuentro con el reto de vivir con misericordia, perdón, compasión y amor, tal como lo hizo Jesús. No es fácil para mí amar a mis enemigos o incluso tratar de dar sentido a la injusticia en el mundo, pero creo en la redención. Y confío y rezo para que, por la gracia de Dios, mi corazón siga ablandándose hacia el amor, y sea atraído a la conversión, incluso cuando no lo entienda.

Para reflexionar:

Recuerda un momento en el que hayas experimentado una conversión del corazón. ¿Qué sentiste y cómo te ha cambiado desde entonces?
¿Cuándo has sido desafiado a perdonar o responder con misericordia? ¿A quién te cuesta todavía perdonar?
¿Qué injusticia social te frustra? ¿Cómo puedes atraer a Dios a tu viaje cuaresmal para abordar esta frustración?

Crystal Catalan

Crystal Catalan es la directora de diversidad, equidad e inclusión de la escuela secundaria Presentation en San José, California. Tiene títulos de la Universidad de San Diego y de la Universidad del Este, y anteriormente sirvió como misionera con el Cuerpo de Misiones Cabrini en Nueva York, Filipinas, Suazilandia, y Radnor, PA en la Universidad Cabrini. Actualmente está cursando su maestría en ministerios pastorales con énfasis en justicia restaurativa y capellanía en la Universidad de Santa Clara.


QUARESIMA 2022 GIORNO 11: IMPARARE AD AMARE E SFIDARE LA MISERICORDIA
di CRYSTAL CATALAN | 12 marzo 2022
Letture di oggi

L’estate del mio terzo anno di college, ho vissuto e servito in un rifugio per ragazze a rischio nelle Filippine che erano state allontanate dalle loro case a causa di abusi e altri casi di danno. Presto ho saputo che in molte delle loro comunità il traffico di esseri umani era in aumento. Più imparavo a conoscere le realtà del traffico di esseri umani, più mi arrabbiavo. Mi arrabbiai per le azioni delle persone che trafficano altre persone, per il sistema di ingiustizia, per le realtà della povertà e per le questioni economiche che continuavano a dare origine all’atrocità.

Imparare ad amare e sfidare la misericordia

Ricordo una delle nostre sessioni di preghiera di chiusura in comunità, dove ho pregato per la conversione dei cuori delle persone che trafficano le persone, ovunque fossero. E con fede, ricordo di aver pregato che solo forse, una persona sarebbe stata risparmiata quella notte. Ma io vi dico: amate i vostri nemici.

Quella notte, Dio aveva acceso un fuoco in me per impegnarmi a servire come sostenitore della giustizia e a lavorare per gli sforzi contro il traffico di esseri umani.

Un decennio dopo, stavo servendo come missionario laico e conducevo sessioni settimanali con i minori nella prigione di Baguio City. Un giorno, ricordo che uno dei giovani con cui avevo instaurato un rapporto mi disse all’improvviso: “Sai che sono qui per la tratta”. Senza perdere tempo, il mio ingenuo io disse qualcosa in Tagalog: “Ecco cosa c’è di sbagliato in questo sistema. Sono sempre le vittime ad essere in prigione!”. E poi la quattordicenne mi ha fermato a metà frase e ha risposto: “No, Ate (sorella maggiore), ero io il trafficante”. In quel momento il mio cuore è sprofondato. Ho pensato tra me e me: “Come può essere?”. Ma io vi dico: amate i vostri nemici.

E in quel momento ho imparato la misericordia e ho visto le cose in modo diverso. In questo periodo quaresimale, mi trovo sfidato dalla chiamata a vivere con misericordia, perdono, compassione e amore, proprio come fece Gesù. Non è facile per me amare i miei nemici o anche cercare di dare un senso all’ingiustizia nel mondo, ma credo nella redenzione. E confido e prego che, per la grazia di Dio, il mio cuore continuerà ad ammorbidirsi verso l’amore e ad essere attratto dalla conversione, anche quando non capisco.

Per la riflessione:

Ricorda un momento in cui hai sperimentato una conversione del cuore. Cosa hai provato e come ti ha cambiato da allora?
Quando sei stato sfidato a perdonare o a rispondere con misericordia? Chi stai ancora lottando per perdonare?
Da quale ingiustizia sociale sei frustrato? Come puoi attirare Dio nel tuo cammino quaresimale per affrontare questa frustrazione?

Crystal Catalan

Crystal Catalan è direttore della diversità, equità e inclusione alla Presentation High School di San Jose, CA. Si è laureata all’Università di San Diego e alla Eastern University, e in precedenza ha servito come missionaria con la Cabrini Mission Corps a New York, nelle Filippine, nello Swaziland e a Radnor, PA, alla Cabrini University. Attualmente sta conseguendo un master in ministeri pastorali con un’enfasi sulla giustizia riparativa e sulla cappellania alla Santa Clara University.


EMPRESTADO 2022 DIA 11: APRENDENDO A AMAR E DESAFIADO PELA MISERICÓRDIA
POR CRYSTAL CATALAN | 12 de março de 2022
As leituras de hoje

No verão de meu primeiro ano de faculdade, vivi e servi em um abrigo para meninas em situação de risco nas Filipinas que haviam sido removidas de suas casas devido a abusos e outros casos de danos. Logo aprendi que em muitas de suas comunidades, o tráfico de pessoas estava em ascensão. Quanto mais aprendi sobre as realidades do tráfico de pessoas, mais zangado fiquei. Fiquei irritado com as ações das pessoas que traficavam outras pessoas, o sistema de injustiça, as realidades da pobreza e as questões econômicas que continuavam a dar origem à atrocidade.

Aprendendo a amar e desafiado pela Misericórdia

Lembro-me de uma de nossas sessões de oração final em comunidade, onde rezei pela conversão dos corações das pessoas que traficam pessoas – onde quer que elas estejam. E, com fé, lembro-me de rezar para que talvez apenas uma pessoa fosse poupada naquela noite. Mas eu lhes digo, amem seus inimigos.

Naquela noite, Deus havia acendido um fogo em mim para comprometer-me a servir como defensor da justiça e a trabalhar em prol dos esforços antitráfico.

Quase uma década depois, eu estava servindo como um missionário leigo, liderando sessões semanais com os menores na prisão da cidade de Baguio. Um dia, lembro-me de um dos jovens com quem, de repente, construí relações, me disse: “Você sabe que estou aqui para o tráfico”. Sem pular uma batida, meu eu ingênuo disse algo na linha de Tagalog: “É isso que está tão errado com este sistema”. São sempre as vítimas que estão na cadeia”. E então, o jovem de 14 anos me parou em meados da frase e respondeu: “Não, Ate (irmã mais velha), eu era o traficante”. Naquele momento, meu coração afundou. Pensei para mim mesmo: “Como poderia ser isto?”. Mas eu digo a você, ame seus inimigos.

E, naquele momento, aprendi a misericórdia e vi as coisas de maneira diferente. Nesta Quaresma, me vejo desafiado pelo chamado a viver com misericórdia, perdão, compaixão e amor, assim como Jesus fez. Não é fácil para mim amar meus inimigos ou mesmo tentar fazer sentido da injustiça no mundo, mas acredito na redenção. E confio e rezo para que, pela graça de Deus, meu coração continue a amolecer para o amor, e seja atraído à conversão, mesmo quando eu não compreendo.

Para Reflexão:

Lembre-se de um momento em que você experimentou uma conversão de coração. Como isso o fez sentir e como isso o mudou desde então?
Quando você foi desafiado a perdoar ou a responder com misericórdia? A quem você ainda está lutando para perdoar?
Com que injustiça social você se sente frustrado? Como você pode atrair Deus em sua jornada quaresmal para enfrentar essa frustração?

Cristal Catalão

Crystal Catalan atua como diretor de diversidade, equidade e inclusão na Escola Secundária de Apresentação em San Jose, CA. Ela é formada pela Universidade de San Diego e Eastern University, e anteriormente serviu como missionária no Cabrini Mission Corps em Nova York, nas Filipinas, Suazilândia, e Radnor, PA na Universidade Cabrini. Atualmente ela está cursando seu mestrado em ministérios pastorais com ênfase em justiça reparadora e capelania na Universidade Santa Clara.

Leave a Reply

Your email address will not be published.