Today big celebration in the Cabrinian family! In fact, on July 15, 1850, 172 years ago, Mother Cabrini was born. Then a short portrait about her done by Sister Maria Barbagallo in 1992 and a card from the Guadalupe Province. We also share with you greetings from the Cabrinian Lay Missionaries of Argentina and the Santa Francesca Cabrini Association, the Youth Group “Looking to the Future” of Palma di Montechiaro.

Coming from Sant’Angelo Lodigiano, he was significantly and overwhelmingly present in his time but at the same time in a humble, poor way, absolutely devoid of propaganda, official recognition and rhetoric. Her very rich personality can be expressed in a passionate activity on behalf of the poor, the suffering, the young, the children to respond to the dramatic situation of the times, especially of her time I cite as a list the great migration of Europe to the Americas, wars, famines and from the social point of view the exploitation of workers and the exploitation of women; all things that struck Mother Cabrini’s heart tremendously. Her response was swift, effective, concrete, suffering because the poor, the sick, the suffering could not wait for political solutions, bureaucratic paperwork, national and international level responses taken at the table. The cry of the poor struck Mother Cabrini’s sensibility so strongly that every obstacle that overlapped her industriousness and difficulties had to be overcome at all costs.
She was not a superwoman, she was a stupendous woman whose femininity was the culminating mediation to sense and act for the needs of others, to promote works that were lacking or insufficient, to inspire hope and life, to defend the rights of the weakest. In many things it takes women. Thus arose schools, orphanages, hospitals, care centers, foster homes, works as different as every need is different in different societies. She traveled months and months in conditions that you can imagine, 110 years ago, she traveled months days on foot by train by boat by horse in a carriage to seek and find her favorites the poor the marginalized of every social class; however, the apostolic force that animated her and the prodigious activity she carried out should not lead us to think that it was the effect of the gift of miracles. Yes Mother Cabrini performed miracles but not in the sense that we understand. We often think that saints do everything simply. Push the button – Mother Cabrini felt the weight of her own frailties both physical and spiritual. She experienced perplexity, inner struggle, contradiction, setbacks, illness and misunderstanding by others especially those who should have helped her most; she felt the pain of injustice and wickedness she felt the weariness of every day as we do but it was the experience of God’s spirit that tempered her to help and console her because if it is true that the price of free gift to others many times is conflict and contradiction it is also true that the salary is the great consolation of the spirit an inner light that fills people with imagination of strength and creativity therefore when mother cabrini felt immersed in god’s project, god’s project for humanity which is to see all people as brothers then she thought of nothing else she set out to promote life against every threat of death, she was drawn in an extraordinary way to this force by this energy which was the heart of Jesus. What did Mother Cabrini do? It is a very simple thing she was contemplating the heart of Jesus. How did she do that? She would read the gospel and understand from the gospel the desires the feelings the preferences of Jesus.
What did she do what did Jesus think and at this school she learned how to do what Jesus would do so she discovered that he loved the poor he sought out sinners he favored the marginalized the abandoned the bewildered and he tried to accomplish with his human frailty these things. This was the energy this was the light that illuminated his whole life and this is the light that illuminates us too that makes us warm to this fire that shows us the path an ancient path mind you because all saints all Christians have always wanted to do this but it is an ever new path the path of solidarity of perseverance and it is this difficult because an act of love we can all do it but that of making constant acts of love and perseverance out of life even when they cost this is the difficult thing it takes the holy spirit to help us and this commitment given to others with joy and optimism in the frontiers of human pain to proclaim hope in God and proclaim that God is love, God loves us, proclaiming it with tangible signs not just saying it but doing love because in every concrete sign of solidarity in every act of love towards the other and she in this case towards the sick the marginalized in these signs there is the love of God the handicapped the lonely the drug addict there is the sign that God is present. Mother C based her life solidly in Jesus then in a sense of belonging to a group; alone even the greatest saints had difficulties but when there is a family that supports us accompanies us with whom we can share our experience of God it is much easier and then by embodying his inner strength that came to him from God by embodying it in works in even difficult institutions so that works the institution has a quality a style has an evangelical meaning; when he felt fragile and felt many times fragile like us he would say all I can in the one who comforts me and when he feared losing main goal the ideal he would say all to the greater glory of God.

History of Italian Emigration – Conference 1992 – Talk by Sister Maria Barbagallo

We also share the famous ritual of the flight of doves in Sant’Angelo Lodigiano, Mother Cabrini’s hometown.


¡Hoy es una gran celebración en la familia Cabrinian! El 15 de julio de 1850, hace 172 años, nació la Madre Cabrini. Después un breve retrato de ella realizado por la hermana María Barbagallo en 1992 y una tarjeta de la Provincia de Guadalupe. También compartimos con ustedes los saludos de los Misioneros Laicos Cabrinianos de Argentina y de la Asociación Santa Francesca Cabrini, del Grupo de Jóvenes “Guardando al Futuro” de Palma di Montechiaro.

Procedente de Sant’Angelo Lodigiano, estuvo presente en su época de forma significativa y abrumadora, pero al mismo tiempo de forma humilde y pobre, absolutamente desprovista de propaganda, reconocimiento oficial y retórica. Su riquísima personalidad se expresa en una apasionada actividad a favor de los pobres, de los que sufren, de los jóvenes, de los niños para responder a la dramática situación de los tiempos, especialmente de su época, mencionaría como lista la gran migración de Europa a las Américas, las guerras, el hambre y desde el punto de vista social la explotación de los trabajadores y la explotación de las mujeres; todas las cosas que golpearon tremendamente el corazón de la Madre Cabrini. Su respuesta fue rápida, eficaz, concreta, dolorosa, porque los pobres, los enfermos, los que sufren no podían esperar a las soluciones políticas, a las prácticas burocráticas, a las respuestas nacionales e internacionales tomadas en la mesa. El clamor de los pobres golpeó tan fuertemente la sensibilidad de la Madre Cabrini que había que superar a toda costa cualquier obstáculo que se interpusiera en su trabajo y sus dificultades.
No era una supermujer, era una mujer maravillosa cuya feminidad era la mediación culminante para sentir y actuar por las necesidades de los demás, para promover obras que faltaban o eran insuficientes, para inspirar esperanza y vida, para defender los derechos de los más débiles. Las mujeres son necesarias en muchas cosas. Y así surgieron escuelas, orfanatos, hospitales, centros de atención, hospicios, obras tan diferentes como diferentes son las necesidades en las distintas sociedades. Viajó meses y meses en condiciones que se pueden imaginar, hace 110 años, viajó meses y meses a pie, en tren, en barco, a caballo, en carruaje, para buscar y encontrar a su gente preferida, los pobres, los marginados de todas las clases sociales; sin embargo, la fuerza apostólica que la animaba y la prodigiosa actividad que desarrolló no deben hacernos pensar que fue efecto del don de los milagros. Sí, la Madre Cabrini hizo milagros, pero no en el sentido que nosotros entendemos. A menudo pensamos que los santos lo hacen todo de forma sencilla. Apretar el botón – La Madre Cabrini sintió el peso de sus propias fragilidades, tanto físicas como espirituales. Experimentó la perplejidad, la lucha interior, la contradicción, los contratiempos, la enfermedad y la incomprensión de los demás, especialmente de aquellos que más deberían haberla ayudado; sintió el dolor de la injusticia y la maldad sintió el cansancio de cada día como nosotros pero fue la experiencia del espíritu de Dios lo que la templó y la ayudó y consoló porque si bien es cierto que el precio del don gratuito a los demás es a menudo el conflicto y la contradicción también es cierto que el salario es el gran consuelo del espíritu una luz interior que llena a las personas de imaginación, fuerza y creatividad por lo tanto cuando la madre cabrini se sintió inmersa en el proyecto de Dios El proyecto de Dios para la humanidad, que es ver a todos los hombres como hermanos, entonces no pensó en otra cosa, se propuso promover la vida contra toda amenaza de muerte, fue atraída de manera extraordinaria por esta fuerza, por esta energía que era el corazón de Jesús. ¿Qué hizo la Madre Cabrini? Es una cosa muy sencilla que utilizó para contemplar el corazón de Jesús. ¿Cómo lo hizo? Leyó el Evangelio y comprendió a partir de él los deseos los sentimientos las preferencias de Jesús.
Qué hizo qué pensó Jesús y en esta escuela aprendió a hacer lo que Jesús hubiera hecho así que descubrió que él amaba a los pobres buscaba a los pecadores prefería a los marginados a los abandonados a los desconcertados y trataba de realizar estas cosas con su fragilidad humana. Esta fue la energía, esta fue la luz que iluminó toda su vida y esta es la luz que nos ilumina a nosotros también, que nos hace calentarnos a este fuego que nos muestra el camino, un camino antiguo, porque todos los santos, todos los cristianos siempre han querido hacer esto, pero es un camino que siempre es nuevo, el camino de la solidaridad, de la perseverancia y es esto difícil porque un acto de amor lo podemos hacer todos pero eso de hacer actos de amor constantes y perseverar aunque cueste eso es lo difícil necesitamos que el espíritu santo nos ayude y ese compromiso entregado a los demás con alegría y optimismo en las fronteras del dolor humano para anunciar la esperanza en Dios y anunciar que Dios es amor, Dios nos ama, anunciándolo con signos tangibles no sólo diciéndolo sino haciendo el amor porque en cada signo concreto de solidaridad en cada acto de amor hacia el otro, y ella en este caso hacia el enfermo el marginado en estos signos está el amor de Dios el discapacitado el solitario el drogadicto está el signo de que Dios está presente. La Madre C basó sólidamente su vida en Jesús y luego en un sentido de pertenencia a un grupo; sola incluso los más grandes santos han tenido dificultades pero cuando hay una familia que nos apoya nos acompaña con la que podemos compartir nuestra experiencia de Dios es mucho más fácil y luego encarnando su fuerza interior que le vino de Dios encarnándola en obras incluso en instituciones difíciles para que la institución tenga una calidad un estilo tenga un sentido evangélico; cuando se sentía frágil y se sentía muchas veces tan frágil como nosotros decía todo lo que podía en él que me conforta y cuando temía perder el objetivo principal el ideal decía todo para la mayor gloria de Dios.

Historia de la Emigración Italiana – Conferencia 1992 – Discurso de Sor María Barbagallo

También compartimos el famoso ritual del vuelo de las palomas en Sant’Angelo Lodigiano, ciudad natal de la Madre Cabrini.


Oggi grande festa nella famiglia cabriniana! Il 15 luglio 1850, 172 anni fa, nasceva infatti Madre Cabrini.
Dopo un breve ritratto su di lei fatto da Suor Maria Barbagallo nel 1992 e una card della Provincia Guadalupe. Inoltre condividiamo con voi dei saluti da parte dei Missionari Laici Cabriniani dell’Argentina e dell’Associazione Santa Francesca Cabrini, il Gruppo dei Giovani “Guardando al Futuro” di Palma di Montechiaro.

Proveniente da Sant’Angelo Lodigiano, fu presente al suo tempo in modo significativo e travolgente ma allo stesso tempo in modo umile, povero, assolutamente privo di propaganda, di riconoscimenti ufficiali e di retorica. La sua ricchissima personalità si può esprimere in una appassionata attività in favore dei poveri, dei sofferenti, dei giovani, dei bambini per rispondere alla drammatica situazione dei tempi, soprattutto del suo tempo cito ad elenco la grande migrazione d’Europa verso le Americhe, le guerre, le carestie e dal punto di vista sociale lo sfruttamento dei lavoratori e lo sfruttamento della donna; tutte cose che colpivano tremendamente il cuore di Madre Cabrini. La sua risposta fu rapida, efficace, concreta, sofferta perché i poveri, gli ammalati, i sofferenti non potevano aspettare le soluzioni politiche, le pratiche burocratiche, le risposte di livello nazionale e internazionale prese a tavolino. Il grido dei poveri colpiva così fortemente la sensibilità di Madre Cabrini che ogni ostacolo che si sovrapponeva alla sua operosità e alle difficoltà doveva essere ad ogni costo superato.

Non era una superdonna, era una stupenda donna la cui femminilità fu la mediazione culminante per intuire ed agire per i bisogni degli altri, per promuovere opere che mancavano o erano insufficienti, per suscitare speranza e vita, per difendere i diritti dei più deboli. In molte cose ci vogliono le donne. Così sorsero scuole, orfanotrofi, ospedali, centri di assistenza, case di accoglienza, opere diverse come è diverso ogni bisogno nelle diverse società. Viaggiò mesi e mesi in condizioni che voi potete immaginare, 110 anni fa, viaggiò mesi giorni a piedi in treno in barca a cavallo in carrozza per cercare e trovare i suoi prediletti i poveri gli emarginati di ogni classe sociale; tuttavia, la forza apostolica che l’animava e l’attività prodigiosa che svolgeva non deve indurci a pensare che fosse effetto del dono dei miracoli. Sì madre cabrini fece dei miracoli ma non nel senso che noi intendiamo. Noi spesso pensiamo che i santi facciano tutto in modo semplice. Schiacciare il bottone – Madre Cabrini sentì il peso delle proprie fragilità sia fisica che spirituale. Sperimentò la perplessità, la lotta interiore, la contraddizione, i contrattempi, la malattia e l’incomprensione degli altri specialmente di quelli che avrebbero dovuto più aiutarla; sentì il dolore dell’ingiustizia e della malvagità avvertì la stanchezza di ogni giorno come noi ma fu l’esperienza dello spirito di Dio a temprarla ad aiutarla e a consolarla perché se è vero che il prezzo del dono gratuito agli altri molte volte è il conflitto e la contraddizione è anche vero che il salario è la grande consolazione dello spirito una luce interiore che riempie le persone di immaginazione di forza e di creatività perciò quando madre cabrini si sentì immersa nel progetto di dio, il progetto di dio per l’umanità che è quello di vedere tutti gli uomini fratelli allora lei non pensava ad altro si propose di promuovere la vita contro ogni minaccia di morte, fu attratta in modo straordinario da questa forza da questa energia che era il cuore di Gesù. Che cosa faceva madre cabrini? È una cosa molto semplice contemplava il cuore di Gesù. Come faceva? Leggeva il vangelo e capiva dal vangelo i desideri i sentimenti le preferenze di Gesù.

Cosa faceva cosa pensava Gesù e a questa scuola lei imparò a fare quello che avrebbe fatto Gesù perciò scoprì che amava i poveri cercava i peccatori prediligeva gli emarginati gli abbandonati i disorientati e cercò di realizzare con la sua fragilità umana queste cose. Questa fu l’energia questa fu la luce che illuminò tutta la sua vita e questa è la luce che illumina anche noi che ci fa scaldare a questo fuoco che ci indica il sentiero un sentiero antico badate perché tutti i santi tutti  i cristiani hanno sempre voluto far questo ma è un sentiero sempre nuovo il sentiero della solidarietà della perseveranza ed è questo difficile perchè un atto d’amore tutti lo possiamo fare ma quello di fare della vita costanti atti d’amore e perseverare anche quando costano questa è la cosa difficile ci vuole lo spirito santo che ci aiuti e questo impegno dato agli altri con gioia e ottimismo nelle frontiere del dolore umano per annunciare la speranza in Dio e annunciare che Dio è amore, Dio ci ama,  annunciarlo con segni tangibili non solo dirlo ma fare l’amore perché in ogni segno concreto di solidarietà in ogni atto d amore verso l’altro e lei in questo caso verso l’ammalato l’emarginato in questi segni c’è l’amore di Dio l’handicappato il solo il drogato c’è il segno che Dio è presente. Madre C basò solidamente la sua vita in Gesù poi in un senso di appartenenza a un gruppo; da soli anche i più grandi santi hanno avuto difficoltà ma quando c’è una famiglia che ci sostiene ci accompagna con la quale possiamo condividere la nostra esperienza di Dio è molto più facile e poi incarnando la sua forza interiore che gli veniva da Dio incarnandola in opere in istituzioni anche difficili perché opera l’istituzione abbia una qualità uno stile abbia un significato evangelico; quando si sentiva fragile e si sentiva molte volte fragile come noi diceva tutto lo posso in colui che mi conforta e quando temeva di perdere obiettivo principale l’ideale diceva tutto a maggior gloria di Dio.

Storia dell’emigrazione italiana – Convegno 1992 – Intervento di Suor Maria Barbagallo

Condividiamo inoltre il famoso rito del volo delle colombe a Sant’Angelo Lodigiano, città natale della Madre Cabrini.


Hoje é uma grande celebração na família Cabrinian! Em 15 de julho de 1850, há 172 anos, nasceu a Madre Cabrini. Depois um pequeno retrato dela feito por Irmã Maria Barbagallo em 1992 e um cartão de província de Guadalupe. Também compartilhamos com vocês as saudações dos Missionários Leigos Cabrinianos da Argentina e da Associação Santa Francesca Cabrini, o Grupo Juvenil “Guardando al Futuro” de Palma di Montechiaro.

Oriundo de Sant’Angelo Lodigiano, ele esteve presente em seu tempo de forma significativa e esmagadora, mas ao mesmo tempo de forma humilde, pobre, absolutamente desprovido de propaganda, reconhecimento oficial e retórica. Sua personalidade muito rica pode ser expressa em uma atividade apaixonada em favor dos pobres, do sofrimento, dos jovens, das crianças para responder à dramática situação dos tempos, especialmente de seu tempo eu mencionaria como uma lista a grande migração da Europa para as Américas, guerras, fome e de um ponto de vista social a exploração dos trabalhadores e a exploração das mulheres; tudo isso que impressionou tremendamente o coração de Madre Cabrini. Sua resposta foi rápida, eficaz, concreta, dolorosa porque os pobres, os doentes, os sofredores não podiam esperar por soluções políticas, por práticas burocráticas, por respostas nacionais e internacionais tomadas à mesa. O grito dos pobres atingiu a sensibilidade da Madre Cabrini tão fortemente que todo obstáculo que se interpunha no caminho de seu trabalho e dificuldades teve que ser superado a todo custo.
Ela não era uma super mulher, era uma mulher maravilhosa cuja feminilidade era a mediação culminante para sentir e agir para as necessidades dos outros, para promover obras que faltavam ou eram insuficientes, para inspirar esperança e vida, para defender os direitos dos mais fracos. As mulheres são necessárias em muitas coisas. E assim, escolas, orfanatos, hospitais, centros de atendimento, hospícios surgiram, funcionam tão diferentes quanto cada necessidade é diferente em sociedades diferentes. Ela viajou meses e meses em condições que você pode imaginar, 110 anos atrás, ela viajou meses e meses a pé de trem a cavalo em uma carruagem para procurar e encontrar seu povo favorito os pobres marginalizados de toda classe social; entretanto, a força apostólica que a animava e a prodigiosa atividade que ela realizava não deveria nos levar a pensar que era o efeito do dom dos milagres. Sim, a Madre Cabrini realizou milagres, mas não no sentido que entendemos. Muitas vezes pensamos que os santos fazem tudo de forma simples. Aperte o botão – Madre Cabrini sentiu o peso de suas próprias fragilidades, tanto físicas quanto espirituais. Ela experimentou perplexidade, luta interior, contradição, contratempos, doença e a incompreensão dos outros, especialmente daqueles que mais deveriam tê-la ajudado; ela sentiu a dor da injustiça e da maldade ela sentiu o cansaço de cada dia como nós, mas foi a experiência do espírito de Deus que a temperou e a ajudou e consolou porque se é verdade que o preço do dom gratuito aos outros é muitas vezes conflito e contradição, também é verdade que o salário é o grande consolo do espírito uma luz interior que enche as pessoas de imaginação, força e criatividade, portanto, quando a mãe cabrini se sentiu imersa no projeto de Deus projeto de deus para a humanidade, que é ver todos os homens como irmãos, então ela não pensou em mais nada para promover a vida contra toda ameaça de morte, ela foi atraída de uma forma extraordinária por essa força que era o coração de Jesus. O que fez a Madre Cabrini? É uma coisa muito simples que ela costumava contemplar o coração de Jesus. Como ela fez isso? Ela leu o Evangelho e compreendeu do Evangelho os desejos, os sentimentos, as preferências de Jesus.
O que ela fez o que Jesus pensava e nesta escola ela aprendeu a fazer o que Jesus teria feito, então ela descobriu que ele amava os pobres que ele procurava os pecadores que ele preferia os marginalizados os desnorteados e tentou realizar estas coisas com sua fragilidade humana. Esta foi a energia que iluminou toda sua vida e esta é a luz que nos ilumina também, que nos faz aquecer a este fogo que nos mostra o caminho um antigo caminho que nos faz pensar em você porque todos os santos todos os cristãos sempre quiseram fazer isto, mas é um caminho sempre novo o caminho da solidariedade e da perseverança e é este difícil porque um ato de amor todos nós podemos fazê-lo, mas o de fazer constantes atos de amor e perseverança mesmo quando custam isso é a coisa difícil que precisamos do espírito santo para nos ajudar e esse compromisso dado aos outros com alegria e otimismo nas fronteiras da dor humana para anunciar a esperança em Deus e anunciar que Deus é amor, Deus nos ama, anunciando-o com sinais tangíveis não apenas dizendo-o, mas fazendo o amor porque em cada sinal concreto de solidariedade em cada ato de amor para com o outro, e ela neste caso para com os doentes os marginalizados nestes sinais há o amor de Deus o deficiente o solitário o drogado há o sinal de que Deus está presente. Madre C baseou solidamente sua vida em Jesus, então no sentido de pertencer a um grupo; sozinha até os maiores santos tiveram dificuldades, mas quando há uma família que nos sustenta nos acompanha com quem podemos compartilhar nossa experiência de Deus é muito mais fácil e então encarnando sua força interior que lhe veio de Deus, encarnando-a em obras mesmo em instituições difíceis, para que a instituição tenha uma qualidade, um estilo tenha um significado evangélico; Quando ele se sentia frágil e se sentia muitas vezes tão frágil quanto nós, ele dizia tudo o que eu podia nele que me confortava e quando ele temia perder o objetivo principal o ideal ele diria tudo para a maior glória de Deus.

História da Emigração Italiana – Conferência 1992 – Discurso de Irmã Maria Barbagallo

Também compartilhamos o famoso ritual do vôo das pombas em Sant’Angelo Lodigiano, a cidade natal da Madre Cabrini.

https://www.facebook.com/messenger_media/?thread_id=1300051852&attachment_id=5428103620602828&message_id=mid.%24cAAAAAE19N4yIPoFPzWCDTuCQgczS


Leave a Reply

Your email address will not be published.