Yesterday the Pope returned from his apostolic journey to Malta. We have tried to collect some salient passages concerning migrants.
May Mother Cabrini protect all migrants, yesterday and today, and help us to have eyes, ears and above all a heart open to all, without distinction.

From Rai News foreign

In Malta arrive from Africa “many brothers and sisters in search of hope,” Pope Francis also recalled, appealing for a better redistribution of migrants and refugees among European Union countries. “I would like to thank the Authorities and the population for the welcome reserved for them in the name of the Gospel, humanity and the sense of hospitality typical of the Maltese,” said the Argentine pontiff, who then recalled how “according to Phoenician etymology, Malta means ‘safe haven.’ However, in the face of the growing influx in recent years – he noted – fears and insecurities have generated discouragement and frustration. In order to face the complex migratory issue, it is necessary to place it within wider perspectives of time and space. Of time: the migratory phenomenon is not a circumstance of the moment, but marks our age. It brings with it the debts of past injustices, of much exploitation, of climate change, of unfortunate conflicts for which we are paying the consequences. From the poor and populated south masses of people are moving towards the richer north: it is a fact that cannot be rejected with anachronistic closures, because there will be no prosperity and integration in isolation. Then there is space to consider: the widening of the migratory emergency – think of the refugees from the tormented Ukraine – calls for broad and shared responses. It is not possible – exclaimed the Pope – for some countries to take on the entire problem with the indifference of others. And – he added – civilized countries cannot sanction for their own interest murky agreements with criminals who enslave people: unfortunately this happens.

Sky tg24

The meeting with 200 migrants at the Peace Lab in Hal Far concludes Bergoglio’s 36th apostolic journey. The Pontiff then returned to pray for Ukraine.

“Help us to recognize from afar the needs of those struggling in the waves of the sea, dashed on the rocks of an unknown shore”: this is how the Pope prayed for migrants in the Grotto of St. Paul in Rabat. “Let our compassion not be exhausted in vain words, but light the bonfire of welcome, which makes us forget the bad weather, warms hearts and unites them,” are the words of the Pope after yet another shipwreck in the Mediterranean, in international waters, during which, as reported yesterday by Doctors Without Borders, more than ninety people who had left from Libya would have lost their lives.

From the press conference returning from the trip to Malta – Vatican News

The problem that I saw for you – one of the problems – is migration. The problem of migrants is serious because Greece, Cyprus, Malta, Italy, Spain, are the countries closest to Africa and the Middle East and they land here, they arrive here. Migrants must always be welcomed! The problem is that each government must say how many it can normally receive so that they can live there. For this, we need an agreement with the countries of Europe, not all of which are willing to receive migrants. We forget that Europe was made by migrants, don’t we? But that’s the way things are… At least don’t leave all the burden to these neighboring countries that are so generous, and Malta is one of them. I was in the migrant reception center today and the things I heard there are terrible: the suffering of these to get here and then the lagers – they are lagers – that there are on the Libyan coast, when they are sent back. That seems criminal. And that’s why I think it’s an issue that touches everyone’s heart. Just as Europe is so generously making room for the Ukrainians who are knocking on the door, so too for others who are coming from the Mediterranean. This is a point with which I ended the visit and it touched me so much, because I heard the testimonies, the sufferings, which are more or less like those that – I think I told you about them – are in that little book that came out, Hermanito, in Spanish, “Little Brother,” and all the via crucis of these people. One guy who spoke today had to pay four times. I ask you to think about that. Thank you.


El Papa regresó ayer de su viaje apostólico a Malta. Hemos intentado recopilar algunos pasajes destacados sobre los inmigrantes.
Que la Madre Cabrini proteja a todos los migrantes, ayer y hoy, y nos ayude a tener ojos, oídos y sobre todo un corazón abierto a todos, sin distinción.

De Rai News Asuntos Exteriores

Malta acoge a “muchos hermanos y hermanas de África en busca de esperanza”, recordó el Papa Francisco, haciendo un llamamiento a una mejor redistribución de los migrantes y refugiados entre los países de la UE. “Quisiera agradecer a las Autoridades y a la población la acogida que les han brindado en nombre del Evangelio, de la humanidad y del sentido de la hospitalidad típico de los malteses”, dijo el pontífice argentino, que luego recordó cómo “según la etimología fenicia, Malta significa ‘puerto seguro'”. Sin embargo, ante la creciente afluencia de los últimos años”, señaló, “los temores e inseguridades han generado desánimo y frustración. Para abordar la compleja cuestión de la migración, es necesario situarla en perspectivas más amplias de tiempo y espacio. En el tiempo: el fenómeno migratorio no es una circunstancia del momento, sino que marca nuestra época. Trae consigo las deudas de injusticias pasadas, de mucha explotación, del cambio climático, de conflictos desafortunados por los que estamos pagando las consecuencias. Desde el sur, pobre y poblado, se desplazan masas de personas hacia el norte, más rico: es un hecho, que no puede rechazarse con cierres anacrónicos, porque no habrá prosperidad e integración en el aislamiento. Además, hay que tener en cuenta el espacio: la expansión de la emergencia migratoria -pensemos en los refugiados de la atormentada Ucrania- exige respuestas amplias y compartidas. No es posible -exclamó el Papa- que unos países carguen con todo el problema ante la indiferencia de otros. Y”, añadió, “los países civilizados no pueden sancionar, por su propio interés, acuerdos turbios con criminales que esclavizan a la gente: desgraciadamente esto ocurre”.

Cielo tg24

Con el encuentro con 200 migrantes en el Peace Lab de Hal Far concluye el 36º viaje apostólico de Bergoglio. El Pontífice volvió a rezar por Ucrania

“Ayúdanos a reconocer desde lejos las necesidades de los que se debaten en las olas del mar, estrellados contra las rocas de una orilla desconocida”: así rezó el Papa por los migrantes en la Gruta de San Pablo de Rabat. “Que nuestra compasión no se agote en vanas palabras, sino que encienda la hoguera de la acogida, que hace olvidar el mal tiempo, calienta los corazones y los une”, fueron las palabras del Papa tras el enésimo naufragio en el Mediterráneo, en aguas internacionales, en el que, según informó ayer Médicos Sin Fronteras, perdieron la vida más de noventa personas que habían partido de Libia.

De la rueda de prensa de regreso del viaje a Malta – Noticias del Vaticano

El problema que vi para ti -uno de los problemas- es la migración. El problema de los migrantes es grave porque Grecia, Chipre, Malta, Italia, España, son los países más cercanos a África y Oriente Medio y aterrizan aquí, llegan aquí. ¡Los migrantes deben ser siempre bienvenidos! El problema es que cada gobierno debe decir cuántos puede recibir normalmente para que puedan vivir allí. Para ello es necesario un acuerdo con los países de Europa, que no todos están dispuestos a recibir a los inmigrantes. Nos olvidamos de que Europa fue hecha por los inmigrantes, ¿no es así? Pero así son las cosas… Al menos no dejen toda la carga a estos países vecinos que son tan generosos, y Malta es uno de ellos. Hoy he estado en el centro de acogida de migrantes y las cosas que he oído allí son terribles: el sufrimiento de estas personas para llegar hasta aquí y luego los lagers -son lagers- que hay en la costa libia, cuando los devuelven. Eso parece criminal. Y por eso creo que es un problema que toca el corazón de todos. Al igual que Europa se muestra tan generosa con los ucranianos que llaman a la puerta, también lo hace con los demás que vienen del Mediterráneo. Este es un punto con el que terminé mi visita y me conmovió mucho, porque escuché los testimonios, los sufrimientos, que son más o menos como los que -creo que te conté- están en ese librito que salió, Hermanito, en español, “Little Brother”, y todo el vía crucis de estas personas. Uno de los que ha hablado hoy ha tenido que pagar cuatro veces. Te pido que pienses en ello. Gracias.


Il Papa ieri è tornato dal viaggio apostolico a Malta. Noi abbiamo cercato di raccogliere alcuni passaggi salienti riguardanti i migranti.
Che Madre Cabrini protegga tutti i migranti, di ieri e di oggi e ci aiuti ad avere occhi, orecchi ma soprattutto cuore aperti a tutti, senza distinzione.

Da Rai News esteri

A Malta giungono dall’Africa “tanti fratelli e sorelle in cerca di speranza” ha inoltre ricordato papa Francesco facendo appello per una migliore redistribuzione di migranti e rifugiati tra paesi dell’Unione europea. “Vorrei ringraziare le Autorità e la popolazione per l’accoglienza loro riservata in nome del Vangelo, dell’umanità e del senso di ospitalità tipico dei maltesi”, ha detto il pontefice argentino, che ha poi ricordato come “secondo l’etimologia fenicia, Malta significa ‘porto sicuro’. Tuttavia, di fronte al crescente afflusso degli ultimi anni – ha notato – timori e insicurezze hanno generato scoraggiamento e frustrazione. Per ben affrontare la complessa questione migratoria occorre situarla entro prospettive più ampie di tempo e di spazio. Di tempo: il fenomeno migratorio non è una circostanza del momento, ma segna la nostra epoca. Porta con sé i debiti di ingiustizie passate, di tanto sfruttamento, di cambiamenti climatici, di sventurati conflitti di cui si pagano le conseguenze. Dal sud povero e popolato masse di persone si spostano verso il nord più ricco: è un dato di fatto, che non si può respingere con anacronistiche chiusure, perché non vi saranno prosperità e integrazione nell’isolamento. C’è poi da considerare lo spazio: l’allargamento dell’emergenza migratoria – pensiamo ai rifugiati dalla martoriata Ucraina – chiede risposte ampie e condivise. Non possono – ha esclamato il papa – alcuni Paesi sobbarcarsi l’intero problema nell’indifferenza di altri. E – ha aggiunto – non possono Paesi civili sancire per proprio interesse torbidi accordi con malviventi che schiavizzano le persone: purtroppo questo succede”.

Sky tg24

L’incontro con 200 migranti al Peace Lab di Hal Far conclude il 36esimo viaggio apostolico di Bergoglio. Il Pontefice è poi tornato a pregare per l’Ucraina

“Aiutaci a riconoscere da lontano i bisogni di quanti lottano tra le onde del mare, sbattuti sulle rocce di una riva sconosciuta”: così il Papa ha pregato per i migranti nella Grotta di San Paolo a Rabat. “Fa’ che la nostra compassione non si esaurisca in parole vane, ma accenda il falò dell’accoglienza, che fa dimenticare il maltempo, riscalda i cuori e li unisce”, sono le parole del Papa dopo l’ennesimo naufragio nel Mediterraneo, in acque internazionali, nel corso del quale, come segnalato ieri da Medici Senza Frontiere, avrebbero perso la vita oltre novanta persone che erano partite dalla Libia.

Dalla Conferenza stampa di ritorno dal viaggio a Malta – Vatican News

Il problema che ho visto per voi – uno dei problemi – è la migrazione. Il problema dei migranti è grave perché sia Grecia, Cipro, Malta, Italia, Spagna, sono i Paesi più vicini all’Africa e al Medio Oriente e sbarcano qui, arrivano qui. I migranti vanno accolti sempre! Il problema è che ogni governo deve dire quanti ne può ricevere normalmente perché possano vivere lì. Per questo ci vuole un’intesa con i Paesi dell’Europa, che non tutti sono disposti a ricevere i migranti. Dimentichiamo che l’Europa è stata fatta dai migranti, non è vero? Ma così sono le cose… Almeno non lasciare tutto il peso a questi Paesi limitrofi che sono così generosi, e Malta è uno di loro. Oggi sono stato nel centro di accoglienza dei migranti e le cose che ho sentito lì sono terribili: la sofferenza di questi per arrivare qui e poi i lager – sono dei lager – che ci sono sulla costa libica, quando sono mandati indietro. Questo sembra criminale. E per questo credo che è un problema che tocca il cuore di tutti. Così come l’Europa sta facendo con tanta generosità posto agli ucraini che bussano alla porta, così anche agli altri che vengono dal Mediterraneo. Questo è un punto con cui ho finito la visita e mi ha toccato tanto, perché ho sentito le testimonianze, le sofferenze, che sono più o meno come quelle che – credo di avervene parlato –sono in quel libro piccolino che è uscito, Hermanito, in spagnolo, “Fratellino”, e tutte le via crucis di questa gente. Uno che ha parlato oggi ha dovuto pagare quattro volte. Vi chiedo di pensarci, su questo. Grazie.


Ontem, o Papa voltou de sua viagem apostólica a Malta. Tentamos coletar algumas passagens importantes relativas aos migrantes.
Que a Madre Cabrini proteja todos os migrantes, ontem e hoje, e nos ajude a ter olhos, ouvidos e acima de tudo um coração aberto a todos, sem distinção.

De Rai News Negócios Estrangeiros

Em Malta, “muitos irmãos e irmãs em busca de esperança” estão chegando da África, lembrou o Papa Francisco, apelando para uma melhor redistribuição dos migrantes e refugiados entre os países da União Européia. “Gostaria de agradecer às autoridades e à população pela acolhida que lhes foi dada em nome do Evangelho, da humanidade e do senso de hospitalidade típico dos malteses”, disse o pontífice argentino, que depois lembrou como “segundo a etimologia fenícia, Malta significa ‘porto seguro'”. No entanto, diante do crescente afluxo nos últimos anos”, observou ele, “temores e inseguranças geraram desânimo e frustração. A fim de abordar a complexa questão da migração, é necessário situá-la dentro de perspectivas mais amplas de tempo e espaço. No tempo: o fenômeno migratório não é uma circunstância do momento, mas marca nossa era. Ela traz consigo as dívidas de injustiças do passado, de muita exploração, de mudanças climáticas, de conflitos infelizes pelos quais estamos pagando as conseqüências. Das massas pobres e povoadas do sul, as pessoas estão se movendo em direção ao norte mais rico: é um fato, que não pode ser rejeitado com fechamentos anacrônicos, pois não haverá prosperidade e integração isolada. Depois há espaço para considerar: a expansão da emergência migratória – pense nos refugiados da atormentada Ucrânia – exige respostas amplas e compartilhadas. Não é possível”, exclamou o Papa, “que alguns países assumam o problema inteiro com a indiferença de outros”. E”, acrescentou, “os países civilizados não podem sancionar, para seu próprio interesse, acordos obscuros com criminosos que escravizam pessoas: infelizmente isto acontece”.

Sky tg24

O encontro com 200 migrantes no Laboratório da Paz em Hal Far conclui a 36ª jornada apostólica de Bergoglio. O pontífice voltou então para rezar pela Ucrânia

“Ajuda-nos a reconhecer de longe as necessidades daqueles que lutam nas ondas do mar, traçadas nas rochas de uma costa desconhecida”: foi assim que o Papa rezou pelos migrantes na Gruta de São Paulo em Rabat. “Que nossa compaixão não se esgote em palavras vãs, mas acenda a fogueira das boas-vindas, que nos faz esquecer o mau tempo, aquece os corações e os une”, foram palavras do Papa após o enésimo naufrágio no Mediterrâneo, em águas internacionais, durante as quais, como relatado ontem pelos Médicos Sem Fronteiras, mais de noventa pessoas que haviam partido da Líbia perderam suas vidas.

Da conferência de imprensa de regresso da viagem a Malta – Notícias do Vaticano

O problema que eu vi para você – um dos problemas – é a migração. O problema dos migrantes é sério porque Grécia, Chipre, Malta, Itália, Espanha, são os países mais próximos da África e do Oriente Médio e eles desembarcam aqui, chegam aqui. Os migrantes devem ser sempre bem-vindos! O problema é que cada governo deve dizer quantos pode receber normalmente para que possa viver lá. Isto requer um acordo com os países da Europa, que não estão todos dispostos a receber migrantes. Esquecemos que a Europa foi feita por migrantes, não é verdade? Mas é assim que as coisas são… Pelo menos não deixe todo o fardo para esses países vizinhos que são tão generosos, e Malta é um deles. Hoje eu estava no centro de recepção de migrantes e as coisas que ouvi lá são terríveis: o sofrimento dessas pessoas para chegar aqui e depois as lagers – são lagers – que há na costa líbia, quando são mandadas de volta. Isso parece criminoso. E é por isso que eu acho que é um problema que toca o coração de todos. Assim como a Europa está fazendo generosamente com os ucranianos que batem à porta, assim também com os outros que vêm do Mediterrâneo. Este é um ponto com o qual terminei minha visita e me tocou muito, porque ouvi os testemunhos, os sofrimentos, que são mais ou menos como aqueles que – acho que lhes falei sobre eles – estão naquele pequeno livro que saiu, Hermanito, em espanhol, “Irmãozinho”, e toda a via crucis dessas pessoas. Aquele que falou hoje teve que pagar quatro vezes. Peço-lhes que pensem nisso. Obrigado.

Leave a Reply

Your email address will not be published.