(…) (…) Heart of Jesus, I surrender myself to You, SPEAK TO ME, INSTRUCT ME, ENLIGHTEN ME! Ask whatever pleases You! I will accept any sacrifice in order to grow in Your love and promote Your glory”.

Journal of a Trusting Heart, My Retreat, Good Friday, 1884, p. 63.

               In the months before the General Chapter, and in such a troubled and disconcerting period of time, the importance of this very significant Ecclesiastical event requires an especially attentive, supplicant and penitential attitude.

We, the Chapter members, are called upon to understand in depth, that on this occasion we are not the main characters, nor is it about position, office, intelligence or personal skills. Then, what is it that allows us to prepare for the Chapter, for this important event? It is the confidence that God acts through us: God is the main character in the Chapter. 

Opening ourselves up to the Spirit, with the right attitudes now, during and after, will make this important moment in the life of the Institute, an occasion to assess our reality in an honest and realistic way; to examine the present with its abundance and poverty, and to develop a vision that, especially, keeps our Charism alive and strong.

From this point onwards, the General Chapter has started to become a time of relationship, of the Lord’s proximity, to keep us humbly in the Ark of His heart and to know that with Him we are building the time of salvation.

When the General Chapter is convened, it is the Supreme Assembly of those who have been elected and called to deal with the Institute’s spiritual, pastoral and material concerns. Additionally, the whole Institute is spiritually active, praying for the members gathered in the Chapter Cenacle; that they will be open to allow the free action of the Spirit leading them to respond anew and generously in the light of the CHARISM, and who, with sensitivity, guides those who have the responsibility of authority as duty. All members of the Institute are channels of divine mediation and instruments of salvation.

The time before chapter is an opportunity for all of us who share the Cabrinian spirit, to place ourselves with open arms in front of the Lord,  where we can come to understand:

  • As Saint Ignatius said: “All for the Greater Glory of God”; and His plan is always greater than any of our personal projects, and this has to be the foundation of our apostolic unity and discipline;
  • That our works should be really freeing for today’s apostles, and that unity is always preferred over conflict;
  • For everything that we do as an Institute, must also be experienced at personal, community and team level;
  • This availability calls for apostolic perseverance and a strong contemplative attitude, both verbal with non-verbal.

Finally, a General Chapter, with its commission to review the work that has been done; with the responsibility of elections, and being guided with clarity by the Constitutions and Statutes, also offers a ‘Cenacle moment’ –of breaking the bread of unity, to be vessels for the new wine, and to embrace the mystic confidence of our Mother, Teacher and Foundress, and to be faithful to history and courageously open to the future.<

Sr. Stella Maris Elena, MSC General Assistant


IMPORTANCIA DEL CAPÍTULO GENERAL

(…) ¡Jesús mío, me abandono en ti, HÁBLAME, INSTRÚYEME ILUMINAME! Haz de mí lo que te plazca para que yo te agrade y el Instituto sea absolutamente todo de tu adorabilísimo Corazón y te dé gloria”.

Pensieri e Propósiti, Retiro del viernes santo de 1884, pp 45-47.

               Estando en los meses previos al Capítulo General y viviendo tiempos históricos tan convulsionados y desconcertantes, la importancia que adquiere este acontecimiento eclesial absolutamente interpelante requiere, tal vez, una mayor actitud orante, suplicante y penitente que nunca.

Las Capitulares estamos llamadas a comprender en profundidad que, en este acontecimiento, no somos las verdaderas protagonistas, como tampoco lo son la posición, los cargos o la inteligencia y capacidad personal. ¿Qué es, entonces, lo que nos permite prepararnos al Capítulo como acontecimiento? Es la convicción de que Él actúa a través nuestro: Dios es el verdadero protagonista del Capítulo. Abrirnos a su Espíritu con las actitudes enunciadas, ahora, durante y después, hará posible que este momento neurálgicoen la vida del Instituto, nos permita hacer una revisión honesta y realista, tener una visión del presente con sus riquezas y carencias y discernir sobre una proyección que, sobre todo, mantenga vivo y fuerte el Carisma.

A partir de aquí, el Capítulo General empieza a transformarse en un tiempo de alianza, de cercanía con el Señor, de guardarnos con humildad en el Arca de su Corazón y de saber que con Él, estamos construyendo el tiempo de salvación.

Técnicamente, un Capítulo General es la Asamblea Soberana de los que han sido elegidos y convocados para tratar sobre los intereses espirituales, pastorales y materiales de una institución, pero la realidad es que todo el Instituto está espiritualmente activo, velando en oración para para que los miembros reunidos en el Cenáculo Capitular se abran, y permitan la libre acción del Espíritu para encontrar respuestas simples, nuevas y generosas a la luz del CARISMA y con la guía de quienes tengan la responsabilidad de la autoridad como servicio. Todos los miembros del Instituto están siendo instrumentos de mediación divina e instrumentos de salvación.

El tiempo previo al Capítulo es una oportunidad para que todos quienes compartimos el espíritu cabriniano, nos pongamos con los brazos abiertos ante el Señor para que asistiéndonos, nos haga comprender que:

  • Hay, como decía San Ignacio, “un Dios siempre mayor” y que su plan es siempre más grande que cualquier proyecto personal, y que este proyecto debe ser el principio de nuestra unidad y disciplina apostólica.
  • Que los proyectos iluminados y verdaderamente liberadores para ser apóstoles de hoy, privilegian la unidad al conflicto.
  • Que todo lo que hagamos como Instituto, primero debe ser vivido a nivel personal, comunitario y de equipos de trabajo.
  • Que la disponibilidad requiere constancia apostólica y mucha actitud contemplativa, para no confundir lo que es vertebral de lo que no lo es.

           Finalmente, un Capítulo General, con su trabajo de rendición y revisión de lo actuado, con su responsabilidad de elección y su misión de ser preclaro en los lineamientos de las Constituciones y los Estatutos, es el que nos ofrece el momento cenacular de partir el pan de la unidad, de ser vasijas nuevas para el vino nuevo y de abrazar la mística convicción heredada de nuestra Madre, Maestra y Fundadora, de ser fieles a la historia y valientemente abiertas al porvenir.


IMPORTANZA DEL CAPITOLO GENERALE

(…) Cuor di Gesù mio mi abbandono in te. PARLAMI, ISTRUISCIMI, ILLUMINAMI! Fate di me quel che volete, purché io piaccia a voi e L’Istituto sia proprio tutto del vostro adorabilissimo Cuore e vi renda gloria” 

Pensieri e Propositi, Ritiro del Venerdì Santo del 1884, pp 72-73 

               Stiamo vivendo i mesi che precedono il Capitolo Generale in un contesto storico nei suoi frangenti più inquietanti tanto che l’importanza di questo evento ecclesiale così impegnativo richiede più che mai una maggiore disposizione alla preghiera, alla supplica e alla penitenza.

Come Capitolari siamo chiamate a prendere coscienza fino in fondo che, in questo evento, non siamo noi le vere protagoniste, come non lo sono il ruolo, la carica o l’intelligenza e l’abilità personale. Cos’è, allora, che ci permette di prepararci al Capitolo in quanto evento? È la convinzione che Egli agisce attraverso di noi: Dio è il vero protagonista del Capitolo. Aprirci al suo Spirito con quelle disposizioni sopra esposte, farà sì che, ora, durante e dopo questo momento nevralgico della vita dell’Istituto, noi possiamo fare un bilancio onesto e realistico, avere una visione del presente con le sue ricchezze e mancanze, e discernere un progetto che, soprattutto, mantenga vivo e forte il Carisma.

A partire da qui, il Capitolo Generale comincia a trasformarsi in un tempo di alleanza, di vicinanza al Signore, in cui Egli ci custodisce con umiltà nell’Arca del suo Cuore e noi sappiamo che con Lui, stiamo costruendo il tempo della salvezza.

Tecnicamente, un Capitolo Generale è l’Assemblea Sovrana di coloro che sono stati eletti e convocati per occuparsi degli interessi spirituali, pastorali e materiali di un’istituzione, ma la realtà è che tutto l’Istituto è spiritualmente attivo, e veglia in preghiera affinché i membri riuniti nel Cenacolo Capitolare si aprano, e permettano alla libera azione dello Spirito di trovare risposte semplici, nuove e generose alla luce del CARISMA da parte di coloro che hanno la responsabilità dell’autorità come servizio. Tutti i membri dell’Istituto sono strumenti di mediazione divina e di salvezza.

Il tempo che precede il Capitolo è una opportunità per tutti noi, che condividiamo lo spirito cabriniano, di metterci a braccia aperte davanti al Signore affinché, con il suo aiuto, Egli ci faccia comprendere che:

  • C’è, come diceva Sant’Ignazio, “un Dio sempre più grande” e che il suo piano è sempre più ampio di qualsiasi progetto personale, e che questo progetto deve essere il principio della nostra unità e disciplina apostolica.
  • I progetti più illuminati e veramente liberatori per farci diventare apostoli dell’oggi privilegiano l’unità piuttosto che il conflitto.
  • Che tutto ciò che facciamo come Istituto deve essere vissuto prima di tutto a livello personale, comunitario e mediante gruppi di lavoro.
  • La disponibilità richiede costanza apostolica e una grande disposizione contemplativa, per non confondere ciò che è la colonna portante da ciò che non lo è.

           Per concludere, un Capitolo Generale, con il suo lavoro di verifica e di revisione di ciò che è stato fatto, con la sua responsabilità di scelta e la sua missione vocata alla chiarezza delle linee guida delle Costituzioni e degli Statuti, ci conduce al momento cenacolare per spezzare il pane dell’unità, per essere otri nuovi per il vino nuovo e per abbracciare la concezione mistica ereditata dalla nostra Madre, Maestra e Fondatrice, per essere fedeli alla storia e valorosamente aperte ai giorni che verranno.


IMPORTÂNCIA DO CAPÍTULO GERAL

(…) meu Jesus, abandono-me a Vós, FALAI-ME, INSTRUÍ-ME ILUMINAI-ME! Fazei de mim o que quiserdes para que eu vos agrade e o Instituto seja absolutamente todo do vosso adorabilíssimo Coração e vos glorifique”.

Pensamentos e Propósitos, Retiro da Sexta-feira Santa de 1884.

            Estando nos meses que antecedem o Capítulo Geral e vivendo em tempos históricos tão convulsivos e desconcertantes, a importância que este evento eclesial absolutamente desafiador adquire, exige mais do que nunca, uma atitude maior orante, suplicante e penitente.

Nós, Capitulares somos chamadas a compreender em profundidade que, neste acontecimento, não somos as verdadeiras protagonistas, nem tampouco a posição, os cargos ou a inteligência e capacidade pessoal. O que, então, permite-nos preparar o Capítulo como evento? É a convicção de que Ele age através de nós: Deus é o verdadeiro protagonista do Capítulo. Abrir-se ao seu Espírito com as atitudes mencionadas acima, nesse tempo que o precede, durante e depois, permitirá que este momento crucial da vida do Instituto nos permita fazer uma revisão honesta e realista, ter uma visão do presente com suas riquezas e carências e discernir uma projeção que, acima de tudo, mantenha o Carisma vivo e forte.

A partir daqui, o Capítulo Geral começa a tornar-se um tempo de aliança, de proximidade com o Senhor, de nos guardarmos humildemente na arca do seu Coração e de sabermos que com Ele estamos construindo o tempo da salvação.

Tecnicamente, um Capítulo Geral é a Assembleia Soberana daquelas que foram eleitas e convocadas para tratar dos interesses espirituais, pastorais e materiais de uma instituição, mas a realidade é que todo o Instituto está espiritualmente ativo, vigilante em oração, para que os membros reunidos no Cenáculo Capitular se abram e permitam que a ação livre do Espírito encontre respostas simples, novas e generosas à luz do CARISMA e com a orientação de quem tem a responsabilidade da autoridade como serviço. Todos os membros do Instituto estão sendo instrumentos de mediação divina e instrumentos de salvação.

O tempo que antecede o Capítulo é uma oportunidade para todas nós, que compartilhamos o espírito Cabriniano, colocar-nos de braços e corações abertos diante do Senhor para que, ajudando-nos, faça-nos compreender que:

  • Existe, como dizia Santo Inácio, “um Deus cada vez maior” e que o seu projeto é sempre maior do que qualquer projeto pessoal e, este projeto deve ser o início de nossa unidade e disciplina apostólica.
  • Que os projetos iluminados e verdadeiramente libertadores do Ser apóstolas/os de hoje favorecem a unidade sobre o conflito.
  • Que tudo o que fazemos como Instituto deve ser experimentado primeiro em nível pessoal, comunitário e de equipe de trabalho.
  • Essa disponibilidade exige perseverança apostólica e uma grande atitude contemplativa, para não confundir o que é essencial com o que não é.

            Enfim, um Capítulo Geral, com seu trabalho de entrega e revisão do que foi realizado, com sua responsabilidade de eleição e sua missão a ser considerado nas diretrizes das Constituições e Estatutos, é aquele que nos oferece o momento de cenáculo no partir o pão da unidade, de ser ‘vasos novos para o vinho novo’ e de abraçar a convicção mística herdada de nossa Madre, Mestra e Fundadora, de ser fieis à história e corajosamente abertas ao futuro.         

Comments

  1. 1
    Maria Palmira Giovannelli on April 19, 2022

    Estarei em oração, suplicando que o Espírito Santo ilumine o Capítulo Geral, guiando a todos que estiverem envolvidos, para que as decisões fortaleçam ainda mais a caminhada do Instituto.
    Um afetuoso abraço.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *