Sister Tatiana narrates about Coronavirus

It has already been 8 months since my last trip to Italy. It was February 2020 when I returned, and a few days later the whole world was shaken by the sad news in which Codogno was cited as the epicentre of Covid-19 in Italy.

Our small and quiet Codogno, with market, with people on bikes, with people coming to the Perpetual Eucharistic Adoration. With my dear sisters and lay collaborators of the Spirituality Centre and the House of the Sacred Heart. Codogno so quiet that it is a place of obedience made with love in the second half of the 19th century by Francesca Cabrini. Codogno as the “geographical place” where the Institute of the Missionaries of the Sacred Heart of Jesus was born, since the “mystical place” indicated by Cabrini herself was the Heart of Christ. Codogno had become the heart of solidarity and the symbol of resistance to the new virus. The news touched the heart.

I was used to them praying for me there, now I felt all the prayers and all the affection that I had just received towards Codogno. By “Codogno”, I also mean the territory that surrounds it. Many times I visited our sisters and people I knew in that hospital, every time I visit Codogno the place that I unfailingly want to visit for affection that I have, is the cemetery.
I was in contact with Mrs. Loredana Confortini and I heard that masks were missing, so I tried to send the masks and ultraviolet air recirculators for RSA and for the nuns, but at that time also in Russia there were already cases and it was forbidden to send by mail the masks, the medicines.
and anything else related to health care. It was still possible to travel, the borders were not closed, but knowing the level of alert I stayed at home.

In Russia in the spring, people started to lose their jobs and their wages, so they were unable to pay rent, canteen and other things. I am not directly involved in pastoral work with people, but I am in contact with various families and after brief communications for
telephone and in the social media we have identified some families who are in need and have prepared food parcels for them, some with the contribution of MSC. The women and children were less protected as always, but this time it was also the young men. While older people received food parcels from Caritas. Charity is not expressed in words like “I’m sorry, courage”, it is concrete. Now they are beginning to herald the second wave, maybe we still need to put our strength together.

What concerns my commitment in pastoral work with the mass media, in this period we have work, because our YouTube channel broadcasts the Holy Mass, now only on Sundays, while during lockdown it was every day.
At the end of March I had pneumonia, which then in April is revealed as a coronavirus in the severe medium form. So for me in this time it has been: to treat myself, to rely on doctors and to continue to exercise faith and hope. The path to recovery after virus is long, until August I was in care, now I feel better.
I thank the sisters and friends who were close with prayer and affection, which is the form of Charity, which we know remains forever.


Ya han pasado 8 meses desde mi último viaje a Italia. Era febrero de 2020 cuando regresé, y unos días después el mundo entero se estremeció por la triste noticia de que Codogno era citado como el epicentro de Covid-19 en Italia.

Nuestra pequeña y tranquila Codogno, con mercado, con gente en bicicleta, con gente que viene a la Adoración Eucarística Perpetua. Con mis queridas hermanas y colaboradores laicos del Centro de Espiritualidad y la Casa del Sagrado Corazón. Codogno tan tranquilo que es un lugar de obediencia hecho con amor en la segunda mitad del siglo XIX por Francesca Cabrini. Codogno como el “lugar geográfico” donde nació el Instituto de las Misioneras del Sagrado Corazón de Jesús, ya que el “lugar místico” indicado por la misma Cabrini era el Corazón de Cristo. Codogno se había convertido en el corazón de la solidaridad y el símbolo de la resistencia al nuevo virus. La noticia tocó el corazón.

Estaba acostumbrado a que rezaran por mí allí, ahora sentía todas las oraciones y todo el afecto que acababa de recibir hacia Codogno. Con “Codogno”, me refiero también al territorio que lo rodea. Muchas veces visité a nuestras hermanas y a la gente que conocía en ese hospital, cada vez que visito Codogno el lugar que indefectiblemente quiero visitar por el afecto que tengo, es el cementerio.
Estuve en contacto con la Sra. Loredana Confortini y me enteré de que faltaban máscaras, así que intenté enviar las máscaras y los recirculadores de aire ultravioleta para la RSA y para las monjas, pero en ese momento también en Rusia ya había casos y estaba prohibido enviar por correo las máscaras, los medicamentos.
y cualquier otra cosa relacionada con el cuidado de la salud. Todavía era posible viajar, las fronteras no estaban cerradas, pero conociendo el nivel de alerta me quedé en casa.

En Rusia, en la primavera, la gente empezó a perder sus trabajos y sus salarios, por lo que no podían pagar el alquiler, la cantina y otras cosas. No estoy directamente involucrado en el trabajo pastoral con la gente, pero estoy en contacto con varias familias y después de breves comunicaciones para teléfono y en los medios de comunicación social hemos identificado algunas familias necesitadas y hemos preparado paquetes de comida para ellas, algunos con la contribución del MSC. Las mujeres y los niños estaban menos protegidos como siempre, pero esta vez también los jóvenes. Mientras que las personas mayores recibieron paquetes de comida de Cáritas. La caridad no se expresa con palabras como “lo siento, coraje”, es concreta. Ahora están empezando a anunciar la segunda ola, tal vez todavía tenemos que juntar nuestras fuerzas.

En cuanto a mi compromiso en la pastoral con los medios de comunicación, en este período tenemos trabajo, porque nuestro canal de YouTube transmite la Santa Misa, ahora sólo los domingos, mientras que durante el cierre era todos los días.
A finales de marzo tuve una neumonía, que luego en abril se revela como un coronavirus en la forma media severa. Así que para mí en este tiempo ha sido: tratarme, confiar en los médicos y seguir ejerciendo la fe y la esperanza. El camino a la recuperación después del virus es largo, hasta agosto estuve en cuidados, ahora me siento mejor.
Agradezco a las hermanas y amigos que estuvieron cerca con la oración y el afecto, que es la forma de la Caridad, que sabemos que permanece para siempre.


Sono già passati 8 mesi dal mio ultimo viaggio in Italia. Era il febbraio 2020 quando sono tornato, e pochi giorni dopo tutto il mondo è stato scosso dalla triste notizia che Codogno è stato citato come epicentro di Covid-19 in Italia.

Il nostro piccolo e tranquillo Codogno, con il mercato, con la gente in bicicletta, con la gente che viene all’Adorazione Eucaristica Perpetua. Con le mie care sorelle e i collaboratori laici del Centro di Spiritualità e della Casa del Sacro Cuore. Codogno così tranquillo che è un luogo di obbedienza fatta con amore nella seconda metà dell’Ottocento da Francesca Cabrini. Codogno come il “luogo geografico” dove è nato l’Istituto dei Missionari del Sacro Cuore di Gesù, poiché il “luogo mistico” indicato dalla stessa Cabrini era il Cuore di Cristo. Codogno era diventato il cuore della solidarietà e il simbolo della resistenza al nuovo virus. La notizia ha toccato il cuore.

Ero abituato a loro che pregavano per me lì, ora sentivo tutte le preghiere e tutto l’affetto che avevo appena ricevuto verso Codogno. Con “Codogno” intendo anche il territorio che lo circonda. Molte volte ho visitato le nostre sorelle e le persone che conoscevo in quell’ospedale, ogni volta che vado a Codogno il luogo che voglio immancabilmente visitare per l’affetto che ho, è il cimitero.
Ero in contatto con la signora Loredana Confortini e ho sentito che mancavano le maschere, così ho cercato di inviare le maschere e i ricircolatori d’aria ultravioletti per la RSA e per le suore, ma a quel tempo anche in Russia c’erano già dei casi ed era vietato inviare per posta le maschere, le medicine.
e tutto ciò che riguardava l’assistenza sanitaria. Si poteva ancora viaggiare, le frontiere non erano chiuse, ma conoscendo il livello di allerta sono rimasto a casa.

In Russia, in primavera, la gente cominciava a perdere il lavoro e il salario, quindi non era in grado di pagare l’affitto, la mensa e altre cose. Non sono direttamente coinvolto nel lavoro pastorale con la gente, ma sono in contatto con varie famiglie e dopo brevi comunicazioni per
Al telefono e sui social media abbiamo individuato alcune famiglie bisognose e abbiamo preparato pacchi alimentari per loro, alcuni con il contributo di MSC. Le donne e i bambini erano meno protetti come sempre, ma questa volta sono stati anche i giovani. Mentre gli anziani hanno ricevuto pacchi alimentari dalla Caritas. La carità non si esprime con parole come “mi dispiace, coraggio”, ma è concreta. Ora cominciano ad annunciare la seconda ondata, forse abbiamo ancora bisogno di mettere insieme le nostre forze.

Per quanto riguarda il mio impegno nella pastorale con i mass media, in questo periodo abbiamo lavoro, perché il nostro canale YouTube trasmette la Santa Messa, ora solo la domenica, mentre durante l’isolamento era tutti i giorni.
A fine marzo ho avuto la polmonite, che poi ad aprile si è rivelata come un coronavirus nella forma mediatica grave. Così per me in questo tempo è stato: curarmi, affidarmi ai medici e continuare a esercitare la fede e la speranza. La strada per la guarigione dopo il virus è lunga, fino ad agosto ero in cura, ora mi sento meglio.
Ringrazio le sorelle e gli amici che mi sono stati vicini con la preghiera e l’affetto, che è la forma della Carità, che sappiamo che rimane per sempre.


Já se passaram 8 meses desde minha última viagem à Itália. Era fevereiro de 2020 quando voltei, e alguns dias depois o mundo inteiro foi abalado pela triste notícia em que Codogno foi citado como o epicentro do Covid-19 na Itália.

Nosso pequeno e tranqüilo Codogno, com mercado, com pessoas em bicicletas, com pessoas vindo para a Perpétua Adoração Eucarística. Com minhas queridas irmãs e colaboradores leigos do Centro de Espiritualidade e da Casa do Sagrado Coração. Codogno tão quieto que é um lugar de obediência feito com amor na segunda metade do século XIX por Francesca Cabrini. Codogno como o “lugar geográfico” onde nasceu o Instituto dos Missionários do Sagrado Coração de Jesus, pois o “lugar místico” indicado pelo próprio Cabrini era o Coração de Cristo. Codogno havia se tornado o coração da solidariedade e o símbolo da resistência ao novo vírus. A notícia tocou o coração.

Eu estava acostumado a rezar por mim lá, agora eu sentia todas as orações e todo o carinho que acabava de receber em relação ao Codogno. Por “Codogno”, entendo também o território que o cerca. Muitas vezes eu visitava nossas irmãs e pessoas que conhecia naquele hospital, cada vez que visitava o Codogno, o lugar que eu queria visitar por afeto que eu tenho, era o cemitério.
Estava em contato com a Sra. Loredana Confortini e soube que faltavam máscaras, por isso tentei enviar as máscaras e os recirculadores de ar ultravioleta para a RSA e para as freiras, mas naquela época também na Rússia já havia casos e era proibido enviar por correio as máscaras, os medicamentos.
e qualquer outra coisa relacionada ao cuidado da saúde. Ainda era possível viajar, as fronteiras não estavam fechadas, mas sabendo o nível de alerta que eu permanecia em casa.

Na Rússia, na primavera, as pessoas começaram a perder seus empregos e seus salários, de modo que não podiam pagar aluguel, cantina e outras coisas. Não estou diretamente envolvido no trabalho pastoral com as pessoas, mas estou em contato com várias famílias e após breves comunicações para por telefone e na mídia social, identificamos algumas famílias que estão em necessidade e preparamos pacotes de alimentos para elas, algumas com a contribuição do MSC. As mulheres e crianças estavam menos protegidas como sempre, mas desta vez foram também os homens jovens. Enquanto as pessoas mais velhas recebiam pacotes de alimentos da Cáritas. A caridade não se expressa em palavras como “desculpe, coragem”, é concreta. Agora eles estão começando a anunciar a segunda onda, talvez ainda precisemos unir nossas forças.

O que diz respeito ao meu compromisso no trabalho pastoral com a mídia de massa, neste período temos trabalho, porque nosso canal YouTube transmite a Santa Missa, agora apenas aos domingos, enquanto que durante o bloqueio ela era todos os dias.
No final de março eu tive pneumonia, que então em abril é revelada como um coronavírus na forma severa média. Assim para mim neste tempo foi: para me tratar, para confiar nos médicos e para continuar exercitando a fé e a esperança. O caminho para a recuperação após o vírus é longo, até agosto eu estava em tratamento, agora eu me sinto melhor.
Agradeço às irmãs e amigos que estiveram próximos com oração e carinho, que é a forma de Caridade, que sabemos que permanece para sempre.

Hits: 15

Leave a Comment

Il tuo indirizzo email non sarà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati *

*
*