~Fairfield County Catholic

When Lucille Souza was a high school freshman in Burbank, California, the idea crossed her mind that maybe, just maybe, she might be called to the religious life. Her parents, who were immigrants from Portugal, worked hard to make a good life for their family, and they sent her to a school run by Mother Cabrini’s Missionary Sisters of the Sacred Heart of Jesus.

Sr. Lucille Souza

“I was very active in school,” she recalled. “I played sports and did all different kinds of things. I never really thought of entering the convent until my freshman year when I kind of had this calling.”

When she was growing up, her mother always asked, “Don’t you want to become a sister?” And Lucille would promptly repond, “No, I don’t! Don’t even talk about it!”

But, by senior year, the desire became very, very strong, largely inspired by the example of sisters in her school.

“Then, when I told my mother I wanted to enter the convent, she said, ‘Oh no! Don’t even talk about it!” She was not happy with her daughter’s decision, but her father was.

And so, at 18 years old, right out of high school, she entered the Missionary Sisters of the Sacred Heart of Jesus and within a month she was teaching second grade at a school in Brooklyn, NY.

Recalling the sisters who inspired her, she said, “I knew this is what I wanted because I saw the sisters interacting with one another and how they loved each other and how they reached out to us girls, not just for the academics, but for our personal lives, and to help us grow and know Christ. That’s what really motivated me.”

Today, years later, after dedicating her life to the order, Sr. Lucille Souza, MSC has accomplished many things through the Sacred Heart of Jesus and the example of St. Frances Xavier Cabrini, the Patroness of Immigrants and the first American citizen saint.

Sister recently spoke at the Cabrini Mass at Sacred Heart Church, which is sponsored by Catholic Charities of Fairfield County, CT. It commemorates the Italian-American founder of the religious order, who supported immigrants throughout the United States and established 67 institutions, including schools, orphanages and hospitals that cared for the poor and marginalized.

“Mother’s message today is as it has been throughout her whole life and that is love – bringing the love of Christ to the whole world,” Sr. Lucille said. “That is the message the Missionary Cabrini Sisters bring to the world. Bringing that love means feeding the poor and reaching out to those in hardship. Mother really had a devotion to the Sacred Heart of Jesus, and that is the devotion and charism she has passed on to us.”

Mother’s deep love of the Sacred Heart is what propelled her to do everything she did. It was that love of him that he shared with her and, and she reciprocated that love to people she met along the way. “That is what we are trying to do today through that same love, that same going out of ourselves to give to others, especially those who are in dire straits,” she said.


Cuando Lucille Souza era una estudiante de primer año de secundaria en Burbank, California, se le pasó por la cabeza la idea de que tal vez, sólo tal vez, podría ser llamada a la vida religiosa. Sus padres, inmigrantes portugueses, se esforzaron por sacar adelante a su familia y la enviaron a un colegio de las Hermanas Misioneras del Sagrado Corazón de Jesús de la Madre Cabrini.
“Era muy activa en la escuela”, recuerda. “Hacía deporte y todo tipo de cosas. Nunca pensé realmente en entrar en el convento hasta mi primer año, cuando sentí esa llamada”.
Cuando crecía, su madre siempre le preguntaba: “¿No quieres ser hermana?”. Y Lucille respondía rápidamente: “¡No, no quiero! Ni siquiera hables de ello”.
Pero, en el último año, el deseo se hizo muy, muy fuerte, en gran parte inspirado por el ejemplo de las hermanas en su escuela.

“Entonces, cuando le dije a mi madre que quería entrar en el convento, me dijo: ‘¡Oh, no! Ni siquiera hables de ello”. Ella no estaba contenta con la decisión de su hija, pero su padre sí.

Y así, a los 18 años, nada más salir del instituto, ingresó en las Hermanas Misioneras del Sagrado Corazón de Jesús y en un mes estaba dando clases de segundo grado en una escuela de Brooklyn, Nueva York.

Recordando a las hermanas que la inspiraron, dijo: “Supe que esto era lo que quería porque vi a las hermanas interactuar entre ellas y cómo se amaban y cómo nos tendían la mano a las niñas, no sólo en lo académico, sino en nuestra vida personal, y para ayudarnos a crecer y conocer a Cristo. Eso es lo que realmente me motivó”.

Hoy, años después, tras dedicar su vida a la orden, la Hna. Lucille Souza, MSC ha logrado muchas cosas a través del Sagrado Corazón de Jesús y el ejemplo de Santa Francisca Xavier Cabrini, la Patrona de los Inmigrantes y la primera santa ciudadana estadounidense.

La Hermana habló recientemente en la Misa de Cabrini en la Iglesia del Sagrado Corazón, patrocinada por Caridades Católicas del Condado de Fairfield, CT. Conmemora a la fundadora italo-americana de la orden religiosa, que apoyó a los inmigrantes en todo Estados Unidos y estableció 67 instituciones, incluyendo escuelas, orfanatos y hospitales que atendían a los pobres y marginados.

“El mensaje de la Madre hoy es como lo ha sido a lo largo de toda su vida y es el amor: llevar el amor de Cristo a todo el mundo”, dijo la Hna. Lucille. “Ese es el mensaje que las Hermanas Misioneras Cabrini llevan al mundo. Llevar ese amor significa alimentar a los pobres y atender a los que tienen dificultades. La Madre realmente tenía una devoción por el Sagrado Corazón de Jesús, y esa es la devoción y el carisma que nos ha transmitido”.

El profundo amor de la Madre al Sagrado Corazón es lo que la impulsó a hacer todo lo que hizo. Fue ese amor que compartió con ella y, y ella correspondió ese amor a las personas que encontró en el camino. “Eso es lo que intentamos hacer hoy con ese mismo amor, con ese mismo salir de nosotros mismos para dar a los demás, especialmente a los que están en apuros”, dijo.


Quando Lucille Souza era una matricola di scuola superiore a Burbank, in California, le passò per la mente l’idea che forse, solo forse, poteva essere chiamata alla vita religiosa. I suoi genitori, immigrati dal Portogallo, hanno lavorato duramente per creare una buona vita per la loro famiglia, e l’hanno mandata in una scuola gestita dalle Suore Missionarie del Sacro Cuore di Gesù di Madre Cabrini.
“Ero molto attiva a scuola”, ha ricordato. “Facevo sport e facevo tutti i tipi di cose. Non ho mai pensato veramente di entrare in convento fino al mio primo anno, quando ho avuto questa specie di chiamata”.
Quando stava crescendo, sua madre le chiedeva sempre: “Non vuoi diventare una suora?”. E Lucille rispondeva prontamente: “No, non voglio! Non parlarne nemmeno!”.
Ma, all’ultimo anno, il desiderio divenne molto, molto forte, in gran parte ispirato dall’esempio delle sorelle nella sua scuola.

“Poi, quando dissi a mia madre che volevo entrare in convento, lei disse: ‘Oh no! Non parlarne nemmeno!”. Non era contenta della decisione di sua figlia, ma suo padre sì.

E così, a 18 anni, appena finita la scuola superiore, entrò nelle Suore Missionarie del Sacro Cuore di Gesù e nel giro di un mese insegnava in seconda elementare in una scuola di Brooklyn, NY.

Ricordando le sorelle che l’hanno ispirata, ha detto: “Sapevo che questo era ciò che volevo perché ho visto le sorelle interagire tra loro e come si amavano e come si rivolgevano a noi ragazze, non solo per gli studi, ma per la nostra vita personale, e per aiutarci a crescere e a conoscere Cristo. Questo è ciò che mi ha veramente motivato”.

Oggi, a distanza di anni, dopo aver dedicato la sua vita all’ordine, sr. Lucille Souza, MSC ha realizzato molte cose attraverso il Sacro Cuore di Gesù e l’esempio di Santa Francesca Saverio Cabrini, la Patrona degli immigrati e la prima santa cittadina americana.

Suor Cabrini ha recentemente parlato alla Messa Cabrini presso la Chiesa del Sacro Cuore, che è sponsorizzata dalla Catholic Charities di Fairfield County, CT. Essa commemora la fondatrice italo-americana dell’ordine religioso, che sostenne gli immigrati in tutti gli Stati Uniti e fondò 67 istituzioni, tra cui scuole, orfanotrofi e ospedali che si occupavano dei poveri e degli emarginati.

“Il messaggio della Madre oggi è quello che è stato per tutta la sua vita: l’amore – portare l’amore di Cristo al mondo intero”, ha detto Suor Lucille. “Questo è il messaggio che le Suore Missionarie Cabrini portano al mondo. Portare questo amore significa nutrire i poveri e raggiungere coloro che si trovano in difficoltà. La Madre aveva davvero una devozione al Sacro Cuore di Gesù, e questa è la devozione e il carisma che ci ha trasmesso”.

Il profondo amore della Madre per il Sacro Cuore è ciò che la spingeva a fare tutto ciò che faceva. Era quell’amore che condivideva con lei e, e lei ricambiava quell’amore alle persone che incontrava lungo la strada. “Questo è ciò che cerchiamo di fare oggi attraverso quello stesso amore, quello stesso uscire da noi stessi per dare agli altri, specialmente a coloro che sono in gravi difficoltà”, ha detto.


Quando Lucille Souza era uma caloura do ensino médio em Burbank, Califórnia, a idéia lhe passou pela cabeça que talvez, apenas talvez, ela pudesse ser chamada para a vida religiosa. Seus pais, que eram imigrantes de Portugal, trabalharam duro para fazer uma boa vida para sua família, e a enviaram para uma escola dirigida pelas Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus de Madre Cabrini.
“Eu era muito ativa na escola”, lembrou ela. “Eu praticava esportes e fazia todo tipo de coisas diferentes. Nunca pensei realmente em entrar no convento até meu primeiro ano de calouro, quando eu tinha esse tipo de vocação”.
Quando ela estava crescendo, sua mãe sempre perguntava: “Você não quer se tornar uma irmã?”. E Lucille respondia prontamente: “Não, eu não quero! Nem fale sobre isso!”
Mas, no último ano, o desejo se tornou muito, muito forte, em grande parte inspirado pelo exemplo das irmãs em sua escola.

“Então, quando eu disse a minha mãe que queria entrar no convento, ela disse: ‘Oh, não! Nem fale sobre isso”! Ela não estava contente com a decisão de sua filha, mas seu pai estava.

E assim, aos 18 anos de idade, logo após o ensino médio, ela entrou nas Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus e dentro de um mês ela estava lecionando na segunda série em uma escola no Brooklyn, NY.

Recordando as irmãs que a inspiraram, ela disse: “Eu sabia que isto era o que eu queria porque via as irmãs interagindo umas com as outras e como elas se amavam e como elas nos procuravam, não apenas pelos acadêmicos, mas por nossas vidas pessoais, e para nos ajudar a crescer e conhecer Cristo”. Isso foi o que realmente me motivou”.

Hoje, anos depois, depois de dedicar sua vida à ordem, Ir. Lucille Souza, MSC realizou muitas coisas através do Sagrado Coração de Jesus e do exemplo de Santa Francisca Xavier Cabrini, a Padroeira dos Imigrantes e a primeira santa cidadã americana.

A Irmã falou recentemente na Missa Cabrini na Igreja do Sagrado Coração, que é patrocinada pela Catholic Charities of Fairfield County, CT. Ela comemora o fundador ítalo-americano da ordem religiosa, que apoiou imigrantes em todos os Estados Unidos e estabeleceu 67 instituições, incluindo escolas, orfanatos e hospitais que cuidavam dos pobres e marginalizados.

“A mensagem da mãe hoje é como tem sido durante toda sua vida e isso é amor – levar o amor de Cristo ao mundo inteiro”, disse Ir. Lucille. “Esta é a mensagem que as Irmãs Missionárias Cabrini trazem ao mundo”. Trazer esse amor significa alimentar os pobres e estender a mão aos que estão em dificuldades”. A Mãe realmente tinha uma devoção ao Sagrado Coração de Jesus, e essa é a devoção e o carisma que ela transmitiu para nós”.

O profundo amor da Mãe pelo Sagrado Coração de Jesus foi o que a impulsionou a fazer tudo o que ela fez. Foi esse amor por ele que ele compartilhou com ela e, e ela retribuiu esse amor às pessoas que conheceu ao longo do caminho. “É isso que estamos tentando fazer hoje através desse mesmo amor, esse mesmo sair de nós mesmos para dar aos outros, especialmente àqueles que estão em dificuldades extremas”, disse ela.

Leave a Reply

Your email address will not be published.