Today is the Feast of the Sacred Heart, established by Pope Clement XIII in 1765. Let us discover together why this solemnity was for Mother Cabrini and is still so important for our Institute today, so much so that it is present in the naming of our missionaries.


Mother Cabrini never theorized about her spiritual experience, drawn mainly from the cult of the Sacred Heart, but through her Christian experience, her actions, her gestures, her options and her many writings, we can come to deduce some keys to understanding her spirituality as lived and experienced in missionary life. The fundamental characteristics are those, as mentioned above, of the spirituality of the Sacred Heart, all centered on sharing the feelings of the Heart of Jesus, making His interests, His preferences one’s own, “learning from Him gentle and humble of heart” (Mt. 11:29), sharing His mission of salvation, offering oneself in oblation, for humanity and in reparation for sin. Mother Cabrini takes on all the richness and depth of the experience of this spirituality, which, however, she continually adapts to the needs of missionary life, working to overcome those intimistic aspects, even if very valid, in favor of an active, preventive and curative reparation for the evils of humanity. On the other hand, the historical period in which Mother Cabrini lived was characterized by a strong emphasis on the cult of the Sacred Heart because of the same political situations that were being experienced in the second half of the 1800s. The accentuation of secularization, which affected not only the fields of science, politics and culture, but also the sphere of morals and customs, seriously worried the Church, which was going through a difficult period that endangered its very survival. (pag.12)
In 1875, Mother Cabrini was then 25 years old, on the occasion of the second centenary of the revelations to B. Margaret Mary Alacoque, Pius IX had called on the Catholic world to consecrate itself to the Sacred Heart of Jesus, Bishop Gelmini (who would later advise Mother Cabrini to found her a missionary institute) of the diocese of Lodi, strongly urged “everyone” to make this Act of Consecration and to make their consecration lasting by renewing it every week or at least every first Friday of the month. This practice was later taken up by Mother Cabrini, who formally incorporated it into her own religious institute. (pag. 13)
The worship of the Sacred Heart, which had a deeply spiritual influence for Mother Cabrini because of her adherence to God’s plan of love for humanity, later became a social reparation in her work as well. One often finds very strong phrases in Mother Cabrini’s writings that indicate her ardent desire to snatch from the realm of evil, Satan, souls in danger of being lost (pag.16)

Free yourselves and Put on Wings

Hoy es la fiesta del Sagrado Corazón, instituida por el Papa Clemente XIII en 1765. Descubramos juntos por qué esta solemnidad fue para la Madre Cabrini y sigue siendo tan importante para nuestro Instituto hoy, tanto que está presente en la denominación de nuestros misioneros.


La Madre Cabrini nunca teorizó su experiencia espiritual, que extrajo principalmente del culto al Sagrado Corazón, pero a través de su experiencia cristiana, de sus acciones, de sus opciones y de sus numerosos escritos, podemos deducir algunas claves para entender su espiritualidad vivida y experimentada en la vida misionera. Las características fundamentales son las propias, como hemos dicho, de la espiritualidad del Sagrado Corazón, todas ellas centradas en compartir los sentimientos del Corazón de Jesús, haciendo propios sus intereses, sus preferencias, “aprendiendo de Él la mansedumbre y la humildad de corazón” (Mt 11,29), compartiendo su misión de salvación, ofreciéndose en oblación, por la humanidad y en reparación del pecado. La Madre Cabrini asume toda la riqueza y profundidad de la experiencia de esta espiritualidad, que, sin embargo, adapta continuamente a las exigencias de la vida misionera, superando aquellos aspectos intimistas, aunque muy válidos, en favor de una reparación activa, preventiva y curativa de los males de la humanidad. Por otra parte, el período histórico en el que vivió la Madre Cabrini se caracterizó por un fuerte énfasis en el culto al Sagrado Corazón debido a las mismas situaciones políticas que se vivían en la segunda mitad del siglo XIX. La acentuación de la secularización, que afectaba no sólo a los ámbitos de la ciencia, la política y la cultura, sino también a la esfera de la moral y las costumbres, preocupaba seriamente a la Iglesia, que atravesaba un período difícil que ponía en peligro su propia supervivencia. (pág. 12)
En 1875, la Madre Cabrini tenía entonces 25 años, con motivo del segundo centenario de las revelaciones a B. Margarita María Alacoque, Pío IX había invitado al mundo católico a consagrarse al Sagrado Corazón de Jesús, el obispo Gelmini (que más tarde aconsejaría a la Madre Cabrini para fundar un Instituto misionero) de la diócesis de Lodi, instó encarecidamente a “todos” a realizar este acto de consagración y a hacer duradera su consagración renovándola cada semana o, al menos, cada primer viernes de mes. Esta práctica fue retomada posteriormente por la Madre Cabrini, que la incorporó formalmente a su propio Instituto religioso. (pág. 13)
El culto al Sagrado Corazón, que tuvo una profunda influencia espiritual en la Madre Cabrini por su adhesión al plan de amor de Dios para la humanidad, se convirtió después también en una reparación social en su obra. En los escritos de la Madre Cabrini se encuentran a menudo frases muy fuertes que indican su ardiente deseo de arrebatar al reino del mal, a Satanás, las almas en peligro de perderse (pág. 16)

Libérense y desplieguen sus alas

Oggi è la Festa del Sacro Cuore, istituita da Papa Clemente XIII nel 1765. Scopriamo insieme perchè questa solennità è stata per Madre Cabrini ed è così importante ancora oggi per il nostro Istituto, tanto da essere presente nella denominazione delle nostre missionarie.


Madre Cabrini non teorizzò mai la sua esperienza spirituale, attinta soprattutto al culto del Sacro Cuore, ma attraverso la sua esperienza cristiana, la sua azione, i suoi gesti, le sue opzioni ed i suoi numerosi scritti, si può arrivare a dedurre alcune chiavi di lettura della sua spiritualità vissuta e sperimentata nella vita missionaria. Le caratteristiche fondamentali sono quelle, come si è detto, della spiritualità del Sacro Cuore, tutte incentrate a condividere i sentimenti del Cuore di Gesù, a far propri i suoi interessi, le sue preferenze, “imparando da Lui dolce ed umile di cuore” (Mt. 11,29), condividendo la sua missione di salvezza, offrendo se stessi in oblazione, per l’umanità e in riparazione del peccato. Madre Cabrini assume tutta la ricchezza e profondità dell’esperienza di questa spiritualità che però adatta continuamente alle esigenze della vita missionaria, operando un superamento di quegli aspetti intimistici anche se molto validi, in favore di una riparazione attiva, preventiva e curativa dei mali dell’umanità. D’altra parte il periodo storico in cui visse Madre Cabrini era caratterizzato da un forte accento al culto del Sacro Cuore per le stesse situazioni politiche che nella seconda metà dell’800 si stavano vivendo. L’accentuarsi della secolarizzazione che investiva non solo i campi della scienza, della politica e della cultura, ma anche la sfera della morale e dei costumi, impensieriva seriamente la Chiesa che stava vivendo un difficile periodo che metteva in pericolo la sua stessa sopravvivenza. (pag.12)
Nel 1875, Madre Cabrini aveva allora 25 anni, in occasione del secondo centenario delle rivelazioni alla B. Margherita Maria Alacoque, Pio IX aveva invitato il mondo cattolico a consacrarsi al Sacro Cuore di Gesù, il Vescovo Gelmini (che più tardi consiglierà Madre Cabrini a fondare lei un Istituto missionario) della diocesi di Lodi, esortava caldamente “tutti” a compiere questo Atto di Consacrazione e a rendere duratura la propria consacrazione rinnovandola ogni settimana o almeno ogni primo venerdì del mese. Questa pratica fu poi assunta da Madre Cabrini che la inserì formalmente nel proprio Istituto religioso. (pag.13)
Il culto al Sacro Cuore che ebbe per Madre Cabrini una influenza profondamente spirituale per la sua adesione al progetto d’amore di Dio per l’umanità, divenne poi una riparazione anche sociale nella sua opera. Spesso si trovano frasi molto forti negli scritti di Madre Cabrini che indicano il suo ardente desiderio di strappare al regno del male, satana, anime in pericolo di perdersi (pag.16)

Scioglietevi e mettete le ali

Hoje é a Festa do Sagrado Coração, instituída pelo Papa Clemente XIII em 1765. Descubramos juntos por que esta solenidade foi tão importante para Madre Cabrini e ainda hoje é tão importante para nosso Instituto, tanto que está presente na denominação de nossos missionários.


Madre Cabrini nunca teorizou sua experiência espiritual, que ela tirou principalmente do culto ao Sagrado Coração, mas através de sua experiência cristã, suas ações, suas opções e seus numerosos escritos, podemos deduzir algumas chaves para entender sua espiritualidade como vivida e vivida na vida missionária. As características fundamentais são aquelas, como já dissemos, da espiritualidade do Sagrado Coração, todas centradas em compartilhar os sentimentos do Coração de Jesus, fazendo seus interesses, suas preferências próprias, “aprendendo dEle gentil e humilde de coração” (Mt 11,29), compartilhando sua missão de salvação, oferecendo-se em oblação, pela humanidade e em reparação pelo pecado. Madre Cabrini assume toda a riqueza e profundidade da experiência desta espiritualidade, que, no entanto, ela se adapta continuamente às exigências da vida missionária, superando aqueles aspectos intimistas, ainda que muito válidos, em favor de uma reparação ativa, preventiva e curativa para os males da humanidade. Por outro lado, o período histórico em que Madre Cabrini viveu foi caracterizado por uma forte ênfase no culto ao Sagrado Coração, devido às mesmas situações políticas que estavam sendo vividas na segunda metade do século XIX. A acentuação da secularização, que afetou não apenas os campos da ciência, da política e da cultura, mas também a esfera da moral e dos costumes, preocupou seriamente a Igreja, que atravessava um período difícil que punha em perigo sua própria sobrevivência. (pág. 12)
Em 1875, Madre Cabrini tinha então 25 anos de idade, por ocasião do segundo centenário das revelações a B. Margaret Mary Alacoque, Pio IX havia convidado o mundo católico a se consagrar ao Sagrado Coração de Jesus, Dom Gelmini (que depois aconselharia Madre Cabrini a fundar um Instituto missionário) da diocese de Lodi, exortou fortemente “todos” a fazer este Ato de Consagração e a tornar sua consagração duradoura, renovando-a a cada semana ou, pelo menos, a cada primeira sexta-feira do mês. Esta prática foi posteriormente retomada por Madre Cabrini que a incorporou formalmente em seu próprio Instituto religioso. (pág. 13)
O culto ao Sagrado Coração, que teve uma profunda influência espiritual sobre Madre Cabrini por causa de sua adesão ao plano de amor de Deus pela humanidade, mais tarde tornou-se também uma reparação social em seu trabalho. É comum encontrar frases muito fortes nos escritos de Madre Cabrini que indicam seu ardente desejo de arrancar do reino do mal, Satanás, almas em perigo de serem perdidas (pág.16)

Desprendei-vos e-criai asas

Leave a Reply

Your email address will not be published.