Today I would like to remember the families who can’t leave home. Maybe the only horizon they have is the balcony. And in there, the family, with the children, the kids, the parents… so that they can find a way to communicate well with each other, to build relationships of love in the family, and to overcome the distress of this time together, in the family. Let us pray for the peace of families today, in this crisis, and for creativity“. It was with this thought for parents and children forced home by the pandemic that Pope Francis began the morning mass broadcast live from Casa Santa Marta on March 21.

There is a lot of talk about the survival of families “forced” to live together for 24 hours sometimes in comic tones and sometimes in more serious tones because it is very common the belief that the members of the same family do not know each other well enough and that real life is out there.

I find myself in countertrend. It is true that family life is made up of small, repeated efforts. Sometimes we waste time and energy calculating how much more weight I carry than the other, and how much greater my commitment, my skill are. So let us look at Jesus taking up the cross and remember his entrustment to the Father, when he was still in the garden of olives. From the Father Jesus takes the strength to transform the shameful wood into a promise of eternal love. It’s a journey from the ego to the discovery of the other.

As a mother I had to make courageous choices that led me to slow down and sometimes to cancel my professional career in order to favour and put my family first. Often I was very criticized and sometimes I too had moments of second thoughts. Yet in this moment I am witnessing events that have made me proud of my choices that others and myself too have called renunciations.

My eldest son is in charge of food shopping and therefore forced queuing up long.

Together with his younger brother, he created a Whatsapp group by asking me for the mobile phones of the neighbours who are very old. They sent them a message offering to do the shopping for them and give it to them along with the medicine. They also called them with the video call to keep them entertained. They also brighten up their grandparents’ days. They also continue to study from a distance and do their homework diligently.

My husband, on the other hand, has a special permit to move because he works in private health care and so he is out all day but he is fine because he knows he can count on our responsibility.

In the evening, before dedicating ourselves to our activities, we spend some time together reflecting on one of the Stations of the Cross as we are in Lent. We take courage and work out together what is happening, each according to his or her own sensitivity.

Each of us learns a different lesson but certainly being together 24 hours a day does not represent a burden for us but an opportunity to enjoy each other better.

And it is in this situation that I wonder what would have happened to my family now if I had made different choices oriented only towards my professional career. I don’t have an answer and maybe it’s better not to give it. It speaks for itself.

As Jesus teaches us, we must take our Cross and carry it forward as best we can, without turning back but looking forward.

~ Germana, Executive Secretary MSC Generalate


LA MIA VITA IN FAMIGLIA AI TEMPI DEL CORONA VIRUS

“Oggi vorrei ricordare le famiglie che non possono uscire di casa. Forse l’unico orizzonte che hanno è il balcone. E lì dentro, la famiglia, con i bambini, i ragazzi, i genitori… perché sappiano trovare il modo di comunicare bene tra loro, di costruire rapporti d’amore nella famiglia, e sappiano vincere le angosce di questo tempo insieme, in famiglia. Preghiamo per la pace delle famiglie oggi, in questa crisi e per la creatività”. E’ con questo pensiero a genitori e figli costretti a casa dalla pandemia che il papa Francesco ha iniziato il 21 marzo la messa mattutina trasmessa in diretta streaming da Casa Santa Marta.

Si parla molto della sopravvivenza delle famiglie “costrette” a vivere insieme per 24h a volte con toni comici e a volte con toni più seri poiché è molto comune la convinzione che i membri di una stessa famiglia non si conoscano abbastanza e che la vera vita sia là fuori. Mi trovo ad essere in controtendenza. E’ vero che la vita familiare è fatta di piccole e ripetute fatiche. A volte perdiamo tempo ed energie a calcolare quanto peso porto in più rispetto all’altro, quanto maggiore è il mio impegno, la mia bravura. Guardiamo allora a Gesù che prende la croce e ricordiamo il suo affidamento al Padre, quando era ancora nell’orto degli ulivi. Dal padre Gesù prende la forza per trasformare il legno vergognoso in promessa d’amore eterno.

Come madre ho dovuto fare scelte coraggiose che mi hanno portata a rallentare e a volte ad annullare la mia carriera professionale per favorire e mettere al primo posto la mia famiglia. Spesso sono stata molto criticata e anch’io a volte ho avuto momenti di ripensamento. Eppure in questo momento storico ho assistito a dei fatti che mi hanno reso orgogliosa delle mie scelte che altri hanno definito rinunce.

Mio figlio maggiore si è incaricato di fare la spesa e quindi a fare lunghe file.

Insieme al fratello minore ha creato un gruppo Whatsapp chiedendomi i cellulare dei vicini di casa che sono molto anziani. Hanno inviato loro un messaggio offrendosi di fare la spesa per loro e di consegnargliela unitamente alle medicine. Inoltre li chiamano con la video chiamata per tenere loro un po’ di compagnia. Inoltre allietano anche le giornate dei loro nonni.

Inoltre continuano a studiare a distanza e a svolgere i loro compiti.

Mio marito invece ha un permesso speciale perché lavora nell’ambito sanitario privato e quindi è fuori tutto il giorno ma è tranquillo perché sa che può contare sulla nostra responsabilità.

La sera, prima di dedicarci alle nostre attività,  passiamo un po’ di tempo insieme riflettendo su una delle Stazioni della Via Crucis visto che siamo in Quaresima. Ci facciamo coraggio ed elaboriamo  insieme ciò che sta accadendo, ognuno secondo la propria sensibilità.

Ognuno di noi trae una lezione differente ma certamente lo stare insieme 24h al giorno non solo non è un peso ma una opportunità per godere meglio l’uno dell’altra.

Ed è in questa situazione che mi domando cosa ne sarebbe ora della mia famiglia se avessi fatto scelte diverse orientate più verso la mia carriera professionale. Non ho una risposta e meglio forse non darla.

Come Gesù ci insegna, dobbiamo prendere la nostra Croce e portarla avanti al meglio, senza voltarsi ma guardando in avanti.

~ Germana, Executive Secretary MSC Generalate


MI VIDA FAMILIAR EN LA ÉPOCA DEL CORONAVIRUS          

“Hoy me gustaría recordar a las familias que no pueden salir de la casa. Tal vez el único horizonte que tienen es el balcón. Y allí, la familia, con los niños, los adolescentes, los padres… rezamos para que encuentren una forma de comunicarse bien entre ellos, para construir relaciones amorosas en la familia, y para superar la angustia de este tiempo juntos. Oremos por la paz de las familias hoy, en esta crisis, y por la creatividad”. Fue con este pensamiento para los padres y los niños obligados a casa por la pandemia que el Papa Francisco comenzó la misa matutina transmitida en vivo desde la Casa Santa Marta el 21 de marzo.

Se habla mucho de la sobrevivencia de las familias “obligadas” a vivir juntas durante 24 horas, a veces en tonos cómicos y a veces en tonos más serios porque es muy común la creencia de que los miembros de una misma familia no se conocen lo suficiente y que la vida verdadera está ahí fuera. Estoy en contra de esa tendencia. Es cierto que la vida familiar se compone de pequeños esfuerzos repetidos. A veces perdemos tiempo y energía calculando cuánto peso llevo yo que el otro, cuánto más es mi compromiso y mi habilidad. Así que miremos a Jesús tomando la cruz y recordemos su encomienda al Padre, cuando todavía estaba en el jardín de los olivos. Del Padre Jesús toma la fuerza para transformar la vergonzosa madera en una promesa de amor eterno.

Como madre, tuve que tomar decisiones valientes que me llevaron a frenar y a veces a cancelar mi carrera profesional para favorecer y poner a mi familia en primer lugar. A menudo me criticaban mucho y a veces yo también tenía momentos de dudas. Sin embargo, en este momento de la historia he sido testigo de acontecimientos que me han hecho sentir orgullosa de mis elecciones que otros y yo también hemos llamado renuncias.

Mi hijo mayor se encarga de las compras por la familia y por lo tanto tiene que hacer largas colas.

Junto con su hermano menor, creó un grupo de Whatsapp pidiéndome los teléfonos móviles de los vecinos que son muy viejos. Les enviaron un mensaje ofreciéndoles hacer la compra por ellos y dársela junto con las medicinas. También los llamaron con la videollamada para hacerles compañía y alegran los días de sus abuelos.

Continúan estudiando a distancia y haciendo sus deberes.

Mi marido, en cambio, tiene un permiso especial porque trabaja en la sanidad privada y por eso está fuera todo el día, pero está tranquilo porque sabe que puede contar con nuestra responsabilidad.

Por la noche, antes de dedicarnos a nuestras actividades, pasamos un tiempo juntos reflexionando sobre una de las estaciones del Vía Crucis ya que estamos en Cuaresma. Tomamos coraje y elaboramos juntos lo que está pasando, cada uno según su propia sensibilidad

Cada uno de nosotros saca una lección diferente, pero ciertamente estar juntos las 24 horas del día no sólo no es una carga sino una oportunidad para disfrutar mejor del otro.

Y es en esta situación en la que me pregunto qué le habría pasado a mi familia ahora si hubiera hecho elecciones diferentes orientadas más hacia mi carrera profesional. No tengo una respuesta y tal vez sea mejor no darla.

Como Jesús nos enseña, debemos tomar nuestra cruz y llevarla adelante lo mejor que podamos, sin volvernos atrás pero mirando hacia adelante.

~ Germana, Executive Secretary MSC Generalate


A MINHA VIDA EM FAMÍLIA NOS TEMPOS DO CORONA VIRUS

“Hoje gostaria de recordar as famílias que não podem sair de casa. Talvez o único horizonte que tem diante e si, seja a varanda. E lá, a família, com os filhos, os jovens, os pais… para que saibam se comunicar bem uns com os outros, para construir relacionamentos de amor na família e superem juntos, em família as angústias desse tempo. Rezemos pela paz das famílias hoje, nesta crise e pela criatividade”. É com este pensamento aos pais e aos filhos encerrados dentro de casa pela pandemia que o Papa Francisco iniciou a missa na manhã do dia 21 de março, transmitida em linha direta da Casa Santa Marta.

Fala-se muito da sobrevivência das famílias, “obrigadas” a viver juntas por 24 horas, às vezes, com um tom cômico outras vezes com um tom mais sério porque é muito comum que os membros de uma mesma família não se conheçam o bastante e que a verdadeira vida seja lá fora. Eu me vejo indo contra a tendência. É verdade que a vida familiar é composta de pequenos e repetidos esforços. Às vezes, desperdiçamos tempo e energia calculando quanto peso eu carrego mais do que o outro, quanto maior for o meu compromisso, minha coragem. Olhemos Jesus levando a cruz e lembremo-nos de sua entrega ao Pai, quando ele ainda estava no jardim de oliveiras. Do pai, Jesus recebe a força para transformar a madeira vergonhosa em uma promessa de amor eterno.

Como mãe, tive que fazer escolhas corajosas que me levaram a desacelerar e, às vezes, cancelar minha carreira profissional para favorecer e colocar minha família em primeiro lugar. Fui muitas vezes criticada e, algumas vezes tive dúvidas. No entanto, neste momento histórico, testemunhei alguns fatos que me deixaram orgulhoso de minhas escolhas que outros chamaram de renúncias.

Meu filho mais velho se encarregou das compras e, portanto, enfrentar longas filas.

Junto ao irmão menor criou um grupo de whatsapp pedindo-me os números de celulares dos vizinhos anciãos. Enviaram a eles uma mensagem oferecendo-se para fazer as compras e providenciar-lhes os medicamentos. Além disso, fazem chamadas de vídeo para fazer-lhes um pouco de companhia, bem como acalmam os dias de seus avós. E, continuam estudando à distância e desenvolvendo suas próprias atividades.

O meu marido tem uma permissão especial porque trabalha no âmbito sanitário privado e, portanto está fora o dia todo, mas está tranquilo porque sabe que pode contar com a nossa responsabilidade.

À tarde, antes de dedicar-nos às nossas atividades, passamos um pouco de tempo juntos refletindo sobre uma das estações da Via Sacra, uma vez que estamos na Quaresma. Encorajamo-nos e elaboramos juntos aquilo que está acontecendo, cada um de acordo com a própria sensibilidade.

Cada um de nós traz uma lição diferente, mas certamente só o estar juntos 24h por dia, sem nenhum peso torna-se uma oportunidade para apreciar um ao outro.

É esta a situação que me pergunto o que seria agora da minha família se houvesse feito escolhas diferentes, orientadas mais para a minha carreira profissional. Não tenho uma resposta e, talvez seja melhor assim.

 Como Jesus nos ensina, devemos tomar a nossa Cruz e levar adiante da melhor forma, sem olhar para traz, sempre com o olhar adiante.

~ Germana, Executive Secretary MSC Generalate

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *