José Francisco de San Martín Matorras, known to all as San Martín, one of the most important figures in Argentine and Latin American history, died on August 17, 1850. His actions during the first third of the 19th century in the struggles for independence in South America made his name a worldwide reference in the processes of decolonization.

His obsession was the freedom of his homeland. Questo è stato l’obiettivo che lo ha tenuto sveglio fino al momento della sua morte. Here is the reason for his command, “We are free, the rest does not matter.” General San Martin’s transition to immortality took place in this way. The Liberator also taught us that it is not possible to embark on a common project for a country without national unity; a necessary condition for overcoming any challenge, for the realization of cherished dreams, in short, for the success of any great undertaking. Peoples always evoke their glorious past; in times of peace, to pay tribute of gratitude and recognition to their heroes for their deeds; in times of crisis, to look to them for the examples needed to meet great challenges.


Il 17 agosto 1850 morì José Francisco de San Martín Matorras, noto a tutti come San Martín, una delle figure più importanti della storia argentina e latinoamericana. Le sue azioni durante il primo terzo del XIX secolo nelle lotte per l’indipendenza in Sud America hanno reso il suo nome un riferimento mondiale nei processi di decolonizzazione.

La sua ossessione era la libertà della sua patria. Questo è stato l’obiettivo che lo ha tenuto sveglio fino al momento della sua morte. Ecco il motivo del suo comando: “Siamo liberi, il resto non conta”. Il passaggio all’immortalità del generale San Martin è avvenuto così. Il Liberatore ci ha anche insegnato che non è possibile intraprendere un progetto comune per un Paese senza l’unità nazionale; una condizione necessaria per superare qualsiasi sfida, per realizzare i sogni più cari, in breve, per il successo di qualsiasi grande impresa. I popoli rievocano sempre il loro glorioso passato; in tempi di pace, per rendere un tributo di gratitudine e di riconoscimento ai loro eroi per le loro gesta; in tempi di crisi, per guardare a loro per gli esempi necessari ad affrontare le grandi sfide.


Les comparto fotos de la celebración del 17 de agosto en Rosario en la escuela primaria. Esta fecha conmemora la muerte del “Libertador San Martín”, héroe de la independencia de Argentina, Chile y Perú.

El 17 de agosto de 1850 murió José Francisco de San Martín Matorras, conocido por todos como San Martín, una de las figuras más importantes de la historia argentina y latinoamericana. Su actuación durante el primer tercio del siglo XIX en las luchas por la independencia de América del Sur convirtió su nombre en una referencia mundial en los procesos de descolonización.

Su obsesión era la libertad de su patria. Este fue el objetivo que le mantuvo despierto hasta el momento de su muerte. Esta fue la razón de su mandato: “Somos libres, lo demás no importa”. Así se produjo el paso a la inmortalidad del general San Martín. El Libertador también nos enseñó que no es posible embarcarse en un proyecto común de país sin la unidad nacional; condición necesaria para superar cualquier reto, para realizar los sueños acariciados, en definitiva, para el éxito de cualquier gran empresa. Los pueblos siempre recuerdan su glorioso pasado; en tiempos de paz, para rendir un homenaje de gratitud y reconocimiento a sus héroes por sus hazañas; en tiempos de crisis, para buscar en ellos los ejemplos necesarios para afrontar los grandes retos.


Em 17 de agosto de 1850, José Francisco de San Martín Matorras, conhecido por todos como San Martín, morreu, uma das figuras mais importantes da história argentina e latino-americana. Suas ações durante o primeiro terço do século XIX nas lutas pela independência na América do Sul fizeram de seu nome uma referência mundial nos processos de descolonização.

Sua obsessão era a liberdade de sua pátria. Este foi o objetivo que o manteve acordado até o momento de sua morte. Esta foi a razão de seu comando: “Somos livres, o resto não importa”. Foi assim que surgiu a passagem do General San Martin à imortalidade. O Libertador também nos ensinou que não é possível empreender um projeto comum para um país sem unidade nacional; uma condição necessária para superar qualquer desafio, para realizar sonhos queridos, em suma, para o sucesso de qualquer grande empreendimento. Os povos sempre recordam seu passado glorioso; em tempos de paz, para prestar uma homenagem de gratidão e reconhecimento aos seus heróis por suas ações; em tempos de crise, para olhar para eles os exemplos necessários para enfrentar grandes desafios.

Leave a Reply

Your email address will not be published.